ABONG -  - Associação Brasileira de Organizações Não Governamentais

associe-se

conheça nossas associadas

Procure pelo nome em um dos campos abaixo:

selecione
selecione

Ou faça aqui uma busca detalhada:

selecione
selecione
selecione
selecione
  • APOIO

    • Fastenopfer
  • REDES

    • MCCE
informes - ABONG

54502/06/2016

Estudantes secundaristas se mobilizam pelo País por mudanças no ensino e nas escolas

Movimento já organizou manifestações e ocupações de escolas em sete Estados do Brasil


Por Marcela Reis

 

Estudantes secundaristas por todo Brasil estão se mobilizando e ocupando escolas para reivindicar ensino de qualidade, melhor infraestrutura, democracia e diversas outras pautas que envolvem as gestões estaduais da Educação. São Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais, Goiás, Espírito Santo, Paraná e Rio Grande do Sul são alguns Estados que estão sendo agitados pelo movimento secundarista das escolas públicas. “Os estudantes não se sentem parte da escola. Nós não somos representados e a escola não é um lugar que dá vontade de ficar”. A fala é de Camila Lanes, presidenta da União Brasileira dos Estudantes Secundaristas (UBES).

 

Camila explica que as ocupações têm o caráter de apropriação do espaço físico e gestão da escola, que é dos/as alunos/as por direito. “As ocupações estão promovendo aulas de cidadania e política e se articulando. É um tapa na cara de muito governador por aí.”

 

As reivindicações dos/as estudantes pelo País são bem diversas, mas as três pautas em comum que têm ganhado muita força são a Base Nacional Comum Curricular, o debate de gênero nas escolas e a livre organização estudantil. Estas são as maiores reivindicações do movimento secundarista no Brasil atualmente. “As ocupações transformam a escola em espaço público e os jovens começam a discutir democracia e valores, assim a reivindicação do movimento passa a ser ampla”, defende Lilian Kelian, pesquisadora do projeto Jovens Urbanos, do Centro de Estudos e Pesquisas em Educação (Cenpec).

“Acima de tudo, é importante vermos que nós, que somos da rede pública, sofremos muitas opressões, já que a maioria é da periferia, negro, pobre. Então já temos muitos conflitos diante do Estado. O jeito é se organizar”, defende Washington Andrade, de 17 anos, estudante da Escola Andronico de Mello, na zona oeste de São Paulo. Washington participou da ocupação do Centro Paula Souza, responsável pelas Escolas Técnicas Estaduais de São Paulo (Etecs) e Faculdades de Tecnologia do Estado de São Paulo (Fatecs) do Estado de São Paulo. A unidade foi reintegrada na sexta-feira (06/05) e a Polícia Militar reprimiu fortemente a ocupação.

 

São Paulo

 

A mobilização secundarista em São Paulo começou ano passado, por causa da reorganização escolar proposta pelo governador do Estado Geraldo Alckmin.  Os/as estudantes conseguiram barrar o projeto, que foi suspenso pela Justiça paulista.

 

Para Washington, houve uma mudança de postura por parte dos/as estudantes desde a mobilização contra a reorganização escolar. “As pessoas estão com medo agora, estamos lidando com o Estado opressor escancarado. Os estudantes e professores que apoiaram ficaram mal vistos e o peso do ano passado está refletindo agora.”

 

A última reivindicação do movimento paulista foi a efetividade da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Merenda, para investigar o escândalo de desvios nas compras de alimentos para as escolas estaduais. A criação da CPI foi conquistada pelos/as estudantes no dia 9 de maio quando somaram as sete assinatura que faltavam para a abertura da Comissão. O movimento ocupou a Assembleia Legislativa de São Paulo (Alesp) no começo de maio para pressionar o governo do Estado.

 

Camila diz que a luta está só começando, que os/as estudantes vão ocupar cada vez mais. “Não ficamos felizes só com a CPI, sabemos que foi uma aprovação para que a pressão popular não atacasse mais o [Fernando] Capez (presidente da Alesp) e companhia. Nós não vamos parar, vamos caçar o ladrão da merenda”, afirma.

 

PALAVRAS-CHAVE

lerler
  • PROJETOS

    • Novos paradigmas de desenvolvimento: pensar, propor, difundir

Rua General Jardim, 660 - Cj. 81 - São Paulo - SP - 01223-010
11 3237-2122
abong@abong.org.br

design amatraca