ABONG -  - Associação Brasileira de Organizações Não Governamentais

associe-se

conheça nossas associadas

Procure pelo nome em um dos campos abaixo:

selecione
selecione

Ou faça aqui uma busca detalhada:

selecione
selecione
selecione
selecione
  • APOIO

    • Fundação Ford
  • REDES

    • Plataforma MROSC

Nota Pública: A garantia do direito à educação de qualidade exige responsabilidade da Câmara dos deputados com o Povo brasileiro

10/07/2013

 

O Modelo de desenvolvimento da nação brasileira deve estar ao serviço de seu povo, de sua classe trabalhadora. O recente substitutivo ao projeto de lei da Câmara 41/2013 aprovado no Senado apenas demonstra a distância entre desenvolvimento e direitos sociais em nosso país, especialmente o direito à educação.

 

Ao tratar da destinação de Royalties da produção petrolífera, apesar da luta de diversos movimentos sociais e articulações da sociedade civil, o Senado opta por um texto que reduz o investimento em Educação no período. Com o texto aprovado na Câmara dos Deputados, seria destinado para Educação e Saúde a previsão de R$ 279,08 bilhões, o texto aprovado no Senado destina apenas R$ 108,18 bilhões.

 

Tais recursos são vitais para a garantia de cumprimento das metas do próximo Plano Nacional de Educação, já que a destinação somente da vinculação constitucional e do FUNDEB não é suficiente para avanços significativos na educação brasileira.

 

Para alcançarmos um patamar de qualidade que dialogue com as reivindicações de movimentos sociais e organizações da sociedade civil, é preciso destinar novos recursos à educação pública, o Senado Federal andou na contramão dessa tendência, reduzindo significativamente os recursos a serem aportados.

 

Além de, efetivamente, destinar menos recursos para a Educação, o texto aprovado no Senado demonstra que a democracia brasileira ainda tem muito a avançar, superando a clássica fórmula liberal da representatividade. O Senado Federal, nessa votação, permaneceu infenso aos apelos das ruas, movimentos e organizações. A garantia do Direito à Educação de qualidade, assim como dos demais direitos sociais, exige a aprovação de um novo marco legal quanto ao seu financiamento. Novas fontes, novos recursos, um novo pacto federativo, em que a União tenha papel ativo no financiamento das políticas educacionais, de foram a reduzir as desigualdades regionais entre os sistemas de educação. O documento final da Conferência Nacional de Educação, realizada em 2010, aponta nesse sentido.

 

A Relatoria Nacional pelo Direito à Educação demonstra, pelas razões acima apontadas, preocupação com o substitutivo ao Projeto de Lei da Câmara 41/2013, por considerar que o mesmo reduz as expectativas de efetividade do Direito à Educação de Qualidade em nosso país, restando aguardar da Câmara dos Deputados a manutenção do projeto ali aprovado, agindo assim com responsabilidade perante as necessidades do povo brasileiro.

 

 

Rosana Heringer

Relatora Nacional pelo Direito à Educação

 


Márcio Alan Menezes Moreira
Assessor

 

 

PALAVRAS-CHAVE

  • PROJETOS

    • FIP - Fórum Internacional das Plataformas Nacionais de ONGs

Rua General Jardim, 660 - Cj. 71 - São Paulo - SP - CEP: 01223-010 - Tel.: 11 3237-2122

Horário de funcionamento do escritório: segunda-feira à sexta-feira, das 9h às 19h

design amatraca