ABONG -  - Associação Brasileira de Organizações Não Governamentais

associe-se

conheça nossas associadas

Procure pelo nome em um dos campos abaixo:

selecione
selecione

Ou faça aqui uma busca detalhada:

selecione
selecione
selecione
selecione
  • APOIO

    • Misereor
  • REDES

    • MCCE
informes - ABONG

47725/11/2010 a 14/12/2010

OPINIÃO: FSM 2011 – Rumo a Dacar

O processo do FSM entrou em fase de contagem regressiva. De 6 a 11 de fevereiro de 2011, será promovido em Dacar, capital do Senegal, uma nova edição do maior encontro mundial da sociedade civil organizada. As inscrições acabaram de ser abertas, para organizações e indivíduos (consulte o site www.fsm2011.org).

 

O evento é o resultado de uma longa caminhada da cidadania planetária, na qual as organizações e movimentos brasileiros tiveram e têm um papel preponderante, da primeira edição em Porto Alegre, em 2001, até a última em Belém, em janeiro de 2009.O FSM é a maior expressão de uma globalização solidária, em oposição à globalização econômica e financeira neoliberal.

 

Desde o evento mundial na capital paraense, o processo do FSM seguiu seu curso, com uma grande e rica dinâmica. Somente em 2010, mais de 40 eventos, partes desse processo, surgiram: do Fórum Social das Américas em agosto, até o Fórum Social Mundial de Educação na Palestina ou o Fórum Social Europeu (setembro), o Fórum Social Panamazônico (novembro) e ainda o Fórum social senegalês (dezembro).

 

Os comitês internacional, africano e senegalês também vêm se reunindo, virtual e presencialmente. Três encontros internacionais foram realizados este ano, sendo um no México e dois em Dacar. O último encontro conjunto preparatório antes do evento mundial ocorreu na capital senegalesa, de 9 a 12 de novembro. O palco dessa reunião, que contou com a presença de cerca de 150 pessoas, foi a universidade Cheik Anta Diop, que tem o nome de um dos maiores cientistas, pensadores africanos e contestadores do pensamento eurocêntrico. É no campus desta universidade que acontecerá a maior parte das atividades, no próximo mês de fevereiro.

 

À diferença das primeiras edições do evento, em Porto Alegre, no início dos anos 2000, a pauta do FSM não tem mais nada a provar: está mais do que legitimada pela crise do capitalismo neoliberal, cujos sinais de esgotamento não pararam de crescer nesta década. A crise financeira e econômica iniciada em 2008 desta vez atinge os países mais tradicionais da economia capitalista dominante. Enquanto isso, as terríveis catástrofes naturais que surgem como consequências das mudanças climáticas que afligem o planeta soam como um alerta para humanidade! Já se fala em crise civilizatória, em sinais de uma era pós-capitalista, entre outros temas.

 

Esta também é a segunda edição realizada no continente africano, o que envolve uma série de particularidades. O esforço do Fórum Social Africano para realizar uma atividade deste porte em meio a dificuldades de várias ordens deve ser reconhecido. Há questões financeiras (inclusive é importante que a busca por financiadores continue), de infra-estrutura, entre outras. Existe também uma grande expectativa pela participação das(os) afrodescendentes brasileiras(os), tanto por conta da identidade cultural como das diversas parcerias que têm sido estabelecidas entre organizações brasileiras e africanas, o que coloca para os movimentos brasileiros uma necessidade grande de mobilização de participantes.

 

Há também a questão simbólica. O continente africano, assim como a América Latina, é extremamente cobiçado por potências imperialistas de olho em suas inúmeras riquezas. Ao mesmo tempo, em outro paralelo com nosso continente, possui uma gama de movimentos e organizações que pensam de forma autônoma e formulam alternativas para superar as desigualdades sociais históricas, agravadas pelas políticas neoliberais levadas a cabo por organismos financeiros internacionais.

 

O nosso papel nesta articulação é fundamental. Não temos o poder de mudar o planeta, mas todas as condições e credibilidade para indicar e iniciar os caminhos. Os movimentos sociais e organizações da sociedade civil brasileira, na sua maioria, provavelmente não o percebem, mas possuem um papel particularmente relevante e determinante na definição de estratégias e de alternativas de desenvolvimento socialmente justo e ambientalmente sustentável. Justamente por serem organizações e movimentos sociais de países emergentes, novos atores do capitalismo mundial, por terem a possibilidade de atuar como contra-poder em países onde escolhas importantes para o mundo estão sendo feitas. Por isso e por outras razões, a participação das organizações e movimentos brasileiros no FSM em Dacar e a sua articulação com os movimentos do resto do mundo é fundamental.

 

Três orientações estratégicas do FSM em Dacar podem ser destacadas: o aprofundamento da crítica ao sistema capitalista, a valorização das lutas existentes pelo mundo e a promoção de alternativas democráticas. O grande desafio agora é traçar um futuro para a humanidade, um caminho para um novo universalismo (ou novos universalismos), a promoção de uma nova cultura política.

 

Assim como nas edições anteriores, uma marcha abrirá o evento (06/02/11). O segundo dia será o Dia da África e das suas diásporas, com atividades autogestionadas e outras co-organizadas, que prometem ser a marca desta edição de Dacar. Os dias 8 e 9 serão reservados para atividades autogestionadas propostas pelas organizações e divididas em doze eixos de grandes lutas. Assembleias temáticas e de convergência ocorrerão nos dois últimos dias, com uma plenária final, uma assembleia das assembleias, para definição de convergências globais.

 

O FSM ainda é um processo político inacabado, com suas contradições, mas também suas extraordinárias forças, voltadas para a reinvenção da política e do futuro do mundo. Dos movimentos sociais e ONGs espalhados pelo planeta dependerá o futuro do FSM, assim como a qualidade da nossa contribuição para construção deste outro mundo. Vamos apostar nisso e nos encontramos em Dacar.

lerler
  • PROJETOS

    • Informação, formação e comunicação em favor de um ambiente mais seguro para a sociedade civil organizada

Rua General Jardim, 660 - Cj. 71 - São Paulo - SP - CEP: 01223-010 - Tel.: 11 3237-2122

Horário de funcionamento do escritório: segunda-feira à sexta-feira, das 9h às 19h

design amatraca