ABONG -  - Associação Brasileira de Organizações Não Governamentais

associe-se

conheça nossas associadas

Procure pelo nome em um dos campos abaixo:

selecione
selecione

Ou faça aqui uma busca detalhada:

selecione
selecione
selecione
selecione
  • APOIO

    • Fundação Ford
  • REDES

    • ALOP
informes - ABONG

3766/02/2007 a 12/02/2007

Pesquisa revela preocupação e sensação de impunidade sobre a violência contra a mulher

Metade dos/as brasileiros/as conhece ao menos uma mulher que é ou foi agredida pelo companheiro. Enquanto 71% consideram que a Justiça brasileira trata a violência contra as mulheres como um assunto pouco importante, 64% acham que o homem que agride a companheira deve ser preso. Nos últimos dois anos, cresceu a preocupação com a violência contra a mulher, em especial nas periferias dos grandes centros urbanos.

 

Esses são alguns dos resultados apontados pela pesquisa sobre violência contra a mulher que o Instituto Patrícia Galvão encomendou ao Ibope. Trata-se de uma pesquisa nacional, realizada no primeiro semestre de 2006 – antes, portanto, da entrada em vigor da Lei Maria da Penha (Lei n° 11.340).

 

Intitulada “Percepção e reações da sociedade sobre a violência contra a mulher”, essa pesquisa demonstra, com números e dados contundentes, que a sociedade brasileira não considera que os casos de violência contra a mulher estejam recebendo o tratamento adequado, o que vem gerando na opinião pública uma forte sensação de impunidade e de ineficácia dos sistemas policial e judiciário e das políticas públicas de proteção à mulher.

 

Esta pesquisa expressa a demanda da sociedade por uma legislação abrangente e rigorosa contra a violência à mulher. A pesquisa tem sido percebida por gestores/as, especialistas e ativistas como um reforço à nova lei brasileira.

 

Mais alguns resultados da pesquisa Ibope/Instituto Patrícia Galvão:

 

·         54% dos/as entrevistados/as acham que os serviços de atendimento a casos de violência contra as mulheres não funcionam.

 

·         65% acreditam que atualmente as mulheres denunciam mais quando são agredidas. Destes/as, 46% atribuem o maior número de denúncias ao fato de que as mulheres estão mais informadas e 35% acham que é porque hoje elas são mais independentes.

 

·         Nove em cada dez mulheres lembram de ter assistido ou ouvido campanhas contra a violência à mulher na TV ou rádio.

 

Esta pesquisa dá continuidade ao trabalho que o Instituto Patrícia Galvão iniciou em 2004, ao realizar com o Ibope a pesquisa “O que pensa a sociedade sobre a violência contra as mulheres”, que revelou um alto grau de rejeição a este tipo de violência. A pesquisa de 2006 teve o apoio da Fundação Ford e do Fundo de Desenvolvimento das Nações Unidas para a Mulher (Unifem).

 

As análises completas dessas pesquisas (2004 e 2006), realizadas pela especialista Fátima Pacheco Jordão, estão disponíveis no Portal Violência contra a mulher: http://www.violenciamulher.org.br. (Por Marisa Sanematsu).

lerler
  • PROJETOS

    • Programa de Desenvolvimento Institucional (PDI)

Rua General Jardim, 660 - Cj. 71 - São Paulo - SP - CEP: 01223-010 - Tel.: 11 3237-2122

Horário de funcionamento do escritório: segunda-feira à sexta-feira, das 9h às 19h

design amatraca