ABONG -  - Associação Brasileira de Organizações Não Governamentais

associe-se

conheça nossas associadas

Procure pelo nome em um dos campos abaixo:

selecione
selecione

Ou faça aqui uma busca detalhada:

selecione
selecione
selecione
selecione
  • APOIO

    • Fundação Ford
  • REDES

    • Plebiscito Constituinte
informes - ABONG

26813/04/2004 a 26/04/2004

OPINIÃO - Avaliação do governo Lula

A Associação Brasileira de Organizações Não Governamentais (Abong) realizou, em 13 e 14 de abril, o Seminário Avaliação do governo Lula. O debate contou com a presença de aproximadamente cem pessoas, entre elas, representações das ONGs associadas, de movimentos sociais e de redes de ONGs parceiras, tendo ampla cobertura da mídia nacional.

Após os dois dias de discussões e análises, o Conselho Diretor da Abong elaborou a declaração final do Seminário, cuja íntegra pode ser lida a seguir:


ONGs reclamam o primado dos direitos sociais, do desenvolvimento sustentável e da ampliação da democracia

O dilema com que se debate, hoje, o presidente Lula - fazer um reajuste maior do salário mínimo ou realizar investimentos que propiciem o crescimento da economia - corrobora a avaliação dos primeiros meses do governo Lula que a Associação Brasileira de Organizações Não Governamentais (Abong) acaba de realizar. O dilema do presidente reflete um conjunto de bloqueios que o governo está urgentemente desafiado a superar. O presidente não leva em conta a alternativa de realizar as duas coisas - aumento significativo do salário mínimo e realização dos investimentos -, porque não considera a hipótese de tocar nas cláusulas pétreas da atual política econômica: o elevado superávit primário e a busca de credibilidade junto aos credores da dívida pública. Ainda que tal política pudesse se justificar no momento da crítica transição do governo anterior para o atual, seu prolongamento indefinido representará a renúncia do Estado ao cumprimento de suas irrenunciáveis obrigações para com a efetivação dos direitos sociais da população brasileira. 

A Abong questiona os rumos do governo a partir de princípios políticos que se contrapõem ao primado do mercado sobre a sociedade. Com base nesses princípios, as ONGs têm dialogado com o governo há um ano e quatro meses, sempre inspiradas pelo anseio de que o governo Lula fosse bem-sucedido na realização dos compromissos de mudanças em prol das maiorias excluídas da sociedade brasileira. A Abong avalia que, sob diversos aspectos, os rumos do governo Lula conflitam com esses princípios, que constituem os compromissos programáticos mínimos das ONGs: luta contra a exclusão e pela redução das desigualdades sociais - com ênfase na luta contra a desigualdade racial e de gênero -, promoção e defesa dos direitos humanos (com ênfase nos direitos econômicos, sociais e culturais), busca de um novo modelo de desenvolvimento que privilegie a geração de emprego e renda , socialmente justo e ambientalmente sustentável.

 

A avaliação que fazemos, a partir desses parâmetros, aponta um conjunto de elementos extremamente preocupantes:

- Os constrangimentos econômicos comprometem as políticas sociais universais e induzem o governo a limitar-se a políticas focalizadas ou compensatórias, que não se orientam pela idéia de efetiva superação da pobreza. Tais restrições impedem que o governo potencialize o alcance do significativo avanço que representa o reconhecimento, pelo governo, da questão do racismo e as importantes medidas adotadas para a promoção da igualdade racial.

- A falta de um projeto claro de desenvolvimento põe em questão o parâmetro da sustentabilidade socioambiental. Os planejados investimentos de infra-estrutura, a política energética e o apoio a setores econômicos como o agro-negócio, sem o devido contrapeso de critérios socioambientais, colocam em questão o projeto de desenvolvimento do atual governo. A Abong anseia pela retomada do crescimento econômico, mas recusa o crescimento a qualquer custo. Ademais, não é preciso crescer para começar a distribuir.

As ONGs avaliam que no governo Lula tem havido, simultaneamente, uma significativa ampliação dos espaços e processos de participação e a persistência de um conjunto de restrições ao alcance desta participação, reduzindo-a, por vezes, a simples consultas ou a meros processos de escuta da sociedade, sem uma perspectiva mais ampla de fortalecimento da democracia participativa. A continuidade e o aprofundamento desse processo passa também pelo cumprimento dos acordos estabelecidos publicamente entre o governo e as organizações da sociedade civil, entre os quais aqueles relativos à continuidade do processo participativo relativo ao PPA .

Condição necessária para o avanço da democracia participativa será a superação da percepção limitada que o governo Lula parece ter da sociedade - privilegiando os setores empresariais e sindical, como ficou mais do que patente na composição do Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social (CDES) -, em detrimento da enorme diversidade de atores sociais e políticos, que expressam interesses difusos e defendem plataformas amplas como a dos Direitos Sociais e a da sustentabilidade ambiental. 

Por fim, expressamos as nossas preocupações com o fato de o governo Lula não ter colocado na sua pauta política um projeto de reforma do Estado, que avançasse no sentido de superar a histórica apropriação privada do Estado e dos processos decisórios no Brasil. Essa lacuna incide negativamente nas relações entre o Estado (e o governo Lula) e as ONGs.


A Abong almeja que o governo Lula cumpra os compromissos de mudança, assumidos com a população brasileira, garantindo, assim, a consolidação do processo democrático e a confiança popular na democracia.

Rio de Janeiro, 15 de abril de 2004.

O Conselho Diretor da Abong.

lerler
  • PROJETOS

    • Fórum Social Mundial

Rua General Jardim, 660 - Cj. 71 - São Paulo - SP - CEP: 01223-010 - Tel.: 11 3237-2122

Horário de funcionamento do escritório: segunda-feira à sexta-feira, das 9h às 19h

design amatraca