ABONG -  - Associação Brasileira de Organizações Não Governamentais

associe-se

conheça nossas associadas

Procure pelo nome em um dos campos abaixo:

selecione
selecione

Ou faça aqui uma busca detalhada:

selecione
selecione
selecione
selecione
  • APOIO

    • FIP
  • REDES

    • Plataforma MROSC
informes - ABONG

4138/01/2008 a 14/01/2008

OPINIÃO: “Entender que tudo é nosso, sempre esteve em nós, somos a semente, ato, mente e voz....”

Esses versos compõem uma canção muito cantada no começo dos anos 1980 e que se chama Redescobrir*. E ao pensar nos processos do Fórum Social Mundial 2008 – a Semana de Mobilização e o Dia de Ação Global –, imediatamente eles surgiram como uma espécie de trilha sonora para o momento em que vivemos.

 

Uma trilha para encontrar as pontes que ligam o que já tanto fizemos com o que desejamos fazer, uma trilha para juntar os fios da trama que, em cada ponto do planeta, tecemos todos os dias. Um som do tempo, de todos os tempos, passado, presente e futuro. O ritmo do movimento, do acontecimento e não simplesmente do evento.

Uma canção que nos faça cantar a alegria da nossa utopia, mas que também nos provoque o pensar sobre tudo o que não fizemos, o que ficou pelo caminho, o apenas intentado e não realizado. Algo que permita preencher os espaços temporais, históricos e políticos que distanciam, em um triste exemplo, o Quênia de janeiro de 2007 do Quênia de janeiro de 2008. O que lá havia antes do VII Fórum Social Mundial que não coube nas nossas análises, debates, manifestações? O que houve depois que continuou excedendo ao nosso entendimento e às nossas ações? O que há neste exato momento que ainda nos escapa?

Evidente que os processos e os sujeitos que tornam o FSM uma ação política fundamental do século XXI não têm o poder de, em tão pouco tempo, transformar radicalmente a milenar miséria do mundo, somos muitos e muitas, mas não somos todos e todas. Contudo, toda a miséria do mundo deve nos dizer respeito, deve nos afetar profundamente, porque toda miséria do mundo é a nossa miséria. ... tudo é nosso, sempre esteve em nós...


Não podemos deixar o Quênia atado apenas a nossa lembrança de 2007, não podemos deixar o Paquistão no calendário de 2006 nem o Iraque nas manifestações de 2003. Não podemos deixar nada do jeito em que está. História não é memória, história é a “coisa viva”, é a movimentação dos movimentos.

O FSM, por ser um processo de tantos sujeitos, requer de nós o ato político da permanência, da insistência, da resistência, de estarmos juntos/as sem data marcada nem lugar determinado, porque na verdade é assim que estamos, mas por vezes esquecemos, deixando de cruzar as pontes que ligam os pontos da nossa utopia. É esse caminhar por todas as pontes e pontos que dão a largueza de quem somos nós, a decisão sobre o que não nos excede, mas sim nos constitui.

É este o sentido da Semana de Mobilização e do Dia de Ação Global 2008. Entre os dias 21 e 26 de janeiro, estaremos em todos os cantos do mundo fortalecendo os nossos atos e amplificando as nossas vozes. Criando um tempo contínuo e múltiplo, convidando tantos e tantas outros e outras a ocupar conosco os espaços para além das fronteiras que nos localizam e nos restringem.

Serão dias para fixar as raízes e plantar novas sementes, deslocando, no movimento de juntar, o que há aqui na nossa cidade, vila, rua, praça, avenida, com o que há lá, em cidades, vilas, praças, ruas, avenidas. E, num ato ainda mais radical, articulando nas nossas palavras e ações o silêncio de quem, nesse momento e em todos os tempos, é impedido/a de falar.

Assim, o dia 26 de janeiro será a síntese de todos os nossos dias, a expressão simbólica e real de todas as nossas lutas, da nossa dissonância com acordes e acordos que produzem desigualdades, injustiças, opressões, explorações. Um dia como tantos dias em que acreditamos, sim, nas vozes e corpos que cantam e dançam uma outra canção.
* Redescobrir, de Luiz Gonzaga Júnior.


Participe!

Saiba mais e participe da Semana de Mobilização e do
Dia de Ação Global:
www.forumsocialmundial.org.br e www.wsf2008.net

lerler
  • PROJETOS

    • FIP - Fórum Internacional das Plataformas Nacionais de ONGs

Rua General Jardim, 660 - Cj. 71 - Osasco- CEP: 01223-010 - São Paulo - SP - Tel.: 11 3237-2122

Horário de funcionamento do escritório: segunda à sábado, das 9h às 19h

design amatraca