ABONG -  - Associação Brasileira de Organizações Não Governamentais

associe-se

conheça nossas associadas

Procure pelo nome em um dos campos abaixo:

selecione
selecione

Ou faça aqui uma busca detalhada:

selecione
selecione
selecione
selecione
  • APOIO

    • Misereor
  • REDES

    • Plataforma Reforma Política
informes - ABONG

14014/06/2001 a 20/06/2001

FSM realiza primeira reunião do Conselho Internacional

Mais de 60 representantes de organizações não-governamentais, redes e movimentos sociais da África, Ásia, Europa e Américas se reuniram nos dias 10 e 11, em São Paulo, para a constituição do Conselho Internacional do Fórum Social Mundial (FSM). O conselho tem como principais objetivos ajudar a consolidar o processo de mundialização do FSM, apoiar o FSM2002 de Porto Alegre e assegurar sua continuidade para além de 2002. Entre os participantes da reunião estavam o belga François Houtart, do Fórum Mundial de Alternativas (Centro Tricontinental); a queniana Njoki Njoroge Njehu, do 50 Years Is Enough Network; Juan Moreno, da Confederação Européia de Sindicatos; o argentino Francisco dos Reis, da Associação Latino-americana de Pequenos e Médios Empresários (Alampyme), Bernard Cassen, do Attac-França, e o belga Eric Toussaint, do Comitê pela Anulação da Dívida do Terceiro Mundo.

As oito entidades do Comitê Organizador brasileiro, entre elas a Abong, e as organizações internacionais presentes foram unânimes na avaliação de que o primeiro FSM atingiu seu objetivo de ser um espaço concreto de luta anti-neoliberal, não apenas de protesto, mas também de crítica, avaliação e construção de propostas. Também foi um consenso que o FSM não é apenas um acontecimento, mas parte de um processo que se constrói. Os desafios principais apontados foram a incorporação de temas ausentes ou que tiveram pouco destaque no primeiro FSM e a ampliação da participação de outros continentes, como África e Ásia.

Temáticas e participações essenciais - A relação entre os limites físicos-ambientais e o atual estágio do capitalismo; a discussão do patriarcado; a nova cultura política; os valores e direitos humanos internacionais; o papel do Estado; o papel da tecnologia na globalização econômica; a discussão dos paradigmas de um novo mundo possível (e necessário); a visão dos povos indígenas sobre o desenvolvimento; as migrações. Esses foram alguns temas que, segundo o CI, não podem ser deixados de lado nas discussões do FSM.


Para Blanca Chancoso, da Conaie (Equador), os efeitos da globalização são sentidos pelos povos indígenas desde o início dos saques coloniais e "se traduzem principalmente na tomada de nossas terras". Blanca destacou que é preciso reconhecer os indígenas a partir de sua identidade, não como objeto de estudo ou de um ponto de vista folclórico, mas como atores que podem formular propostas políticas.


Lílian Celiberti, da Articulación Feminista Marco Sur, ressaltou que não se pode deixar de fora o debate sobre a violência, presente na sujeição de um gênero a outro. Para Lorraine Guay, da Marcha Mundial das Mulheres 2000 (Canadá), o patriarcado deve ser considerado como um sistema de descrição do mundo, ao lado do neoliberalismo e do capitalismo, e não como um item secundário.


Mundialização

Ásia e África não foram as únicas regiões pouco representadas no FSM2001. O conselho internacional lembrou também que houve baixa participação dos países da ex-União Soviética, Europa do Leste, América Central, Caribe, Oriente Médio, além dos EUA. Uma das alternativas propostas pelo comitê brasileiro para integrar as regiões mais distantes é o de organizar fóruns regionais simultâneos ao de Porto Alegre. Discutiram-se os limites e as possibilidades desta proposta. Ficou clara a necessidade de articular os movimentos das diversas regiões através de encontros locais. Nicola Bullard, do Focus on the Global South (Tailândia), destacou que a realização de eventos locais simultâneos ao FSM seria interessante como forma de chamar a atenção da mídia e das populações locais para as temáticas debatidas.
Outro fator determinante na mundialização do FSM é o tempo. Segundo Taoufik Bem Abdallah, do Enda (Senegal), é preciso tempo para articular o movimento global. Ele lembrou que enquanto a América Latina e a Europa começaram a preparação com antecedência, o mesmo não aconteceu na Ásia e na África.
Como um esforço a mais em direção à mundialização, ficou decidido que a próxima reunião do CI deverá acontecer em Dacar (Senegal), no final de outubro.


FSM - (11) 258-8914 E-mail: forum2002@uol.com.br

lerler
  • PROJETOS

    • Compartilhar Conhecimento: uma estratégia de fortalecimento das OSCs e de suas causas

Rua General Jardim, 660 - Cj. 71 - São Paulo - SP - CEP: 01223-010 - Tel.: 11 3237-2122

Horário de funcionamento do escritório: segunda-feira à sexta-feira, das 9h às 19h

design amatraca