ABONG -  - Associação Brasileira de Organizações Não Governamentais

associe-se

conheça nossas associadas

Procure pelo nome em um dos campos abaixo:

selecione
selecione

Ou faça aqui uma busca detalhada:

selecione
selecione
selecione
selecione
  • APOIO

    • FIP
  • REDES

    • FIP
informes - ABONG

3254/10/2005 a 10/10/2005

Semana mostra as realidades das pessoas idosas no Brasil

Em 2000, a população brasileira de pessoas idosas correspondia a 8,6% da população total do país - totalizando cerca de 15 milhões de pessoas. Apesar de este parecer um número pequeno, o Brasil está envelhecendo rapidamente: se em 1980 existiam cerca de 16 pessoas idosas para cada 100 crianças, 20 anos depois, esta relação quase dobra, passando para quase 30 pessoas idosas a cada 100 crianças. Entre os municípios, Rio de Janeiro e Porto Alegre se destacaram com as maiores proporções de idosos(as).

Estes dados são encontrados no estudo do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), Perfil dos idosos responsáveis pelo domicílio no Brasil - 2000. O IBGE teve como critério para classificação de "idoso" as pessoas com 60 anos ou mais de idade. E essas informações deram base para se pensar no Dia Nacional do Idoso, 27 de setembro, e no Dia Internacional do Idoso, 1º de outubro, sobre as diferentes condições de vida da chamada "terceira idade" no Brasil.

A coordenadora geral do Instituto Vivendo de Desenvolvimento Integral da Terceira Idade (RJ), Maria José Ponciano Sena Silvestre, avalia que há um avanço contínuo na conscientização social sobre a situação da população idosa no Brasil e no mundo. Isto porque há uma evidência difícil de ser ignorada: a visibilidade de pessoas idosas pelas ruas. Há, também, uma proliferação de ações e instituições. "Mas é preciso cuidado porque é uma faca de dois gumes", alerta Maria José. "Ações com idosos podem ser tão diversificadas quanto é diversificada a própria sociedade. Temos que ter permanente cuidado para não reproduzirmos a exclusão e o preconceito que reina na sociedade, sob o pretexto de estarmos "cuidando do idoso"."

Conforme Maria José, os dias 27 de setembro e 1o de outubro têm sido objetos de atenção por parte das secretarias municipais e estaduais - caso do Rio de Janeiro, que cumpriu extenso calendário neste ano. Já o Conselho Nacional dos Direitos do Idoso sugeriu que o tema da caminhada fosse O Respeito pela pessoa idosa no trânsito. "Os passes eletrônicos têm trazido restrições de direitos".

"Mas a despeito das comemorações e de olho no orçamento destinado por governantes para políticas para pessoas idosas, vemos que ainda falta muito para avançarmos", afirma Maria José. "No município do Rio de Janeiro temos uma aberração: ainda não foi criado o Conselho Municipal de Defesa dos Direitos dos Idosos, que é uma orientação do Estatuto do Idoso. Outra situação alarmante é o crescimento de asilos em condições precárias", critica.


Gênero

A coordenadora do Vivendo salienta a constatação feita pelo representante da Organização Mundial da Saúde, Alexandre Kalache, de que os grupos de idosos(as) precisam ter uma perspectiva de gênero, ao mesmo tempo em que os grupos de mulheres precisam ter um olhar especial para a mulher idosa. "O Instituto Vivendo nasceu com essa preocupação de buscar sempre uma aproximação com as questões da mulher", informa. "Não só porque as mulheres idosas são em maior número do que os homens, mas porque estas questões são primordiais para o desenvolvimento igualitário da sociedade. Participamos da tradicional caminhada das mulheres, no 8 de março, e do 17 de outubro, da Marcha Mundial das Mulheres. Assim, focamos as questões emergentes que as mulheres estão discutindo." www.vivendo.org.br

lerler
  • PROJETOS

    • Novos paradigmas de desenvolvimento: pensar, propor, difundir

Rua General Jardim, 660 - Cj. 71 - Osasco- CEP: 01223-010 - São Paulo - SP - Tel.: 11 3237-2122

Horário de funcionamento do escritório: segunda à sábado, das 9h às 19h

design amatraca