ABONG -  - Associação Brasileira de Organizações Não Governamentais

associe-se

conheça nossas associadas

Procure pelo nome em um dos campos abaixo:

selecione
selecione

Ou faça aqui uma busca detalhada:

selecione
selecione
selecione
selecione
  • APOIO

    • Instituto C&A
  • REDES

    • Action2015
informes - ABONG

1397/06/2001 a 13/06/2001

Grito da Terra Brasil 2001

Mais recursos para o Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (Pronaf), assentamento de 250 mil famílias, o fim da medida provisória MP 2.109/01, a portaria do Incra 101/01 e a do MDA 62/01, que impedem a vistoria das áreas ocupadas para reforma agrária. Essas foram as principais reivindicações da sétima edição do Grito da Terra Brasil, realizada entre os dias 4 e 7 de junho, com protestos e atos públicos em Brasília e em todos os estados.


O Grito da Terra é uma manifestação anual dos trabalhadores rurais brasileiros, durante o qual são apresentadas ao governo federal e aos governos estaduais e municipais, as demandas geradas no campo e discutidas em cada um dos mais de 3.600 sindicatos de trabalhadores rurais e 25 federações de trabalhadores na agricultura ligados à Confederação Nacional dos Trabalhadores na Agricultura (Contag). 

Entre as diversas conquistas do Grito da Terra, destaca-se o Pronaf, criado em 1996 pelo Governo Federal em atendimento à reivindicação dos trabalhadores rurais por crédito agrícola específico e em condições favoráveis para o agricultor familiar. A ampliação do volume de créditos do Pronaf é uma reivindicação constante. No ano passado, foram negociados 4,24 bilhões de reais para o ano safra 2000-2001. Neste ano, a reivindicação era de 8 bilhões de reais. As negociações entre a Contag e os ministérios do Desenvolvimento Agrário, da Previdência Social, Saúde, Meio Ambiente, Educação, Trabalho, e no Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra) começaram em maio.


Corrupção e apagão

As manifestações do Grito da Terra Brasil 2001 também foram espaço de denúncia da política do governo FHC, que levou à atual crise energética, e de protesto contra os casos de corrupção do Executivo e Legislativo. Em votação popular realizada pela Contag no dia 6, o presidente Fernando Henrique Cardoso foi eleito o maior corrupto brasileiro: FHC ficou em primeiro lugar, com 11.143 votos (81%); seguido por Antônio Carlos Maganhães, com 1.210 (8,8%); Jader Barbalho, 517 votos (3,7%), e o governador do DF, Joaquim Roriz, com 495 votos (3,6%). Entre os dez mais votados aparecem ainda o juiz Nicolau, o ex-presidente Fernando Collor de Mello, o senador José Arruda e Paulo Maluf. Foram contados 13.850 votos de Brasília e de outros estados.


Contag

- (61) 321-2288 r. 221 ou 233

lerler
  • PROJETOS

    • Novos paradigmas de desenvolvimento: pensar, propor, difundir

Rua General Jardim, 660 - Cj. 71 - Osasco- CEP: 01223-010 - São Paulo - SP - Tel.: 11 3237-2122

Horário de funcionamento do escritório: segunda à sábado, das 9h às 19h

design amatraca