ABONG -  - Associação Brasileira de Organizações Não Governamentais

associe-se

conheça nossas associadas

Procure pelo nome em um dos campos abaixo:

selecione
selecione

Ou faça aqui uma busca detalhada:

selecione
selecione
selecione
selecione
  • APOIO

    • Fundação Ford
  • REDES

    • TTF Brasil
informes - ABONG

51705/12/2013 a 06/02/2014

Casa da Mulher do Nordeste lança Projeto Mulheres na Caatinga com patrocínio da Petrobras

Único bioma genuinamente brasileiro, a Caatinga é um dos ecossistemas mais ameaçados do planeta. Apenas 2% de sua área estão protegidas em unidades de conservação. Foi pensando nesta problemática e na vivência direta das mulheres neste espaço que a Casa da Mulher do Nordeste elaborou o Projeto Mulheres na Caatinga, contemplado na seleção pública 2012 do Programa Petrobras Ambiental.

 

O projeto foi lançado no dia 13 de novembro, em Triunfo (PE), durante o Seminário “O Olhar das Mulheres na Caatinga” e tem como objetivo recuperar áreas degradadas da vegetação nativa no Sertão do Pajeú e Central, ampliando os processos de fixação de carbono e os impactos do aquecimento global em onze municípios do Estado de Pernambuco: Afogados da Ingazeira, Brejinho, Carnaíba, Flores, Iguaracy, Ingazeira, São José do Egito, Tabira, Triunfo, Santa Cruz da Baixa Verde e Mirandiba, sendo alcançadas diretamente 210 mulheres agricultoras das comunidades beneficiadas.

 

As ações do projeto englobam reflorestamento, valorização do olhar das mulheres sobre o manejo da caatinga, assessoria em tecnologias de convivência com o Semiárido, formação política para autonomia das mulheres, educação ambiental, banco de sementes, viveiros de mudas e construção de fogões agroecológicos. “O projeto busca valorizar o saber das mulheres acerca do manejo com a caatinga. Elas conhecem cada planta nativa e para que servem, e esse olhar é fundamental para revertermos o processo de degradação do ambiente. Mas não somos nós sozinhas que vamos superar esse desafio, contamos com a ajuda de uma rede de parcerias que fortalece ainda mais a nossa luta”, disse Graciete Santos, coordenadora geral da Casa da Mulher do Nordeste.

 

Representando as trabalhadoras rurais, a agricultora Aparecida Lima Silva, de Santo Antônio I, distrito de Carnaíba, trouxe uma realidade ainda comum no Semiárido. ‘’Esse projeto tem dois aspectos importantes, porque além de ajudar a preservar a caatinga, vai amenizar o sofrimento de muitas mulheres rurais que ainda precisam percorrer longas distâncias para buscar a lenha que é usada no cozimento dos alimentos da família’’, disse.

 

Participaram do evento cerca de 80 trabalhadoras rurais, representações das instituições parceiras na realização do projeto como Diaconia, Rede de Mulheres Produtoras do Pajeú, Cecor, Sabiá, Projeto Dom Hélder Câmara e UAST/UFRPE/NEPPAS, além da gestora do projeto pela Petrobras Ambiental, Ana Cristina Rabelo Balogh, que destacou a preocupação da empresa com o meio ambiente. “Ninguém, atualmente, investe mais no país em questões ambientais do que a Petrobras”, disse.

 

Confira a distribuição das comunidades de abrangência do projeto:

 

Afogados da Ingazeira: Curral Velho, Monte Alegre, Queimadas;

Brejinho: Tamboril;

Carnaíba: Leitão, Santo Antônio II;

Flores: Araras, Pereiros, Saco do Romão;

Iguaracy: Caruá;

Ingazeira: Bom Sucesso, Manoel Pereira;

Mirandiba: Araçá, Croatá, Feijão, Lagoa Nova, Posse;

São José do Egito: Açude da Porta, Cachoeirinha Curralinho, Ipueira, Lagoa D’Outra Banda, Ladeira Dantas, Retiro, São Miguel, São Pedro, Gameleira, Queimada de Zé Vicente;

Tabira: Pajeú Mirim, Poço Redondo;

Triunfo: Santo Antônio de Coroas;

Santa Cruz da Baixa Verde: São José de Pilotos.

 

Confira a avaliação das instituições parceiras acerca do projeto:

 

Diaconia – O projeto é importante porque irá fortalecer os grupos de mulheres dentro das comunidades para que elas consigam conservar a caatinga plantando novas árvores. (Fátima Sabino – Técnica Agropecuária).

 

Projeto Dom Hélder Câmara – Nossa expectativa é muito positiva quanto ao projeto, porque acreditamos que essas mulheres organizadas e fortalecidas terão uma ação transformadora do ponto de vista da conservação e uso dos recursos naturais do bioma caatinga, além de influenciar suas famílias e comunidades, fortalecendo outras ações agroecológicas. (Adelmo Santos – Coordenador Territorial).

 

Cecor – Esse projeto vem reafirmar o papel das mulheres no processo de preservação ambiental da caatinga e difusão da agricultura agroecológica na região. É fundamental que cada dia mais tragamos mais mulheres para esse processo de convivência sustentável com o Semiárido. (Kely Souza – Coordenadora Técnica Pedagógica).

 

UAST/UFRPE – A universidade tem o objetivo de alcançar a parte social da região onde está inserida e essa parceria com o Projeto Mulheres na Caatinga só vem fortalecer cada vez mais o nosso trabalho. (Kátia Souza – Diretora Acadêmica).

 

Sabiá – Essa é uma parceria extremamente importante porque aproxima os nossos objetivos de luta pelos direitos das mulheres, autonomia e preservação do nosso bioma, único no mundo. (Jacinta Gomes – Coordenadora Local do Sertão).

 

Rede de Mulheres Produtoras do Pajeú – Reafirmamos nossa parceria com a CMN neste projeto que irá contribuir com a questão da revitalização da mata nativa, ações que fazem diferencial na região e as mulheres são protagonistas nesse processo, uma vez que são elas que estão presentes nessa vivência e tem total condições de contribuir. (Ana Cristina Nobre – Técnica Educadora).

 

Fonte: Casa da Mulher do Nordeste

lerler
  • PROJETOS

    • Novos paradigmas de desenvolvimento: pensar, propor, difundir

Rua General Jardim, 660 - Cj. 71 - Osasco- CEP: 01223-010 - São Paulo - SP - Tel.: 11 3237-2122

Horário de funcionamento do escritório: segunda à sábado, das 9h às 19h

design amatraca