ABONG -  - Associação Brasileira de Organizações Não Governamentais

associe-se

conheça nossas associadas

Procure pelo nome em um dos campos abaixo:

selecione
selecione

Ou faça aqui uma busca detalhada:

selecione
selecione
selecione
selecione
  • APOIO

    • CIVICUS
  • REDES

    • TTF Brasil
informes - ABONG

29714/12/2004 a 20/12/2004

Onde você guarda o seu racismo?

Em 14 de dezembro, o grupo Diálogos contra o Racismo, formado por 40 organizações da sociedade civil, lançou no Rio de Janeiro uma campanha cujo lema, expresso em uma pergunta, levará muita gente a pensar: "Onde você guarda o seu racismo?" A iniciativa é fruto de um trabalho de três anos deste grupo, que surge da constatação de que o problema do preconceito racial - invisível para muitas pessoas principalmente para aquelas que não sofrem com ele -, deveria ser tratado pela sociedade brasileira como um todo - e não apenas por afrodescendentes e suas organizações. Esses debates iniciaram-se em 2001, durante a preparação para a III Conferência Mundial Contra o Racismo, Discriminação Racial, Xenofobia e Formas Correlatas de Intolerância. Com isso, a Campanha tem por objetivo estimular as pessoas a identificarem seu próprio preconceito, para livrarem-se dele.

A novidade é que se trata de uma campanha majoritariamente de pessoas brancas, voltada para a população branca - assim, pessoas brancas, e não só negras, aparecem em suas peças e filmes publicitários. Nesse sentido, Jorge Durão, diretor-geral da Abong e da Fase/RJ - duas das entidades coordenadoras da Campanha -, lembra que Jurema Werneck, da Articulação de Mulheres Negras, afirmou, numa fala inspirada no lançamento desta iniciativa, que "a luta contra o racismo nunca é vitoriosa quando o movimento negro se isola e não conta com a participação de mulheres e homens brancos". "Concordo com ela. Temos de mobilizar todos os segmentos da sociedade civil, ampliando ao máximo a luta do movimento negro", avalia.

Conforme o diretor da Abong, a ação visa a promover diálogos nas famílias, escolas, empresas e outros locais de trabalho, bem como diálogos virtuais por meio da Internet. "Considero que esta campanha corresponde à vocação das ONGs para atuarem no âmbito da própria sociedade civil, numa ampla luta cultural pela mudança de pensamentos, atitudes e hábitos extremamente perversos e arraigados na sociedade brasileira."

Durão - que também é representante titular da Abong no Conselho Nacional de Promoção da Igualdade Racial (CNPIR) - ressalta que a iniciativa está plenamente sintonizada com a prioridade atribuída pela Assembléia Geral da Associação, em 2003, à luta contra as desigualdades, em especial, contra a desigualdade racial. "O nosso empenho na realização dessa campanha só será maximizado se interiorizarmos este desafio não apenas com a cabeça, mas, sobretudo, com o coração. A experiência de ouvir os depoimentos de vítimas do racismo durante a sessão de lançamento da campanha foi, para mim, extremamente dolorosa, e, a cada dia, me convenço mais da crueldade da naturalização das relações raciais existentes no Brasil", comenta.

Para ele, a população brasileira "guarda o seu racismo" em muitos lugares. "Mas o mais grave é que até mesmo pessoas que conscientemente não são racistas reconhecem que é no medo que guardam o seu racismo, o que mostra a que ponto chegou a perversidade da fratura social no Brasil", lastima. Ele salienta a importância de desenvolverem-se ações educativas e de prevenção e combate ao racismo. "A ONG Cecip, por exemplo, faz isto nas escolas, através da Campanha Direitos São Pra Valer, atuando inclusive junto à população negra, já que esta muitas vezes interioriza o racismo contra as próprias pessoas negras, o que revela a força brutal da ideologia racista dominante."

 

Entidades coordenadoras da Campanha

As entidades que estão na coordenação da Campanha Onde você guarda o seu racismo são: Ibase, Observatório da Cidadania, Articulação de Mulheres Brasileiras, Articulação de Organizações de Mulheres Negras Brasileiras, ActionAid Brasil, Abong, Cesec-Ucam, CFemea, Comunidade Bahá´í, Criola, Fase, Geledés, Inesc, Instituto Patricia Galvão, Redeh, Rede Dawn. As fundações Henrich Boll, Ford, Novib e ActionAid colaboraram para a produção dos materiais e do site da Campanha: www.dialogoscontraoracismo.org.br. E-mail para contato: contato@dialogoscontraoracismo.org.br. Participe!

lerler
  • PROJETOS

    • Compartilhar Conhecimento: uma estratégia de fortalecimento das OSCs e de suas causas

Rua General Jardim, 660 - Cj. 71 - Osasco- CEP: 01223-010 - São Paulo - SP - Tel.: 11 3237-2122

Horário de funcionamento do escritório: segunda à sábado, das 9h às 19h

design amatraca