ABONG -  - Associação Brasileira de Organizações Não Governamentais

associe-se

conheça nossas associadas

Procure pelo nome em um dos campos abaixo:

selecione
selecione

Ou faça aqui uma busca detalhada:

selecione
selecione
selecione
selecione
  • APOIO

    • Petrobras
  • REDES

    • Fórum Social Mundial

Desintrusão da Terra Indígena Marãiwatsédé

21/11/2012

As entidades que apoiam a saída dos latifundiários e das 400 famílias identificadas pelo INCRA de dentro da Terra Indígena Marãiwatsédé, tal como estabelecido pela Justiça brasileira, repudiam a interferência de parlamentares mato-grossenses no processo de desintrusão da área. A comissão liderada pelos deputados Baiano Filho (PMDB) e Wellington Fagundes (PR), agendou uma reunião na próxima quinta-feira, dia 22 de novembro de 2012, no Posto da Mata.

 

Alertamos sobre o risco de que tais reuniões e “vistorias” sejam na verdade ações para incentivar a violência e a desobediência contra a decisão do Supremo Tribunal Federal. Entendemos como ilegal qualquer tentativa de reverter ou atrapalhar o cumprimento de uma sequência de decisões judiciais que deram, desde 2010, ganho de causa aos Xavante de Marãiwatsédé pelo direito de acesso e usufruto da terra indígena para eles reconhecida e homologada desde 1998. O poder legislativo não pode se sobrepor ao poder judiciário, o que configura mais um abuso das instâncias parlamentares de Mato Grosso.

 

Em outubro de 2012, o presidente do Supremo Tribunal Federal, ministro Carlos Ayres Britto, derrubou a liminar que suspendia o processo de desintrusão da Terra Indígena Marãiwatsédé, interposta pela Associação dos Produtores Rurais da Suiá Missu (Aprossum). Desde então, a Secretaria Geral da Presidência da República tem acompanhado pessoalmente o processo de notificação dos responsáveis pelas fazendas abertas de forma ilegal dentro do território Xavante, em uma operação que envolve ainda a Força Nacional de Segurança, a FUNAI, o Exército, a Polícia Federal e a Polícia Rodoviária Federal.

 

Ao contrário do que os políticos locais propalam, não existem nem foram notificados 7 mil posseiros pois este é um dado falso propalado sem checagem pela imprensa de Mato Grosso. Dados do Censo 2010 do IBGE indicam que existam menos de 1.500 pessoas nas áreas dos municípios de Alto Boa Vista, São Félix do Araguaia e Bom Jesus do Araguaia incidentes sobre Marãiwatsédé. O INCRA, por sua vez, identificou 400 famílias que se enquadram no perfil de beneficiárias da reforma agrária, portanto, com direito a reassentamento. Todos os outros ocupantes foram considerados invasores, o fizeram de má-fé e não têm direito a qualquer indenização, segundo decisão da Justiça Federal.

 

Mais de 3 mil pessoas de todo o país já assinaram uma petição online em apoio à desintrusão imediata de Marãiwatsédé - http://www.change.org/pt-BR/peti%C3%A7%C3%B5es/presidente-dilma-garanta-a-devolu%C3%A7%C3%A3o-de-mar%C3%A3iwats%C3%A9d%C3%A9-aos-xavante

 

Campanha pela desintrusão da Terra Indígena Marãiwatsédé

 

Fórum Mato-grossense de Meio Ambiente e Desenvolvimento (Formad)
Conselho Indigenista Missionário (CIMI MT)
Operação Amazônia Nativa (OPAN)
Instituto Socioambiental (ISA)
Instituto Caracol (iCaracol)
Fórum de Direitos Humanos e da Terra de Mato Grosso (FDHT-MT)
Grupo de Trabalho de Mobilização Social (GTMS)
Rede Mato-grossense de Educação Ambiental (Remtea/UFMT)
Plataforma DHESCA-Brasil - Relatoria de Meio Ambiente

Contatos com a imprensa:

Fórum Mato-grossense de Meio Ambiente e Desenvolvimento (Formad)
Herman Oliveira
Operação Amazônia Nativa (OPAN)
Andreia Fanzeres
Tel 65 84765620

Mais informações:
http://maraiwatsede.wordpress.com

 

Fonte: OPAN

 

 

PALAVRAS-CHAVE

  • PROJETOS

    • Programa de Desenvolvimento Institucional (PDI)

Rua General Jardim, 660 - Cj. 71 - São Paulo - SP - CEP: 01223-010 - Tel.: 11 3237-2122

Horário de funcionamento do escritório: segunda-feira à sexta-feira, das 9h às 19h

design amatraca