ABONG -  - Associação Brasileira de Organizações Não Governamentais

associe-se

conheça nossas associadas

Procure pelo nome em um dos campos abaixo:

selecione
selecione

Ou faça aqui uma busca detalhada:

selecione
selecione
selecione
selecione
  • APOIO

    • Pão Para o Mundo
  • REDES

    • MCCE
informes - ABONG

51705/12/2013 a 06/02/2014

COP-19 termina com total falta de ambição

Com grande impasse em torno dos principais temas, rodada de negociações acaba com resultados baixos e desapontamento por parte da sociedade civil


Após grande impasse, principalmente quanto a questões como “perdas e danos” e finanças, a 19a Conferência das Nações Unidas sobre Mudança do Clima, realizada em Varsóvia, na Polônia, encerrou seus trabalhos no dia 23 de novembro. A COP-19, que deveria criar os fundamentos básicos para a construção de um novo acordo global a ser assinado em 2015, em Paris, e que irá substituir o Protocolo de Kyoto e vigorar a partir de 2020, terminou por superar as baixas expectativas das quase 200 nações presentes. “Era para termos visto um aumento de ambição e cortes de emissões, mas o que presenciamos foi o contrário – o Japão baixando suas metas, a Austrália revertendo sua legislação climática e o Brasil anunciando um aumento de 28% no desmatamento da Amazônia. Vimos o completo fracasso dos países ricos em cumprir as promessas existentes quanto ao financiamento de longo prazo, colocando as nações mais vulneráveis ​​ainda mais em risco. Os resultados de Varsóvia mostram que o Greenpeace e outras ONGs fizeram a coisa certa ao deixar esta conferência”, disse Kumi Naidoo, diretor-executivo do Greenpeace Internacional.

 

As principais discordâncias giraram em torno de três aspectos: as metas para cortes de emissões, o financiamento climático e um "mecanismo" para ajudar países mais pobres a lidar com as perdas e danos causados pelo aquecimento global. Apesar de ínfimo, os últimos minutos da conferência trouxeram um avanço em termos de financiamento. Áustria, Bélgica, Finlândia, França, Alemanha, Noruega, Suécia e Suíça concordaram em contribuir com US$ 100 milhões para o Fundo de Adaptação, para ajudar países em desenvolvimento.

 

Outra medida concreta que saiu da reunião foi um acordo sobre novas regras para a proteção das florestas tropicais, o chamado REDD+, que foi precedida por um compromisso conjunto dos Estados Unidos, Noruega e Reino Unido de doarem US$ 280 milhões para ações de combate ao desmatamento.

 

Após três anos na agenda de debates, as nações aprovaram o estabelecimento de regras, uma espécie de pacote técnico, para o funcionamento do mecanismo de Redução das Emissões por Desmatamento e Degradação Florestal. A decisão era um dos principais objetivos do Brasil para essa COP. Entretanto, a questão mais controversa, conhecida como offsetting, foi adiada. Ponto que o Brasil é consideravelmente contra, trata-se de uma espécie de troca entre o carbono emitido pelo carbono não jogado na atmosfera pela contenção do desmatamento.

 

De volta ao processo

 

As organizações da sociedade civil deixaram a conferência por estarem cansadas de ver os países serem guiados por interesses das indústrias dos combustíveis fósseis. “Saímos dessa reunião desapontados, mas continuamos absolutamente empenhados em alcançar a cooperação internacional no âmbito das Nações Unidas, para proteger os cidadãos do mundo contra os impactos devastadores das mudanças climáticas. Nós voltaremos em Lima, no ano que vem, com esperança de ver mudanças urgentes de postura”, frisou Kumi Naidoo.

 

Do lado brasileiro, a proposta sobre o princípio das responsabilidades históricas colocou a equidade no centro do debate, mas falhou ao vir isolada de outros elementos essenciais. “Responsabilidades históricas é um ponto importante, mas não deve ser desculpa para que países abandonem suas responsabilidades sobre as emissões atuais e futuras. Economias emergentes como Brasil e China, e os velhos responsáveis por aumentar a temperatura do planeta, como os Estados Unidos, têm que se comprometer com ações de redução de emissões concretas já e não ficar só no discurso. Isso é irresponsabilidade e vai contra a urgência das mudanças climáticas”, defendeu Renata Camargo, coordenadora de Políticas Públicas do Greenpeace Brasil.

 

Fonte: Greenpeace Brasil

 

lerler
  • PROJETOS

    • Programa de Desenvolvimento Institucional (PDI)

Rua General Jardim, 660 - Cj. 71 - São Paulo - SP - CEP: 01223-010 - Tel.: 11 3237-2122

Horário de funcionamento do escritório: segunda-feira à sexta-feira, das 9h às 19h

design amatraca