ABONG -  - Associação Brasileira de Organizações Não Governamentais

associe-se

conheça nossas associadas

Procure pelo nome em um dos campos abaixo:

selecione
selecione

Ou faça aqui uma busca detalhada:

selecione
selecione
selecione
selecione
  • APOIO

    • Pão Para o Mundo
  • REDES

    • FIP

ABONG participa do debate "Panorama da avaliação de programas e projetos sociais no Brasil"

17/11/2010

Por Martina Rillo Otero - Instituto Fonte para o Desenvolvimento Social; Daniel Brandão – Consultor em avaliação de projetos e Isabel Santana - Fundação Itaú Social

 

A avaliação de projetos e programas sociais no Brasil é um tema que ganha importância crescente por relacionar-se à transparência, aprendizagem e eficiência de investimentos públicos e privados, em particular no cenário de recursos limitados ante as inúmeras  necessidades sociais existentes no Brasil.

 

Avaliar é condição para uma boa gestão de programas sociais, pois gera conhecimento sobre as ações desenvolvidas, fornece dados para verificar efetividade das estratégias adotadas e permite aprimorar ou corrigir rotas. Sua prática possibilita refletir sobre a ação social, verificar a pertinência, consistência, coerência e viabilidade dos programas.

 

Uma pesquisa recente de abrangência nacional realizada pelo Instituto Fonte e Fundação Itaú Social, em parceria com o IBOPE Inteligência, permite desenhar um cenário sobre os desafios e tendências desta área para os próximos anos. Chama a atenção que 91% das organizações que participaram do estudo afirmam já ter realizado avaliação de algum programa ou projeto nos últimos cinco anos.

 

Dentro da amostra, 26% consideram a avaliação uma ferramenta estratégica e 33% a tomam como instrumento de promoção, o que, de alguma forma, envolve a divulgação de resultados e o fortalecimento das relações de parceria que podem sustentar o trabalho social. Porém, uma parcela que soma 41% do grupo vê a avaliação como desperdício de tempo e recursos ou como atividade burocrática.

 

Os dados revelam que, embora entre organizações da sociedade civil brasileira a importância da avaliação esteja consolidada, permanece o desafio de transformar as concepções burocratizantes em perpectivas estratégicas que orientem a tomada de decisão e os processos de aprendizagem de um projeto ou programa social..

 

O estudo indica também que as avaliações têm sido prioritariamente desenvolvidas por equipes internas da organização (85% do total), sendo que 22% atuam com consultores externos. A sobreposição dos dados representa um grupo que atua com avaliações mistas (interna e externa).

 

De maneira geral, há o avanço de concepções participativas no campo da avaliação, caracterizadas por incluir os participantes do projeto no processo avaliativo, o que acompanha tendências internacionais. O debate ao redor da participação não é recente, mas perene e ganha novas arenas e espaços de influência.

 

O grande desafio para o desenvolvimento de avaliações é a “construção de indicadores” (apontado por 48% das organizações pesquisadas), fato esse que não surpreende, uma vez que questões ao redor deste tema já orbitam o debate sobre avaliação faz mais de uma década. O dado reforça a necessidade de amadurecer a compreensão que as organizações da sociedade civil têm sobre este aspecto e, em certa medida, desmistificar as concepções vigentes sobre a dificuldade de se construir indicadores na prática de projetos sociais. Este avanço pode ser realizado por meio de avaliações orientadas por profissionais que dominam o tema ou pelo amadurecimento de lideranças e gestores por meio de processos de formação em avaliação.

 

Com relação ao investimento financeiro em avaliação, observa-se que 34% das organizações participantes da pesquisa tinham o recurso para a atividade previsto no orçamento do projeto. Isso parece indicar um bom avanço: contemplar valores para avaliação nos custos de um projeto – e viabilizá-los ante o investidor – é um passo importante para “institucionalizar” a área. Mas o panorama econômico deste campo é ainda de difícil precisão.

 

Outro estudo realizado em 2008 por meio de uma parceria com a empresa de pesquisa de mercado TNS InterScience,  mostra que aproximadamente 70% das empresas que realizaram investimentos sociais e avaliação nos dois anos anteriores não sabiam precisar o montante investido. A pesquisa aponta para um espaço potencial de crescimento dos investimentos que poderiam atingir cifras próximas a cem milhões de reais , isso se considerados apenas os valores realizados por empresas.

 

O fortalecimento do campo da avaliação de projetos sociais no Brasil depende de um amplo conjunto de variáveis. Entre estas se destaca a necessidade de se investir em processos de formação em avaliação, seja para lideranças e gestores ou para profissionais avaliadores, oportunidade que deveria ser abraçada pelas universidades brasileiras, o que, entretanto, ainda não encontra o eco ao qual tem direito dentro dos muros acadêmicos.

 

A melhor compreensão da dinâmica deste campo, como a oferecida pela pesquisa Ibope, é passo fundamental para o desenho de estratégias e a orientação de intervenções nesta área. Ao mesmo tempo, a disseminação de informações, por meio de artigos, periódicos, livros e outras mídias estimula a cultura avaliativa e capacita os interessados no tema.

 

O cenário para o crescimento da avaliação é atraente e muitas oportunidades estão presentes para o amadurecimento desta prática fundamental para qualificar a atuação ética, política e técnica dos projetos de transformação social no Brasil.

 

Seminário

O investimento social privado tem sido avaliado no Brasil? De que forma as organizações têm feito as avaliações? Que concepções de avaliação predominam no campo social? O que tem sido feito com as avaliações? Para quê elas servem? Quais os principais desafios da avaliação? Para discutir essas e outras questões, Anna Peliano (IPEA) e Martina Rillo Otero (Instituto Fonte) apresentam e discutem resultados de estudos realizados sobre a prática da avaliação no campo social.

 

Martina Rillo Otero é psicóloga e mestre em psicologia experimental. Atuando como consultora associada do Instituto Fonte, tem trabalhado e pesquisado na área de avaliação de programas e projetos sociais. É coordenadora do Projeto Avaliação.

 

Anna Peliano é socióloga, especialista em políticas públicas e coordenadora de Responsabilidade Social da Diretoria de Estudos e Políticas Sociais do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA).

 

Evento gratuito

Quando: 30 de novembro de 2010, das 9h às 12h30

Onde: Ação Educativa - Rua General Jardim, 660 - Vila Buarque - SP

Inscrições: envie seu nome, organização, cargo e email para avaliacao@fonte.org.br - Vagas limitadas

Esta é uma iniciativa do PROJETO AVALIAÇÃO

 

Fonte: Instituto Fonte

 

 

PALAVRAS-CHAVE

  • PROJETOS

    • Novos paradigmas de desenvolvimento: pensar, propor, difundir

Rua General Jardim, 660 - Cj. 71 - São Paulo - SP - CEP: 01223-010 - Tel.: 11 3237-2122

Horário de funcionamento do escritório: segunda-feira à sexta-feira, das 9h às 19h

design amatraca