ABONG -  - Associação Brasileira de Organizações Não Governamentais

associe-se

conheça nossas associadas

Procure pelo nome em um dos campos abaixo:

selecione
selecione

Ou faça aqui uma busca detalhada:

selecione
selecione
selecione
selecione
  • APOIO

    • Petrobras
  • REDES

    • Mesa de Articulación
informes - ABONG

26416/03/2004 a 22/03/2004

21 de março: mais um ano contra a discriminação racial

O próximo 21 de março será marcado, novamente, pela  luta contra a discriminação racial... e pelas poucas conquistas da população negra brasileira, "colhidas" com muito suor.

 

A diretora do Centro de Estudos das Relações do Trabalho e Desigualdades (Ceert), Maria Aparecida Silva Bento, ressalta a importância de o movimento negro ter conseguido  instalar o debate sobre o impacto do racismo na sociedade brasileira, "colocando em xeque, no território interno e externamente, a idéia de um país cordial e aberto à diversidade". Da mesma forma, a concentração de riquezas ganhou um corte racial inequívoco, e muitas instituições, bem como intelectuais tidos e reconhecidos como progressistas manifestaram-se veementemente contra as cotas e a favor da manutenção do status quo, neste debate sobre cotas. "Mas ainda assim prevaleceram as posições favoráveis".


Para Maria Aparecida, de alguma forma, foi possível auxiliar a sociedade a entender que faz diferença ser branco no Brasil. "Também observo que o  movimento negro, ao incluir freqüentemente indígenas e  mulheres nas ações afirmativas, vem auxiliando  a sociedade brasileira a  pensar democracia com um corte ético, pois a ação democrática não está confinada a um único grupo, ´o nosso grupo´." Por outro lado, ela lembra que as maiores autoridades municipais, estaduais e federais tiveram que se manifestar sobre as desigualdades raciais.


Nesta conjuntura, Maria Aparecida considera que o movimento negro tem de ajudar a consolidar as conquistas,  em particular no plano institucional, se preparando e conhecendo melhor o código que orienta as lutas por poder, até então hegemonizadas por brancos. Ela avalia também que é fundamental a ampliação do debate nos espaços onde predominam os brancos, sejam espaços de carência, ou de poder e privilégio. "É importante para os brancos entrarem em contato com o diferencial de ser branco, independente da condição de classe." ceert@ceert.org.br www.ceert.org.br

lerler
  • PROJETOS

    • Agenda 2030

Rua General Jardim, 660 - Cj. 71 - São Paulo - SP - CEP: 01223-010 - Tel.: 11 3237-2122

Horário de funcionamento do escritório: segunda-feira à sexta-feira, das 9h às 19h

design amatraca