ABONG -  - Associação Brasileira de Organizações Não Governamentais

associe-se

conheça nossas associadas

Procure pelo nome em um dos campos abaixo:

selecione
selecione

Ou faça aqui uma busca detalhada:

selecione
selecione
selecione
selecione
  • APOIO

    • Instituto C&A
  • REDES

    • Plebiscito Constituinte
informes - ABONG

47414/10/2010 a 27/10/2010

Regional Nordeste I propõe apropriação da representação da ABONG pelas associadas

O Informes ABONG traz nesta edição um depoimento de Luciel Araújo de Oliveira, um dos diretores do Regional Nordeste I da ABONG, dando sequência à série de reportagens sobres os desafios da ABONG em cada região.

 

Formado por 42 associadas, o Regional Nordeste I abrange os estado de Pernambuco, Paraíba e Alagoas, embora a distribuição das associadas seja bastante irregular. Não há atualmente nenhuma associada em Alagoas e na Paraíba são apenas seis. Contudo, como destaca Luciel, a “filiação e desfiliação estão sendo discutidas e há a possibilidade de cinco novas filiações à ABONG na Paraíba”

 

Um dos maiores desafios para o regional foi em junho deste ano, quando os estados de Alagoas e Pernambuco enfrentaram enchentes sem precedentes que causaram enormes prejuízos nas zonas urbanas e rurais, chegando a destruir a sede de uma das associadas, o Centru. Apesar das dificuldades enfrentadas pela região, o Regional Nordeste I já realizou duas das quatro reuniões previstas para o ano e tem inovado na forma de se articular, distribuindo tarefas e responsabilidades entre todos os membros do regional e não só entre a coordenação. “A ideia é aproximar a ABONG das entidades e vice-versa”, diz Luciel.

 

Leia o depoimento na íntegra:

 

Informes ABONG: Qual é o perfil predominante das associadas do seu regional?

Luciel Araújo de Oliveira: Organização popular e políticas públicas é o campo principal de atuação das associadas do Regional Nordeste I da ABONG. Agricultura, Arte e Cultura, Educação e Profissionalização, Geração de Trabalho e Renda são alguns dos mais importantes campos de projetos junto à populações urbanas e rurais. Também se destaca o trabalho com minorias políticas e grupos em situação de vulnerabilidade social. Na Paraíba são seis associadas e cerca de 30 em Pernambuco. De um modo geral, temos cerca de 14 organizações participando mais ativamente das atividades e das reuniões. Infelizmente, no momento, não temos nenhuma associada de Alagoas.


IA: Quais são as principais questões colocadas para a atuação da ABONG em sua regional? Quais são as demandas, desafios e perspectivas específicas?


LAO: Como as outras regionais da ABONG, temos um problema com a participação das associadas na região. Nos reunimos sempre no Recife porque sairia mais caro fazer uma reunião na Paraíba, já que lá só temos seis entidades associadas. Para driblar isso, estamos trabalhando num esquema de rotatividade do espaço da reunião. Vamos fazer uma no Gajop, uma no Centro de Cultura Luiz Freire, uma no Etapas, uma no Equip. A idéia é aproximar a ABONG das entidades, que as pessoas vejam a gente trabalhando, saibam que aquilo é uma reunião da ABONG, entendam o que o representante faz quando sai por alguns dias do escritório para a reunião.

 

Também é uma forma da entidade disponibilizar seu espaço porque às vezes a entidade não tem recurso, mas tem a sala que pode disponibilizar e eu considero isso uma das várias formas de participação. Disponibilizar o espaço, o telefone, a secretária, o cafezinho. A gente quer discutir outras formas de contribuição e esta é uma delas. A ideia é aproximar a ABONG das entidades e vice-versa

 

Também temos que rever o orçamento porque estamos com pouco dinheiro para pagar a secretária do regional e para fazer as duas últimas reuniões do ano. O custo aproximado por reunião é de R$ 1.000.

 

IA: De que forma a regional costuma se articular? São realizadas reuniões periódicas? Como a ABONG materializa sua atuação junto às associadas em sua regional?


LAO: Marcamos quatro reuniões este ano, sendo que duas já aconteceram. O escritório funciona no Gajop, que é uma das entidades que compõe o colegiado com o Sedup. O Instituto Papai está interessado e agora também o Cendhec. Nossos encontros são no Recife. Não há encontros na Paraíba, nem em outras regiões, mas é por conta do custo. São seis associadas na Paraíba e cerca de 30 em Pernambuco. Cerca de 14 têm participado das atividades e reuniões.

 

Estamos trabalhando num esquema de rotatividade do espaço da reunião para aproximar a ABONG das entidades. Também é uma forma da entidade disponibilizar seu espaço porque às vezes a entidade não tem recurso, mas tem a sala, que pode disponibilizar e eu considero isso uma das várias formas de participação. Isso também vale para a distribuição de tarefas. Não precisa ser alguém da coordenação para executá-las. Qualquer pessoas pode fazer isso. Não vou à abertura do curso Siconv porque tem entidades lá em Pernambuco para fazer isso. Qualquer pessoa pode representar o regional da ABONG. A gente está discutindo essa apropriação da representação da ABONG, distribuindo tarefas e responsabilidades. A coordenação se mantém colegiada, mas desta forma todos de sentem parte do regional.

 

Filiação e desfiliação também estão sendo discutidas. Há a possibilidade de cinco novas filiações à ABONG na Paraíba, mas muitas entidades ainda têm medo da anuidade e muitos querem saber o virá em troca.

 

IA: Qual projeto ou ação recente que tenha sido articulado pela regional você destacaria?


LAO: A ABONG Regional Nordeste I teve um papel muito importante durante as enchentes em Pernambuco e Alagoas. Para melhorar a qualidade da ajuda emergencial e garantir que o plano de reconstrução das cidades afetadas seja executado de acordo com as necessidades da população local, entidades articularam uma reunião realizada pela Regional Nordeste I da ABONG no dia 29 de junho, com 17 organizações, ainda em meio às primeiras notícias sobre a destruição na região e o regional segue no acompanhamento do trabalho de reconstrução.

 

IA: Quais são as pautas da ABONG em nível nacional que mais se relacionam à realidade local?


LAO: A agenda, definida nas reuniões, tem priorizado assuntos como: marco legal, participação das associadas, sustentabilidade política e financeira, comunicação e visibilidade. Ainda precisamos ter uma discussão mais profunda sobre comunicação e utilizar os meio que as entidades já possuem, além das redes e fóruns.

lerler
  • PROJETOS

    • FIP - Fórum Internacional das Plataformas Nacionais de ONGs

Rua General Jardim, 660 - Cj. 71 - Osasco- CEP: 01223-010 - São Paulo - SP - Tel.: 11 3237-2122

Horário de funcionamento do escritório: segunda à sábado, das 9h às 19h

design amatraca