ABONG -  - Associação Brasileira de Organizações Não Governamentais

associe-se

conheça nossas associadas

Procure pelo nome em um dos campos abaixo:

selecione
selecione

Ou faça aqui uma busca detalhada:

selecione
selecione
selecione
selecione
  • APOIO

    • Instituto C&A
  • REDES

    • Plataforma MROSC

A responsabilidade das hidrelétricas nas enchentes de Rondônia

28/04/2014

“Cheia histórica” não é desastre natural. PAD afirma sua solidariedade aos atingidos e cobra ações que revertam as violações de direitos cometidas pelos mega projetos na região

 

As enchentes em Rondônia não acontecem apenas em função de causas naturais. O histórico nível das águas do Rio Madeira está intimamente relacionada com os impactos dos megaprojetos hidrelétricos que vem sendo realizados na região. Enquanto a tragédia toma proporções desumanas, as suas causas reais seguem invisíveis e as consequências não são divulgadas pelos órgãos oficiais e de imprensa.

 

Segundo o Movimento dos Atingidos por Barragens (http://pad.org.br/content/carta-do-madeira-delibera-es-da-assembl-ia-popular-dos-atingidos), são mais de 5.000 famílias atingidas, mais de 100 mil pessoas sem acesso a água potável, 12 bairros de Porto Velho e mais de 50 comunidades ao longo do rio Madeira, incluindo os municípios de Nova Mamoré e Guajará-Mirim.

 

Estas famílias atingidas estão sofrendo com a perda de suas terras, moradias, produção, utensílios de trabalho, equipamentos e demais pertences.

 

A maior parte das famílias se deslocou para casas de amigos e parentes, e mesmo aqueles que foram para abrigos foram assistidos principalmente com a solidariedade da população, do que pelo poder público.

 

Os atingidos pela enchente não têm recebido assistência e estão muitas vezes sem alimentação, água potável, saúde e educação, transporte e local adequado de habitação.

 

Hidrelétricas e violações de direitos

 

As Usinas de Santo Antônio e Jirau, construídas na região, demandaram investimentos de 16 bilhões e 17,3 bilhões, respectivamente. A maior parte do recurso é de origem pública (via Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social - BNDES). Em lugar de beneficiar a população, estes investimentos tornaram muito piores as condições de vida no local, criando situações de gravíssima vulnerabilidade. Leia mais aqui (http://pad.org.br/content/hidrel-tricas-e-viola-es-de-direitos-em-rond-nia).

 

Privados de seus pertences e casas e tendo seus direitos mais básicos violados, a população se encontra sem assistência e sem alternativas, sendo reassentada em abrigos precários e sem a recomposição da capacidade de trabalho e geração de renda. A maior parte do apoio dado aos atingidos vem da solidariedade da população.

 

Diariamente, aumenta o número de atingidos, e as previsões meteorológicas indicam a continuidade das chuvas. Já são pelo menos 63 casos de suspeita de leptospirose, sendo 17 já confirmados. A contaminação da água também provoca  a deterioração da vegetação submersa, a mortandade de animais e a mistura das águas com as fossas e esgotos, cemitérios e lixões.

 

Diante disso, estão colocadas demandas urgentes e demandas estruturais a serem atendidas de forma imediata na região.

 

http://www.mabnacional.org.br/noticia/tempo-organiza-e-luta-no-rio-madeira

 

Onde saber mais

 

Carta do Madeira: deliberações da Assembleia Popular dos Atingidos por terra, casa e trabalho

http://pad.org.br/content/carta-do-madeira-delibera-es-da-assembl-ia-popular-dos-atingidos-por-terra-casa-e-trabalho

 

CPT Rondônia: http://cptrondonia.blogspot.com.br/

 

Em Rondônia, atingidos cobram responsabilidade das usinas por enchentes do Madeira

http://www.mabnacional.org.br/noticia/em-rond-nia-atingidos-cobram-responsabilidade-das-usinas-por-enchentes-do-madeira

 

Nota de Solidariedade com as comunidades do Baixo Madeira atingidas pela enchente

http://cptrondonia.blogspot.com.br/2014/04/solidariedade-com-as-comunidades-do.html

 

Campanha: Não existe molhado igual ao pranto

http://www.pad.org.br/content/campanha-n-o-existe-molhado-igual-ao-pranto

 

 

PALAVRAS-CHAVE

  • PROJETOS

    • Observatório da Sociedade Civil

Rua General Jardim, 660 - Cj. 71 - São Paulo - SP - CEP: 01223-010 - Tel.: 11 3237-2122

Horário de funcionamento do escritório: segunda-feira à sexta-feira, das 9h às 19h

design amatraca