ABONG -  - Associação Brasileira de Organizações Não Governamentais

associe-se

conheça nossas associadas

Procure pelo nome em um dos campos abaixo:

selecione
selecione

Ou faça aqui uma busca detalhada:

selecione
selecione
selecione
selecione
  • APOIO

    • Fundação Ford
  • REDES

    • FIP
informes - ABONG

51607/11/2013 a 05/12/2013

Mais olhares sobre o Mapa dos Conflitos Ambientais

Injustiça Ambiental e Saúde no Brasil: o Mapa de Conflitos, livro organizado por Marcelo Firpo Porto, Tania Pacheco e Jean Pierre Leroy, será lançado pela Editora Fiocruz com dois eventos.


O primeiro é o vigésimo aniversário da editora, comemorado na Academia Brasileira de Letras. O lançamento (que inclui outras obras) será em 8 de novembro, de 15h30 às 18h. A ABL fica na Av. Presidente Wilson, 203, Centro/Castelo, Rio de Janeiro.

Já em 15 de novembro, sexta-feira, o segundo lançamento acontece entre 17h às 18h, durante o VI Congresso Brasileiro de Ciências Sociais e Humanas em Saúde, na Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Uerj). Está marcada sessão de autógrafos no estande Espaço Saúde & Letras, que será montado no foyer do Teatro Odylo Costa Filho, no campus Maracanã (R. São Francisco Xavier, 524 - Maracanã - Rio de Janeiro).

O Livro: uma lupa atenta sobre o Mapa

Tania Pacheco, coordenadora executiva do Mapa de Conflitos Ambientais e uma das organizadoras da publicação, explica que apesar da quantidade de informações disponibilizadas há três anos no mapa, o livro é importante na compreensão dos dados:

“O livro é uma reflexão sobre o Mapa, que é em si um material muito rico e de fácil uso. O que fazemos com o livro é extrair um pouco da riqueza dos mapas. Ele conta sobre a história do projeto e salienta alguns aspactos que nos pareciam importantes. Entre eles, a metodologia inovadora, com relatos que partem do olhar dos atingidos, das histórias deles”, comenta, indicando que as análises no livro permitem uma visão complexa sobre a realidade: “uma coisa é ver no mapa que existe o Porto de Açu, onde está, quantos municípios impacta. Outra é perceber a relação deste porto no Rio de Janeiro com a mineração de Conceição do Mato Dentro (MG), inserida num país chamado Brasil”, exemplifica.

Mapa de conflitos envolvendo injustiça ambiental e Saúde no Brasil é resultado de um projeto desenvolvido em conjunto pela Fiocruz e pela Fase, com o apoio do Departamento de Saúde Ambiental e Saúde do Trabalhador do Ministério da Saúde e continua sendo atualizado. Quatro pesquisadores verificam e reúnem informações sobre casos já registrados e outros novos. Denúncias chegam de diversas fontes, muitas vezes por meio do blog Combate ao Racismo Ambiental. O mapa foi publicado inicialmente com 297 casos. Hoje, mais de 400 estão listados.

 

“O ponto de partida é sempre o olhar dos atingidos, é a história deles, o que acontece com eles. E então os pesquisadores reúnem mais material de imprensa local, regional, nacional, informes de ONGs e movimentos sociais, etc. O resultado é tão rico, pode-se ver o papel das populações, do poder público, da Justiça em cada caso. É um instrumento excelente para pesquisa e também para ver onde é importante influenciar”, completa Jean Pierre Leroy, da FASE, outro organizador do livro.

Os oito artigos “Injustiça Ambiental e Saúde no Brasil: o Mapa de Conflitos” destacam a metodologia de trabalho e traçam perspectivas, lançam luz sobre a prevalência do Racismo Ambiental nos conflitos do Mapa e enfatizam a disputa por territórios ocupados por Indígenas e Comunidades Tradicionais como causa de muitos conflitos. Mineração, siderurgia e energia são outros temas em destaque, assim como o agronegócio e os impactos do modelo de desenvolvimento sobre as cidades. A ferramenta e a metodologia também são analisadas. As “Alternativas para o Futuro” são também alvo de mapeamento.

Na orelha, Jorge Eduardo S. Durão, da FASE, destaca: “a força material e ideológica do projeto de desenvolvimento dominante – fortemente embasado na crença em que tal modelo de desenvolvimento é o pressuposto da erradicação da pobreza – coloca para todos nós o desafio de formular alternativas ao atual modelo e de pensar o processo de transição para uma sociedade sustentável e democrática”.

O mapa e a nova publicação, certamente, apresentam-se como ferramentas importantes neste processo.  


No índice a seguir, descubra os autores:

Metodologia e Resultados do Mapa: uma síntese dos casos de injustiça ambiental e saúde no Brasil
Tania Pacheco, Marcelo Firpo Porto e Diogo Rocha

A Iniludível e Desumana Prevalência do Racismo Ambiental nos Conflitos do Mapa
Tania Pacheco e Cristiane Faustino

Povos Indígenas e Comunidades Tradicionais: os visados territórios dos invisíveis
Jean Pierre Leroy e Jeovah Meireles

Injustiça Ambiental no Campo e nas Cidades: do agronegócio químico-dependente às zonas de sacrifício urbanas
Marcelo Firpo Porto

Injustiça Ambiental, Mineração e Siderurgia
Bruno Milanez, Gabriela Scotto, Horácio Antunes de Sant’Ana Júnior,
Dário Bossi e Karina Kato

Capitalismo e Energia: alguns mecanismos básicos dos conflitos e das injustiças sofridas pelo povo brasileiro
Arsênio Oswaldo Sevá Filho

O Mapa como Espaço de Cidadania: reflexões e continuidades
Cristiane Faustino, Tania Pacheco, Marcelo Firpo Porto e Julianna Malerba

Mapeando Alternativas para o Futuro
Jean Pierre Leroy, Tania Pacheco, Marcelo Firpo Porto e Diogo Rocha

 

 

Fonte:  FASE, por Lívia Duarte, jornalista da FASE - Solidariedade e Educação

 

lerler
  • PROJETOS

    • Informação, formação e comunicação em favor de um ambiente mais seguro para a sociedade civil organizada

Rua General Jardim, 660 - Cj. 71 - Osasco- CEP: 01223-010 - São Paulo - SP - Tel.: 11 3237-2122

Horário de funcionamento do escritório: segunda à sábado, das 9h às 19h

design amatraca