ABONG -  - Associação Brasileira de Organizações Não Governamentais

associe-se

conheça nossas associadas

Procure pelo nome em um dos campos abaixo:

selecione
selecione

Ou faça aqui uma busca detalhada:

selecione
selecione
selecione
selecione
  • APOIO

    • Petrobras
  • REDES

    • Mesa de Articulación

Intercâmbio sobre manejo da Caatinga

09/12/2010

Por Rosiane Ayala*

 

Com o objetivo de trocar saberes e conhecer a Unidade Experimental em Manejo da Caatinga do assentamento Federal Vista Alegre/Quixeramobim, o CETRA através dos técnicos/as de ATER em parceria com o Projeto de Manejo da Caatinga (PDHC/CETRA) coordenado pela Tecnóloga em Saneamento Ambiental Maria Ivanilde Fidelis Damasceno, promoveram no dia 27 de Outubro um intercâmbio entre os/as agricultores/as do assentamento Estadual Pau D'Arco que é atendido pelo CETRA através do projeto de ATER.

 

Os trabalhos de campo foram iniciados por volta das 9h, com a participação de seis dos dez assentados do assentamento Pau D'arco, sete agricultores experimentadores e o técnico da entidade parceira CDDH, Renato Paiva. A atividade se deu através de uma breve explanação sobre as ações desenvolvidas, desde a formação do grupo até a implantação do projeto. Logo após, os/as produtores/as foram levados/as à área 01 (área de manejo em ovinocaprinocultura), onde o agricultor experimentador Salviano Firmino, relatou que aquele local era uma área já degradada e que foi utilizada para que se pudesse fazer o manejo de recuperação do solo e recuperação e preservação das espécies nativas. A área tem como um de seus objetivos a produção de suporte forrageiro

para ovinos e caprinos.

 

Das técnicas utilizadas, cita-se: a utilização de 02 animais por hectare (ovinos), sendo 400 árvores protegidas por

hectare em que pelo menos 70% da mata serve de alimentação para animais; o raleamento arbustiva-arbórea da Caatinga, consiste no controle seletivo de espécies lenhosas, com o objetivo de, reduzir o sombreamento e a densidade de árvores e arbustos, obtendo incremento na produção de fitomassa do estrato herbáceo.

 

A outra técnica utilizada em conjunto nessa área é o rebaixamento que consiste na derrubada manual do estrato

lenhoso a uma altura de 30 a 40 cm do solo com a finalidade de aumentar a disponibilidade de forragem, pois toda fitomassa ficará ao alcance dos animais. Com a redução do sombreamento exercido pelo estrato arbustivo-arbóreo, há um aumento significativo da fitomassa herbácea. Há também uma expressiva ampliação na fitomassa do estrato lenhoso, devido às rebrotações das moitas, havendo ainda o prolongamento do período verde.

 

A forragem disponível para os animais existentes na área de experimento é suficiente para ser consumida durante

o ano todo, onde estes consomem apenas a forragem, não sendo fornecido suplementos e rações. A área 02 visitada é muito parecida com a 01, só que os troncos são enleirados (encoivarados), protegendo o solo contra enxurradas, como por exemplo, a erosão laminar e formação das voçorocas. O manejo desta área tem como objetivo o desenvolvimento e fortalecimento de pasto apícola por meio da inserção de árvores furtiferas e nativas.

 

Os/as agricultores/as futuros/as experimentadores/as do assentamento Pau D'arco do município de Quixeramobim

ficaram empolgados com a área, pois, mesmo sem o incentivo do governo, desejam destinar uma área do assentamento para realizar a mesma experiência. Os visitantes conheceram ainda a área de plantio da "Gliricidia" do assentamento. A Gliricidia é uma leguminosa de múltiplos usos, e mesmo sendo empregada como mourão vivo na construção de cercas ecológicas, ela pode ser aproveitada em outras atividades no sistema de produção do agricultor, tais como na alimentação animal (bovinos e caprinos) e no fornecimento da biomassa vegetal e melhoria da fertilidade dos solos.

 

Vale-se ressaltar que o CETRA, tem proporcionado e estimulado uma nova visão das famílias dos assentamentos estaduais, trazendo e apresentando experiências que são referências e que estão dando certo em outras unidades acompanhadas pela entidade através de outros projetos.

 

* Zootecnista, técnica do CETRA

 

Fonte: Boletim Informativo do Centro de Estudos do Trabalho e de Assessoria ao Trabalhador - CETRA

 

PALAVRAS-CHAVE

  • PROJETOS

    • Observatório da Sociedade Civil

Rua General Jardim, 660 - Cj. 71 - Osasco- CEP: 01223-010 - São Paulo - SP - Tel.: 11 3237-2122

Horário de funcionamento do escritório: segunda à sábado, das 9h às 19h

design amatraca