ABONG -  - Associação Brasileira de Organizações Não Governamentais

associe-se

conheça nossas associadas

Procure pelo nome em um dos campos abaixo:

selecione
selecione

Ou faça aqui uma busca detalhada:

selecione
selecione
selecione
selecione
  • APOIO

    • Pão Para o Mundo
  • REDES

    • Plebiscito Constituinte

CESE divulga carta de repúdio ao assassinato de liderança indígena no Mato Grosso do Sul

11/11/2014

A líder indígena Marinalva Manoel, de 27 anos, foi encontrada morta na manhã do último sábado (1º de novembro), às margens da rodovia BR-163, próximo a Dourados, Mato Grosso do Sul.  Segundo o CIMI (Conselho Indigenista Missionário), organização que defende os direitos indígenas, Marinalva esteve há 20 dias em Brasília, junto com uma comitiva, para contestar a decisão do STF (Supremo Tribunal Federal) referente à anulação do processo de demarcação da Terra Indígena Guyraroká.

A CESE manifesta sua indignação frente à situação dos indígenas e comunidades tradicionais.

Confira abaixo a carta da CESE em apoio aos Guarani-Kaiowá.

.

Até onde suportaremos essas crônicas de mortes anunciadas?

A situação das terras indígenas no Mato Grosso do Sul e a repetição de violência e assassinatos como a que acabou de ocorrer nas áreas dos Guarani-Kaiowá, agora com o sacrifício de uma de suas lideranças femininas – Marinalva Manoel, de apenas 27 anos, é o retrato do grau insuportável de violência e impunidade que tristemente se naturaliza, pela teimosia dos povos originários que apenas querem viver do seu jeito em suas próprias terras.

A brutalidade de seu assassinato a facadas, em uma estrada próxima a Dourados, apenas 15 dias depois de ter participado de ato de protesto junto ao STF pela não homologação da Terra Indígena Guyraroká, é sintomática das represálias para quem ousa alterar a lógica “modernizante” do agronegócio. Marinalva lutava pela demarcação da Terra Indígena de Ñu Verá e integrava o Grande Conselho Guarani-Kaiowá da Aty Guasu – principal articulação desses povos.

Ironicamente, a CESE esteve semana passada na região onde vivem os Guarani-Kaiowá, e também com os Tupinambá de Serra do Padeiro, sul da Bahia, duas realidades que considera prioritária em sua missão de afirmar a vida e o respeito aos Direitos Humanos. A necessidade de fortalecer organizações populares no Centro Oeste é imperativo pela gravidade de violações aos direitos dos povos indígenas e de outras populações tradicionais que secularmente vivem naquela região. A assessora de projetos e formação da CESE, Olga Matos, voltou otimista com as boas práticas no campo da agroecologia que viu por lá e o ânimo das comunidades tradicionais, a despeito do quadro de tensão e violência permanente. Avalia que há um misto de corresponsabilização dos governos locais e instâncias federais, seja do Judiciário ou do Executivo, especialmente pela omissão do Ministério da Justiça, fato que se repete também em outros casos e na Terra Indígena Tupinambá, cuja Portaria Declaratória, há meses dormita em suas gavetas para ser assinada.

A CESE historicamente tem se solidarizado com os direitos dos povos indígenas, quilombolas e demais populações tradicionais. Neste momento de transição governamental, chama a atenção dos órgãos e ministros do Executivo e do Judiciário a se colocarem ativamente na mediação do conflitos e superação do quadro de impunidade, acelerando a responsabilidade dos mandantes e executores que martirizaram Marinalva Manoel na sua luta pela Terra Sem Males, onde não haveria doenças, nem fome, nem guerras.

Salvador, 05 de novembro de 2014

CESE - Cordenadoria Ecumênica de Serviço

 

PALAVRAS-CHAVE

  • PROJETOS

    • Compartilhar Conhecimento: uma estratégia de fortalecimento das OSCs e de suas causas

Rua General Jardim, 660 - Cj. 71 - Osasco- CEP: 01223-010 - São Paulo - SP - Tel.: 11 3237-2122

Horário de funcionamento do escritório: segunda à sábado, das 9h às 19h

design amatraca