ABONG -  - Associação Brasileira de Organizações Não Governamentais

associe-se

conheça nossas associadas

Procure pelo nome em um dos campos abaixo:

selecione
selecione

Ou faça aqui uma busca detalhada:

selecione
selecione
selecione
selecione
  • APOIO

    • CIVICUS
  • REDES

    • Beyond
informes - ABONG

52604/09/2014 a 02/10/2014

O que querem 200 milhões de brasileiros/as?

Por Sergio Andrade, cientista político e diretor executivo da Agenda Pública – Agência de Análise e Cooperação em Políticas Públicas

 

Os exercícios de memória são algo, de fato, necessários ao Brasil. Que país é este? Como foi construído? Como ler sua realidade recente? O que foi conquistado? Em que mundo vivemos? Para saber para onde ir, é necessário saber de onde saímos.  A realidade brasileira se transformou imensamente nos últimos 20 anos. Olhar para os indicadores socioeconômicos é um bom começo para entender a natureza das mudanças. A questão importante, contudo, é compreender quem são os agentes dessa mudança e os meios empregados para tal. As disputas de poder no âmbito da sociedade civil acerca do modelo de desenvolvimento para o País se traduziram em um debate sobre o papel do Estado nas grandes transformações econômicas e sociais recentes, para as quais foi instrumento decisivo. Por essa razão, debater os rumos do Estado brasileiro equivale a tratar das opções para o desenvolvimento nacional.

 

As eleições deste ano transcorrem em um clima singular. Além do fato político gerado com a trágica morte do governador Eduardo Campos, tivemos nas mobilizações de junho a evidência de uma crise de representatividade, mas também uma clara mostra de descrédito da política e dos políticos. Fato bastante emblemático, pois a política foi o instrumento para todas as importantes conquistas da sociedade pós-redemocratização. Isso evidencia uma desconexão por parte do eleitorado entre as melhorias das condições de vida e a ação política. Descontados o insulamento dos políticos, o cinismo fabricado e a despolitização popular, essa desconexão pode ser vista como reflexo da amenidade dos debates nacionais sobre as escolhas políticas e suas consequências, mas também pelo eufemismo sempre presente nas propostas de candidatos/as. É imperativo, portanto, qualificar o debate, saindo do tom genérico, do jogo de palavras superficial das campanhas para uma plataforma concreta que espelhe as propostas eleitorais em disputa para o desenvolvimento do país.

 

Esta é uma das preocupações da Agenda Brasil Sustentável, movimento criado por um conjunto de organizações da sociedade civil de todo o País atuantes em movimentos pela garantia dos direitos fundamentais, pelo fortalecimento da democracia, pelas boas práticas de gestão pública, pela defesa do meio ambiente e das conquistas sociais, com o propósito de influenciar a agenda política dos/as candidatos/as à presidência e aos governos estaduais nas eleições de 2014. Nossa proposta é fruto de construção conjunta, reflete posições de organizações com diferentes trajetórias e posições políticas, porém, reunidas em torno de compromissos fundamentais para o desenvolvimento do País em moldes mais sustentáveis.

 

Por meio de uma coalizão singular, de livre adesão e aberta ao debate, a Agenda Brasil Sustentável busca estabelecer compromissos públicos, expressos por meio dos planos de governo, para sete temas estratégicos para o desenvolvimento sustentável brasileiro: 1) respeito aos limites do planeta; 2) redução das desigualdades e garantia de direitos; 3) integridade e transparência; 4) economia para a sustentabilidade; 5) reforma política e fortalecimento da democracia; 6) valorização do trabalho; e 7) gestão pública. Cada um destes eixos apresenta um diagnóstico fundamentado, seguido de propostas concretas para o País, construídas a partir de debates que refletem a trajetória dessas organizações. Trata-se, portanto, de um esforço coletivo para organizar contribuições que aprofundem as conquistas recentes, a partir de uma visão sobre desenvolvimento em bases mais sustentáveis.

 

Nossa estratégia compreende a mobilização das lideranças partidárias e das coordenações das campanhas à Presidência da República, estimulando um posicionamento formal das candidaturas sobre as propostas defendidas na Agenda Brasil Sustentável. Além disso, mantemos canais de comunicação (site e Facebook) como instrumentos para difusão e aprofundamento dos temas apresentados no documento. Com o mesmo propósito, realizamos análises sobre as propostas dos/as candidatos/as para cada eixo e organizamos debates públicos temáticos, além de eventos com a participação de representantes das candidaturas, nos quais são debatidos seus compromissos e propostas. Todo o esforço de incidência política se converterá, posteriormente, em esforço continuado de monitoramento das propostas. Ficaremos “de olho nas promessas”!

 

Com essas medidas, acreditamos poder demonstrar uma capacidade de reflexão propositiva por parte da sociedade civil, alimentando o debate, mas também estimulando os projetos em disputa, as candidaturas e os partidos a pensarem um modelo de desenvolvimento que aprofunde a agenda de direitos, incluindo o direito das próximas gerações, que pense um modelo tributário mais justo, um Estado mais transparente e mais aberto à participação da população, cidades mais sustentáveis, uma gestão pública mais eficiente e, acima de tudo, um novo modelo para o sistema político. Portanto, a proposta política da Agenda Brasil Sustentável reúne temas de incidência conectados com as recentes transformações sociais e políticas, mas também uma agenda ambiental e econômica mais transformadora e justa.

 

O debate eleitoral já deu as caras, mas as candidaturas ainda precisam mostrar as suas. Não precisamos de democracia formal, precisamos de participação política qualificada. É para isso que convidamos a todos/as a integrarem esse movimento.

lerler
  • PROJETOS

    • Novos paradigmas de desenvolvimento: pensar, propor, difundir

Rua General Jardim, 660 - Cj. 71 - São Paulo - SP - CEP: 01223-010 - Tel.: 11 3237-2122

Horário de funcionamento do escritório: segunda-feira à sexta-feira, das 9h às 19h

design amatraca