ABONG -  - Associação Brasileira de Organizações Não Governamentais

associe-se

conheça nossas associadas

Procure pelo nome em um dos campos abaixo:

selecione
selecione

Ou faça aqui uma busca detalhada:

selecione
selecione
selecione
selecione
  • APOIO

    • Instituto C&A
  • REDES

    • Beyond

Carta da juventude negra pelo direito à vida

24/07/2014

“O futuro pertence àqueles que se preparam hoje para ele”
Malcolm X


Nós jovens de ambos os sexos, que habitamos no sertão da Bahia, nos Territórios do Sisal, Porta do Sertão e Bacia do Jacuípe bem como participação de delegações das cidades de Lauro d Freitas e Salvador reunidos no “Seminário Interterritorial JUVENTUDE NEGRA PELO DIREITO À VIDA”, realizado no período de 18 a 20 de julho de 2014, Conceição de Coité, Bahia/Brasil, com a presença de lideranças juvenis, lideranças sociais/populares, educadores populares, gestores públicos, movimentos sociais e outros sujeitos, com os objetivo de analisar a violência em suas diversas formas, física e simbólica, que se abate sobre nós, juventude brasileira, em especial a juventude negra, nesta região e no estado da Bahia. De acordo com dados do mapa da violência de 1980 para 2011, o índice de homicídios de jovens cresceu na
ordem de 207,9% no Brasil, e na Bahia 271,7%.


Nesse seminário apontamos soluções para o enfrentamento desse grave problema social, que a nosso ver, tem se caracterizado por ser violência de classe, geracional e racial, conforme dados do mapa da violência que mostra que em 2010, a diferença percentual de 149% a mais de morte de jovens negros que de jovens brancos, sob a ação ou omissão do Estado Brasileiro. O Estado tem atuado com seu aparelho repressor
criminalizando e executando a juventude negra, pela ação da polícia, ou mesmo pela omissão, o que demonstra sua incapacidade de negociar conflitos e assegurar uma cultura de paz e de direitos aos seus cidadãos e cidadãs.

Nós juventude negra, estamos na periferia urbana e rural, nas vilas, favelas, comunidades e territórios, segregados e sofrendo preconceitos racial, cultural, religioso, social e de classe, somos resistentes, assim como foram nossos ancestrais que não se renderam a escravidão, estamos organizados e firmes na luta pelo direito a vida. Queremos ser jovens, sem os estigmas de ser “jovem da periferia” mera construção social que nos rotula também pelo lugar que fomos empurrados a morar ou ainda pela nossa sexualidade. Somos jovens negros/as, na faixa etária de 18 a 29 anos, com trajetória escolar irregular, pobre, desempregados ou em condições de subemprego, 1.Seminário Interterritorial JUVENTUDE NEGRA PELO DIREITO À VIDA, realizado de 18 a 20 de julho de 2014, Conceição do Coité – Bahia. Participaram os seguintes municípios: Água Fria, Araci, Cansanção, Conceição do Coité, Feira de Santana, Ichu, Irará, Lauro de Freitas, Nordestina, Nova Fátima, Queimadas, Quixabeira, Retirolândia, Salvador, Santaluz, São José, Serrinha, Valente. moradores da periferia, de territórios desprovidos de serviços básicos, filhos da classe
trabalhadora, vivendo em condições sociais precárias, muitos de nós em situação de
miséria, de exclusão social e racial.

Afirmamos nossa identidade, nossa religiosidade e nossa cultura. Através de nossas manifestações culturais também denunciamos à violência, as desigualdades, a invisibilidade, a violação de nossos direitos. Queremos uma cultura de paz, esta se origina na nossa organização e lutas para que a paz habite em nossas comunidades. Nesta perspectiva estamos formando lideranças jovens, sujeitos sociais com capacidade de intervir em suas realidades na luta pela resolução dos conflitos e problemas sociais das periferias de forma criativa e não violenta. Promovemos momentos de reflexão, estudo, debates, intercâmbios e campanhas que apontam para a criação da Rede Juventude Viva, para o enfrentamento da violência e extermínio da juventude negra, com carácter emancipatório, pois propõe a libertação dos jovens pobres da periferia rural e urbana, ao mesmo tempo, em que lutamos pela transformação dessa realidade.

A cultura de paz desejada está na nossa união, se traduz na força e organização que caminha na contramão da violência e do extermínio. Nós juventude negra, estamos na luta pela inversão dessa lógica perversa. Estamos na construção de uma sociedade alicerçada na cultura da justiça social, solidária e libertária. Para isso, o Estado brasileiro deve se responsabilizar pela resolução não violenta dos conflitos, criando as condições para relações de respeito a diversidade e os direitos individuais e a solidariedade. Nós jovens exigimos do Estado a desmilitarização da polícia e a criação de instrumentos legais de participação, constituindo uma esfera pública ampla de discussão dos problemas que sofremos.

Reconhecemos que a articulação e parceria entre os movimentos sociais e o Estado são fundamentais para fortalecer a cultura de paz e de direito, e fazer o enfrentamento a violência contra a juventude negra. Essa relação possibilita novas configurações entre movimento negro juvenil e Estado na implantação das políticas
públicas de juventudes. Como é o caso do Programa Juventude Viva da Secretaria Nacional de Juventude, vinculada a Secretaria Geral da Presidência da República que foi implantado na Bahia em dezembro de 2013, e precisa ser ampliado para todo estado, com destaque aos Territórios do Sisal, Portal do Sertão e Bacia do Jacuípe, os quais os municípios constam no mapa da violência 2013, pois não queremos ficar assistindo diariamente os nossos amigos e irmãos tombarem sem vida, e cada um, cada uma de
nós corrermos o mesmo risco. Por isso é urgente a adoção de medidas de contenção do extermínio da juventude negra.

É nessa perspectiva que a organização do movimento juvenil pela Paz na periferia urbana e rural deve ser fortalecida, notadamente em defesa dos jovens negros em situação de risco pessoal e social, buscando se contrapor aos altos índices de violência envolvendo esse segmento social. Queremos ainda ampliar o debate no enfrentamento a violência da juventude negra, tornando esse problema social, cada vez mais público, fomentando a ação em rede e a desconstrução da cultura de violência e construir a cultura de paz, respeito, cidadania e afirmação de direitos, criando oportunidades para a juventude negra.

Com esta perspectiva reivindicamos:

· Do Estado Brasileiro, em especial do Governo Baiano, medidas urgentes de contenção da onda de violência que assola a região e que tem espalhado sangue de jovens, nossos amigos e irmãos, por todo o nosso chão e territórios;

· Que os municípios criem setores específicos que trate das políticas e programas para a juventude negra, integrando as políticas Federal, Estadual e Municipal;

Entidades/Movimentos e Redes que assinam:

 Associação Cultural e Beneficente Revolution Reggae- ABCRR;
 Núcleo de Educação Popular do Sertão da Bahia – NEPESBA;
 Rede de Jovens do Nordeste – RJNE;
 Escola de Formação Quilombo dos Palmares – EQUIP;
 Coletivo de Entidades Negras Região Metropolitana de Salvador – CEN/BA;
 Rede de Educadores/as Populares do Nordeste – REPNE
 Pastoral da Juventude Rural – PJR;
 Fórum de Assistência Social de Raça e Gênero do Território do Sisal;
 Fórum Regional de Educação de Jovens e Adultos (EJA) do Território do Sisal;
 Fundação de Apoio à Agricultura Familiar do Semiárido da Bahia- FATRES;
 Centro de Promoção da Educação, da Cultura e Cidadania – CEPEC;
 Associação dos Moradores do Bairro da Mansão;
 Acampamento 1°de Maio;
 Regueiros da Paz;
 Escola Família Agrícola de Jaboticaba – EFA;
 Pastoral da Criança de Nova Fátima;
 Associação da Casa Comunitária Sagrada Família da Embratel de São José –
ACCSFE;
 Coletivo de Jovens de Nova Palmares;
 Coletivo da Juventude da FATRES;
 Instituto Casa da Cidadania de Serrinha;
 Sindicato dos Trabalhadores e Trabalhadoras Rurais de Retirolândia;
 Conselho Regional de Desenvolvimento Rural Sustentável da Região Sisaleira do
Estado da Bahia – CODES SISAL.



Conceição do Coite, 20 de julho de 2014

Confira o arquivo original aqui.

 

PALAVRAS-CHAVE

  • PROJETOS

    • Fórum Social Mundial

Rua General Jardim, 660 - Cj. 71 - São Paulo - SP - CEP: 01223-010 - Tel.: 11 3237-2122

Horário de funcionamento do escritório: segunda-feira à sexta-feira, das 9h às 19h

design amatraca