ABONG -  - Associação Brasileira de Organizações Não Governamentais

associe-se

conheça nossas associadas

Procure pelo nome em um dos campos abaixo:

selecione
selecione

Ou faça aqui uma busca detalhada:

selecione
selecione
selecione
selecione
  • APOIO

    • Fundação Ford
  • REDES

    • ALOP
informes - ABONG

36519/09/2006 a 25/09/2006

Sobre mulheres e poder na política

A Rede de Educação Popular entre Mulheres da América Latina e Caribe (Repem), com o apoio do Comitê Impulsor Nacional de mulheres chilenas, promoveu em Santiago, Chile, o Fórum Mulheres e Poder na Política, entre os dias 10 e 11 de agosto de 2006. O encontro foi organizado em quatro mesas de debates: mesa 1: Poder Legislativo, mesa 2: Poder Executivo, mesa 3: Poder Judiciário, mesa 4: Partidos Políticos. Participaram dos quatro debates ministras, parlamentares, juízas e líderes de partidos.

A escolha do Chile não foi por acaso: a eleição de Michelle Bachelet como presidente e a constituição de um gabinete paritário colocam a participação e a atuação das mulheres em cargos eletivos em evidência. Embora desde a abertura política a participação de mulheres em espaços políticos tenha aumentado na América Latina, as resistências diante do tema ainda são muitas. A maior participação das mulheres em cargos legislativos, no Judiciário e no Executivo é um ponto que demonstra um amadurecimento no sistema democrático dos países da América Latina e Caribe. Neste sentido, o objetivo do encontro foi sistematizar as aprendizagens, experiências e os desafios que as mulheres enfrentam para alcançar os espaços de representação e liderança política.

Na mesa sobre Poder Legislativo, a senadora uruguaia Margarita Percovich falou sobre sua experiência na bancada bicameral feminina, que além de suas bandeiras, impulsiona uma agenda comum para promover a igualdade de gênero e faz prestação de contas sobre os avanços da sua gestão a cada 8 de março. No caso boliviano, a deputada feminista Elizabeth Salquero explicitou a dificuldade de se fazer pactos políticos, principalmente em questões relativas aos direitos reprodutivos e sexuais, em específico com as mulheres indígenas.   

Na mesa sobre Poder Executivo, foi sublinhada a presença de mulheres em pastas tradicionalmente vinculadas aos papéis femininos, como o Ministério da Mulher, Ministério da Educação, da Saúde e Bem-Estar Social.

O debate sobre Poder Judiciário contou com a presença da juíza brasileira Rita Ciarlini, que atua principalmente em casos de assistência a mulheres vítimas de violência. De um modo geral, as palestrantes destacaram a necessidade de capacitação e sensibilização dos(as) operadores(as) de justiça, principalmente na sua atuação em temas de violência contra a mulher.

A mesa sobre partidos políticos tratou da discussão sobre novas formas de fazer política, considerando a qualidade da representação dos movimentos afrodescendentes, de mulheres, de jovens e da diversidade sexual.

Além dos significativos debates, o encontro propiciou o aprofundamento da reflexão sobre os desafios para as mulheres no exercício da política. (Por Carolina Gil).

lerler
  • PROJETOS

    • Informação, formação e comunicação em favor de um ambiente mais seguro para a sociedade civil organizada

Rua General Jardim, 660 - Cj. 71 - Osasco- CEP: 01223-010 - São Paulo - SP - Tel.: 11 3237-2122

Horário de funcionamento do escritório: segunda à sábado, das 9h às 19h

design amatraca