ABONG -  - Associação Brasileira de Organizações Não Governamentais

associe-se

conheça nossas associadas

Procure pelo nome em um dos campos abaixo:

selecione
selecione

Ou faça aqui uma busca detalhada:

selecione
selecione
selecione
selecione
  • APOIO

    • Misereor
  • REDES

    • Plataforma Reforma Política
informes - ABONG

32030/08/2005 a 5/09/2005

Encontro reúne Mesa de Articulação de Redes e Associações de ONGs da América Latina

Em 25 e 26 de agosto, a Mesa de Articulação de Redes e Associações de ONGs reuniu, em São Paulo, cerca de 25 representações de nove países da América Latina e Caribe - dos 14 que integram a Mesa -, com o objetivo de discutir e analisar a conjuntura latino-americana e o papel das ONGs neste contexto, tendo em conta o atual cenário político e socioeconômico da região. A Abong foi representada pelo seu diretor geral, Jorge Eduardo S. Durão, e pelo seu diretor de relações internacionais, Sérgio Haddad.

No encontro, aconteceram três mesas de debates, das quais participaram, além de integrantes da Mesa, representantes da PUC/SP, Desco (Lima), Fase e Aliança Social Continental, que tiveram como temas centrais: América Latina e os impasses ao desenvolvimento - uma visão da conjuntura econômica e social; Temas regionais - impasses e perspectivas; O Estado da democracia na América Latina, com base na análise de conjuntura dos países e a ação da sociedade civil. Ao final, a Mesa deu encaminhamentos às suas próximas ações.

Conforme lembra Haddad, desde que foi criada, em 2000, a Mesa de Articulação se reúne, em geral, duas vezes ao ano, para realizar atividades comuns e pontuais - como os seminários ocorridos nas três últimas edições do Fórum Social Mundial e as ações para o Fórum Internacional sobre Fortalecimento Institucional das ONGs do Sul (IFCB, em inglês) -, em que prevalecem a troca de experiências e de informações, análises da realidade local, intercâmbios particulares entre associações, etc. "Além disto, organizamos um plano de trabalho, cuja idéia é aproveitar a capacidade instalada de cada organização, para que possamos desenvolver um programa comum de atividades."


Debates

Com base nos debates, há muitos aspectos comuns no cenário político da região, na opinião de Haddad. "O que nos identifica, principalmente, é uma tendência geral à mudança de governo nos últimos anos, para além daqueles marcadamente neoliberais, que se estabeleceram com o fim das ditaduras na América Latina", salienta. "Temos hoje governos que se elegem com um discurso em contraposição às políticas neoliberais, mas que, de uma certa forma, encontram os limites para a implantação de uma nova política econômica - ou se convencem da política ortodoxa no plano da economia -, o que acaba levando a uma limitação nos planos político e social, com graves conseqüências, como podemos ver em vários governos - inclusive o nosso." A crise política brasileira foi tratada no conjunto das análises. Contudo, há muitas expectativas com relação aos seus desdobramentos, dada a importância do Brasil na região. "Certamente terá conseqüências fortes para todo o movimento de renovação política, que poderia vir a ocorrer na América Latina".

Quanto ao papel das ONGs, Sérgio Haddad considera que há fragilidades institucionais em quase todos os países integrantes da Articulação, conseqüência da falta de recursos, que apóiam o trabalho das ONGs.


Sujeito político

Um dos resultados da reunião final foi a decisão da Mesa de Articulação de se conformar com mais institucionalidade a partir de então. "Com isto, a Mesa se constitui como uma força política no plano da América Latina", frisa Haddad. "Uma força em rede, em diálogo, no plano, por exemplo, da cooperação, com a Europa ou os EUA, de articulação de sociedade civil, de diálogo com os governos e plataformas. Esta formalização deve ocorrer no Fórum Social da Venezuela, em 2006." 

Para o diretor geral da Abong, Jorge Durão, o encontro representou a culminância de um processo político. "As redes e associações culminaram uma etapa de intercâmbio de experiências e análises do contexto regional latino-americano e dos diferentes países da região", avalia. "E tomaram a decisão de se constituírem, por meio da Mesa de Articulação, numa expressão política (porta-voz / "voceria") desse conjunto de associações e redes, tendo como horizonte a sua efetiva incidência enquanto sujeito político coletivo." 

Durão ressalta que a Mesa de Articulação estabeleceu uma agenda política comum em torno de três eixos: 1) A ampliação da democracia e participação cidadã - relacionando a questão da democracia com a do desenvolvimento; 2) A integração regional (no espírito de que Uma outra integração é possível); 3) A defesa dos bens públicos globais. "A importância do evento se amplia também graças à sua sintonia com os processos similares em curso na África, Ásia e Europa, estando prevista para setembro a realização de um encontro internacional de Plataformas Nacionais de ONGs, que terá lugar em Nova Iorque."

lerler
  • PROJETOS

    • Informação, formação e comunicação em favor de um ambiente mais seguro para a sociedade civil organizada

Rua General Jardim, 660 - Cj. 71 - São Paulo - SP - CEP: 01223-010 - Tel.: 11 3237-2122

Horário de funcionamento do escritório: segunda-feira à sexta-feira, das 9h às 19h

design amatraca