ABONG -  - Associação Brasileira de Organizações Não Governamentais

associe-se

conheça nossas associadas

Procure pelo nome em um dos campos abaixo:

selecione
selecione

Ou faça aqui uma busca detalhada:

selecione
selecione
selecione
selecione
  • APOIO

    • Fundação Ford
  • REDES

    • Beyond

Organizações entregam carta a Dilma pedindo suspensão do leilão do pré-sal

23/09/2013

Na tarde desta sexta-feira (20) foi protocolada no Palácio do Planalto, uma carta a presidenta Dilma assinada por mais de 80 organizações nacionais. Na carta, elas pedem a suspensão do leilão das reservas do pré-sal, previsto para o próximo dia 21 de outubro.

 

As organizações que subscrevem a carta tem consciência da intenção das empresas transnacionais de se apoderarem das reservas do pré-sal. “A entrega para essas empresas fere o princípio da soberania popular e nacional sobre a nossa mais importante riqueza natural que é o petróleo”, afirmam.

 

Para elas, o leilão representará um erro estratégico e significará a privatização de parte importante do petróleo brasileiro. Com estimativa de 12 bilhões de barris de óleo de qualidade comprovada em uma das áreas mais estratégicas já descobertas pela Petrobrás, o campo de Libra está situado na Bacia de Santos.

 

Ainda na carta, as organizações denunciam a espionagem dos Estados Unidos, com o claro interesse de posicionar as empresas estadunidenses em melhores condições para abocanhar as reservas do pré-sal.

 

A decisão pelo envio da carta à presidenta Dilma foi tomada durante a Plenária Nacional sobre o Petróleo, realizada na semana passada (13/9), em São Paulo. Além da carta, o conjunto das organizações definiu uma agenda de mobilizações para barrar a entrega do campo de Libra às transnacionais e solicita uma audiência para serem ouvidos pela Presidenta da República.

 

Leia a carta abaixo.

 

 

Brasil, 20 de setembro de 2013

 

Excelentíssima Senhora

 

Dilma Vana Rousseff

 

Presidenta da República Federativa do Brasil

 

Palácio do Planalto- Brasília, DF.

 

Senhora Presidenta,

 

1. Nós, entidades representativas, centrais sindicais, associações, movimentos sociais, militantes partidários e cidadãos, imbuído da vontade de defender os interesses da soberania da nação brasileira e de nosso povo, sobre os nossos recursos naturais, em especial o petróleo, nos dirigimos a V. Exa., para pedir que SUSPENDA o leilão das reservas do PRÉ-SAL, previsto para o próximo dia 21 de outubro de 2013.

 

2. Louvamos a iniciativa do então Presidente Lula, que no momento da confirmação da existência das reservas do Pré-sal, retirou 41 blocos do nono leilão, que iria ocorrer naquela ocasião. Ao fazê-lo, sabemos, o presidente contrariou fortes interesses, pois as empresas petrolíferas transnacionais, já prevendo a existência de grandes reservas na região, tinham a intenção de fechar contratos de 30 anos de duração. Seriam atos jurídicos perfeitos, em condições benéficas para elas e prejudiciais para a sociedade brasileira. A decisão do presidente Lula preservou os interesses nacionais, naquele momento.

 

3. Posteriormente, foi elaborado um novo marco regulatório para o setor do petróleo, no qual Vossa Excelência jogou importante papel ainda como Ministra. Consideramos que o novo modelo é muito melhor sob a ótica do benefício social que o modelo das concessões adotado e praticado no governo FHC.

 

4. Estamos convencidos, por outro lado, que o caso do campo de Libra é particular e que o mesmo não pode ser leiloado mesmo através desse modelo de partilha adotado para as áreas do Pré-Sal. A área de exploração de Libra não é um bloco, no qual a empresa petrolífera irá procurar petróleo. Libra é um reservatório totalmente conhecido, delimitado e estimado em seu potencial de reservas em barris, faltando apenas cubar o petróleo existente com maior precisão. Como já foi dado a público, o campo de Libra possui no mínimo, dez bilhões de barris, uma das maiores descobertas mundiais dos últimos 20 anos.

 

5. O desafio colocado diante de um volume tão grande de petróleo conhecido é o de como maximizar esse benefício para toda  sociedade brasileira. Os legisladores que, junto com membros do Executivo federal, produziram a lei 12.351 de 2010, deram uma brilhante demonstração de lucidez ao redigirem o artigo 12 desta lei. Através deste artigo, a União pode entregar um campo, sem passar por licitação, diretamente para a Petrobras, a qual assinaria um contrato de partilha com a União, com o percentual do "óleo-lucro" a ser remetido para o Fundo Social obtido por definição do governo.

 

6. Pleiteamos que, no caso das reservas de Libra, o percentual seja bem alto, para beneficiar ao máximo a sociedade. Mas, lembramos isso só pode ser feito se a Petrobras for a empresa contratada pela União.

 

7. Não basta definir parâmetros no edital e no contrato para maximizar as remessas das empresas "ganhadoras" para o Tesouro e o Fundo Social. Não houve qualquer explicação da ANP, nem de argumentação nem no Edital, que justifique esse leilão do ponto de vista dos interesses do povo. Ao contrário, a Resolução n. 5 do CNPE que decide sobre o leilão de Libra é um libelo de prepotência e autoritarismo.  Qual a razão para que nem o MME, o CNPE, a ANP ou a EPE, nenhum destes órgãos ter dado acesso ao público de documentos explicando a perspectiva de descobertas, quanto será destinado para o abastecimento brasileiro e quanto deverá ser exportado?

 

8. Essas dúvidas não foram esclarecidas em audiências públicas que competia à ANP proporcionar para que a sociedade se manifestasse. Assim, mesmo entre técnicos e especialistas, ninguém pode ter noção de qual a base de calculo para chegar-se a um preço mínimo previsto de arrecadação de R$ 15 bilhões e qual o percentual de óleo lucro a ser remetido para o Fundo Social. A ANP evitou receber opiniões mesmo dos setores sociais como sindicatos, associações e universidades, vinculados ao tema da energia e do petróleo. De nossa parte propomos que o Ministério das Minas e Energia organize uma consulta aos técnicos e entidades brasileiras que permita a confrontação de informações no tocante à legislação e ao destino do petróleo do Pré-sal.

 

9. Todos nós temos consciência da intenção das empresas transnacionais de apoderarem-se das reservas do Pré-sal. A entrega para essas empresas fere o principio da soberania popular e nacional sobre a nossa mais importante riqueza natural que é o petróleo.

 

10. Os recentes episódios de espionagem patrocinada pelo governo dos Estados Unidos da América no Brasil, que receberam uma posição altaneira e de exigência de explicações por parte de vosso governo, Presidente Dilma, se deram não apenas sobre a vossa pessoa e governo, mas inclusive, como é público e notório, sobre a Petrobras, com o claro interesse de posicionar as empresas estadunidenses em melhores condições para abocanhar as reservas do Pré -sal,  numa clara afronta já soberania da nação e num total desrespeito às prerrogativas exclusivas do Estado e governo brasileiros neste terreno.

 

11. Presidente Dilma, a senhora mesmo afirmou sua disposição de “ouvir as vozes das ruas”. O povo brasileiro, que há 60 anos protagonizou a campanha “o petróleo é nosso”, que resultou na construção da Petrobras, não pediu e não aceita a entrega de nosso petróleo para as transnacionais que querem pilhar esse recurso vital para o desenvolvimento socioeconômico em benefício da grande maioria do nosso povo. Afirmamos, de nossa parte, que não descansaremos na luta em defesa do petróleo brasileiro e do Pré-sal nas mãos e em benefício de nosso povo. Se qualquer dúvida houver sobre a opinião popular, a senhora, com presidente da República Federativa do Brasil, tem o poder de convocar um plebiscito para que o povo decida quem deve explorar as riquezas do Pré-sal e qual deve ser o seu destino.

 

São essas as razões que nos levaram a redigir esta carta à Vossa Exa. reivindicando fortemente que a senhora SUSPENDA A REALIZAÇÃO DO LEILÃO DO PETRÓLEO DO CAMPO DE LIBRA, previsto para o próximo dia 21 de outubro.

 

Presidenta ouça as mensagens das organizações.  Nossa proposta é que a exploração do campo de Libra seja entregue unicamente à PETROBRAS, como permite o artigo 12 da lei 12.351.

 

Estamos prontos para contribuir com nossas reflexões, experiências, criatividade e capacidade. Queremos ser ouvidos, para evitar que o poder econômico seja ouvido em primeiro lugar. Ficaríamos honrados de ser recebido em audiência pela Vossa pessoa, presidenta Dilma Rousseff, para discutirmos diretamente as razões que nos levam a esse posicionamento, certos de que é uma solução conforme com os interesses da soberania nacional e do povo brasileiro.

 

Atenciosamente,

 

1)       Articulação de Mulheres Brasileiras (AMB)

 

2)       Articulação dos Empregados Rurais do Estado de Minas Gerais (ADERE)

 

3)       Assembleia Popular

 

4)       Assembleia Popular - Osasco

 

5)       Assembleia Popular - Paraíba

 

6)       Associação Brasileira de ONG's (ABONG)

 

7)       Associação Brasileira dos Estudantes de Engenharia Florestal (ABEEF)

 

8)       Associação Comunitária de Construção das Mulheres de Itaquera IV

 

9)       Associação dos Engenheiros da Petrobrás (AEPET)

 

10)   Associação Nacional de Pós Graduandos (ANPG)

 

11)   Central de Movimentos Populares (CMP)

 

12)   Central dos Trabalhadores do Brasil (CTB)

 

13)   Central Geral dos Trabalhadores do Brasil (CGTB)

 

14)   Central Única dos Trabalhadores (CUT)

 

15)   Clube de Engenharia do Brasil

 

16)   Coletivo Nacional de Juventude Negra - ENEGRECER

 

17)   Coletivo Quilombo

 

18)   Comissão Pastoral da Terra (CPT)

 

19)   Confederação das Mulheres do Brasil (CMB)

 

20)   Confederação Nacional das Associações de Moradores  (CONAM)

 

21)   Conselho Indigenista Missionário (CIMI )

 

22)   Conselho Nacional do Laicato do Brasil (CNLB)

 

23)   Consulta Popular

 

24)   Coordenação dos Movimentos Sociais (CMS– PR)

 

25)   Coordenação dos Movimentos Sociais (CMS)

 

26)   Coordenação Nacional de Articulação das Entidades Negras Rurais Quilombolas (CONAQ)

 

27)   Coordenação Nacional de Entidades Negras (CONEN)

 

28)   Entidade Nacional de Estudantes de Biologia (ENEBIO)

 

29)   Federação dos Estudantes de Agronomia do Brasil (FEAB)

 

30)   Federação dos Trabalhadores nas Indústrias Urbanas do Estado de São Paulo (FTIUESP)

 

31)   Federação Interestadual de Sindicatos de Engenheiros (FISENGE)

 

32)   Federação Nacional dos Urbanitários (FNU)

 

33)   Federação Única dos Petroleiros (FUP)

 

34)   Fórum Brasileiro de Economia Solidária (FBES)

 

35)   Frente de Lutas de Juiz de Fora

 

36)   Grito dos Excluídos

 

37)   Jubileu Sul

 

38)   Juventude Revolução

 

39)   Levante Popular da Juventude

 

40)   Marcha Mundial das Mulheres

 

41)   Movimento Camponês Popular (MCP)

 

42)   Movimento de Combate a Corrupção Eleitoral (MCCE)

 

43)   Movimento de Mulheres Camponesas (MMC)

 

44)   Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB)

 

45)   Movimento dos Pequenos Agricultores (MPA)

 

46)   Movimento dos Pescadores e Pescadoras (MPP)

 

47)   Movimento dos Trabalhadores Desempregados (MTD)

 

48)   Movimento dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Campo (MTC)

 

49)   Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST)

 

50)   Movimento Nacional pela Soberania Popular frente a Mineração(MAM)

 

51)   Movimento Reforma Já

 

52)   Pastoral da Juventude Rural (PJR)

 

53)   Pastoral Da Moradia

 

54)   Pastoral Do Migrante

 

55)   Pastoral Fé e Política de Jundiaí

 

56)   Pastoral Fé e Política de Salto – SP

 

57)   Pastoral Fé e Política de Várzea Paulista - SP

 

58)   Plataforma dos Movimentos Sociais pela Reforma Política

 

59)   Plataforma Operária e Camponesa para Energia

 

60)   Rede Ecumênica da Juventude (REJU)

 

61)   Rede Fale

 

62)   Rede Nacional de Advogados Populares (RENAP -CE)

 

63)   Sindicato dos Advogados de São Paulo (SASP – SP)

 

64)   Sindicato dos Energéticos do Estado de São Paulo (SINERGIA –SP)

 

65)   Sindicato dos Engenheiros (SENGE – PR)

 

66)   Sindicato dos Petroleiros da Indústria do Petróleo de Pernambuco e Paraíba.

 

67)   Sindicato dos Petroleiros de Duque de Caxias (Sindipetro Caxias)

 

68)   Sindicato dos Petroleiros de Minas Gerais (Sindipetro MG)

 

69)   Sindicato dos Petroleiros do Ceará e Piauí

 

70)   Sindicato dos Petroleiros do Espirito Santo (Sindipetro ES)

 

71)   Sindicato dos Petroleiros do Estado do Rio de Janeiro (SINDIPETRO RJ)

 

72)   Sindicato dos Petroleiros do Norte Fluminense (Sindipetro NF)

 

73)   Sindicato dos Petroleiros do Rio Grande (Sindipetro/RG)

 

74)   Sindicato dos Petroleiros do Rio Grande do Norte (SINDIPETRO RN)

 

75)   Sindicato dos Petroleiros do Rio Grande do Sul (SINDIPETRO RS)

 

76)   Sindicato dos Servidores Públicos Municipais de Belo Horizonte  (SINDIBEL – MG)

 

77)   Sindicato dos Servidores Públicos Municipais de Curitiba (SISMUC – PR)

 

78)   Sindicato dos Trabalhadores em Água, Esgoto e Meio Ambiente ( SINTAEMA – SP)

 

79)   Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias Petroquímicas do Estado do Paraná.

 

80)   Sindicato Unificado dos Petroleiros da Bahia (SINDIPETRO BA)

 

81)   Sindicato Unificado dos Petroleiros do Estado de São Paulo (SINDIPETRO – SP)

 

82)   Sindicato Unificado dos Petroleiros do Paraná  e Santa Catarina (SINDIPETRO PRSC)

 

83)   Sindicatos dos Eletricitários de Minas Gerais (SINDIELETRO/MG)

 

84)   Sindicatos dos Eletricitários de Santa Catarina (SINERGIA/SC)

 

85)   Sindicatos dos Eletricitários do Distrito Federal (STIU/DF)

 

86)   União de Negros pela Igualdade (UNEGRO)

 

87)   União Nacional dos Estudantes (UNE)

 

88)   Via Campesina - Brasil

 

 

Fonte: Página do MST

 

 

PALAVRAS-CHAVE

  • PROJETOS

    • Informação, formação e comunicação em favor de um ambiente mais seguro para a sociedade civil organizada

Rua General Jardim, 660 - Cj. 71 - São Paulo - SP - CEP: 01223-010 - Tel.: 11 3237-2122

Horário de funcionamento do escritório: segunda-feira à sexta-feira, das 9h às 19h

design amatraca