ABONG -  - Associação Brasileira de Organizações Não Governamentais

associe-se

conheça nossas associadas

Procure pelo nome em um dos campos abaixo:

selecione
selecione

Ou faça aqui uma busca detalhada:

selecione
selecione
selecione
selecione
  • APOIO

    • Misereor
  • REDES

    • Plataforma MROSC

Nota de movimentos do Ceará e de outros estados em Solidariedade aos Povos Indígenas

04/06/2013

Tornamos público nosso apoio e solidariedade aos povos indígenas do Brasil e do Ceará e nosso profundo repúdio ao Governo Brasileiro e seus ruralistas pelo genocídio que promovem contra esses povos.

 

Os freqüentes assassinatos dos índios, dentre eles o do irmão terena Oziel Gabriel no Mato Grosso do Sul; o descaso e os ataques contra a Fundação Nacional do Índio (FUNAI) e a trágica decisão do Governo Federal em entregar a demarcação das Terras Indígenas nas mãos de setores que não tem experiências com a questão; e o indisfarçado objetivo de favorecer ruralistas, políticos e empresários, são as maiores vergonhas que o Estado brasileiro impõe a nossa sociedade. Exemplos vivos de como o colonialismo racista e etnocêntrico permanece na cultura do Estado brasileiro desde 1500.

 

Nós, negros, brancos e não índios em geral, que queremos um país melhor, não corroboramos com a ideia de que a satisfação das necessidades da sociedade se paute no sangue de nossos ancestrais vivos e resistentes, que também corre por nossas veias e cuja cultura enriquece nossa vida.

 

Exigimos que o Governo Federal, os poderes públicos e empresários parem de usar o nome da sociedade para justificar sua violência. É o Estado, e não a população, que escolhe o genocídio como método para se consolidar como “potência econômica”. Quem entende que garantir direitos, cidadania e vida pacífica aos povos é entravar o desenvolvimento é agente e cúmplice desse genocídio e nunca nos representará.

 

O Governo Federal deve rever imediatamente a política econômica anti-indígenas e dizimadora dos povos; promover a demarcação de todas as Terras Indígenas, incluindo as do Ceará, dentre estas a do Povo Tapeba, que prestes a ter suas terras decretadas se vêem agora ameaçados, frente vergonhosa ação do Ministério da Justiça de suspender os processo demarcatórios.

 

Enfatizamos que garantir as conquistas democráticas e os direitos dos povos não é romantismo e nem “projeto irreal”, como pensa a Ministra da Casa Civil Gleisi Hoffmann, e jamais poderia ser visto como prejuízo ao país. Um desenvolvimento manchado com o sangue indígena é uma inglória herança que não nos interessa.

 

Por isso nos somamos e estaremos sempre de mãos dadas com nossos irmãos e irmãs, apoiamos suas resistências e jamais nos ausentaremos na defesa e solidariedade de nossos parentes! E desde aqui saudamos e enviamos toda nossa energia às Jornadas unitárias de luta em MS: pela demarcação das terras indígenas e quilombolas, reforma agrária, contra o capital e pela soberania popular”.

 

 

Fortaleza, Junho de 2013.

 

 

Articulações Comunitárias do Bom Jardim – CE

Articulação Nacional de Pescadores – ANP

Associação dos Produtores de Artesanato de Teresina – ASPROARTE

Associação Ipê Rosa LGBTs – GO

Articulação de Mulheres Brasileiras/AMB

Associação Quilombola Vó Rita- GO

Cáritas Arquidiocesana de Fortaleza – CE

Central dos Movimentos Populares-CMP – CE

Centro de Assessoria Jurídica Universitária- Caju/UFC – CE

Centro de Defesa da Vida Herbert de Souza – CE

Centro de Defesa dos Direitos Humanos Nenzinha Machado- PI

Centro de Direitos Humanos João Bosco Burnier VG – MT

Coletivo Flor do Urucum – CE

Comitê Permanente de Apoio à Causa Indígena- CE

Comitê Popular da Copa -CE

Conselho Pastoral dos Pescadores

Diaconia -CE

Escritório de Direitos Humanos e Assessoria Jurídica Popular Frei Tito de Alencar- CE

Fórum Cearense de Mulheres

Fórum em Defesa da Zona Costeira do Ceará/FDZCC

Fundação Marica Saraiva – PI

Grupo Agroecológico/UFC -CE

Grupo consumo Responsável de Fortaleza-CE

Grupo Crítica Radica-CE

Grupo Oxumaré de Direitos Humanos de Negritude e LGBTs – GO

Instituto Negra do Ceará

Instituto Terramar -CE

Instituto Viramundo -CE

Mandato Ecos da Cidade -CE

Movimento Articulado de Mulheres da Amazônia MT

Movimento de Pescadores e Pescadoras

Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra – MST

Movimento Ibiapabano de Mulheres – MIM – CE

Movimento Nacional dos Direitos Humanos-CE

Movimento Pró-Árvore – CE

Movimento ProParque

Núcleo TRAMAS/UFC – CE

Ong Luta Feminina pela Emancipação da Mulher Explorada / La-Femme -CE

Programa de Proteção aos Defensores de Direitos Humano-CE

Quem Dera Ser um Peixe – CE

Rede de Desenvolvimento Sustentável do Grande Bom Jardim- DLIS

RUMA/Rede Brasileira de Justiça Ambiental

Tambores de Safo

 

 

Fonte: Racismo Ambiental

 

 

PALAVRAS-CHAVE

  • PROJETOS

    • Observatório da Sociedade Civil

Rua General Jardim, 660 - Cj. 71 - São Paulo - SP - CEP: 01223-010 - Tel.: 11 3237-2122

Horário de funcionamento do escritório: segunda-feira à sexta-feira, das 9h às 19h

design amatraca