ABONG -  - Associação Brasileira de Organizações Não Governamentais

associe-se

conheça nossas associadas

Procure pelo nome em um dos campos abaixo:

selecione
selecione

Ou faça aqui uma busca detalhada:

selecione
selecione
selecione
selecione
  • APOIO

    • FIP
  • REDES

    • MCCE

Marcha em Porto Alegre marca o combate à intolerância religiosa

21/01/2011

O Núcleo RS da Rede Nacional de Religiões Afrobrasileiras e Saúde (RENAFRO RS) e a Congregação em Defesa das Religiões Afrobrasileiras (CEDRAB – RS), realizam a III Marcha Estadual pela Vida e Liberdade Religiosa do Rio Grande do Sul – Unidos Seremos Fortes, que será realizada em Porto alegre no dia 21 de janeiro de 2011 a partir das 16h.

 

A concentração para a marcha será no Largo Glênio Peres, seguindo pela Av. Borges de Medeiros até a Rua Demétrio Ribeiro, de onde vai até a Av. José do Patrocínio, passa pelo Largo Zumbi dos Palmares e chega à Av. Loureiro da Silva, onde será realizado um ato público, voltando para a Av. Loureiro da Silva em direção a Av. Presidente João Goulart até a Usina do Gasômetro.

 

Leia abaixo o manifesto da RENAFRO RS e do CEDRAB-RS sobre a intolerância religiosa.

 

Manifesto

Porto Alegre, 21 de janeiro de 2011.

 

Prezados (as)

 

Mais uma vez o Povo do Àse Afro-Gaucho se levanta para defender seus direitos e denunciar as atrocidades perpetrada sobre uma fé milenar e exigir respeito. Já há muito tempo intolerância religiosa é pauta em todo o território nacional. Desrespeitos têm sido cometidos em defesa de uma fé discriminadora, irracional e racista.

 

É muito comum as pessoas dizerem que no Brasil, já vigora tolerância e até diálogo entre as confissões religiosas. Por outro lado, mesmo em nosso Brasil, alguns programas de rádio e televisão se notabilizam por demonizar a religião dos outros e por falar de Deus como se este fosse um senhor truculento a ameaçar de condenação eterna a quem não seguir tal Igreja ou não obedecer ao pastor ou à pastora de plantão.

 

A escolha do dia 21 de janeiro para esta data de combate à intolerância religiosa não foi por acaso. No dia 21 de janeiro de 2000, em Salvador (BA), morreu a Mãe Gilda de Ogum. Ela teve um enfarte fulminante quando viu evangélicos invadirem e destruírem a sua casa de culto (Abassá de Ogum). Embora os meios de comunicação quase não publiquem, ainda proliferam no Brasil, aqui e ali, alguns conflitos violentos entre membros de determinadas Igrejas e outras confissões religiosas.

 

Na Bahia, cidade de Ilhéus, no Quilombo Dom Helder Câmara, mais uma Iyalorisa foi desrespeitada pela Polícia Baiana, Bernadete Souza Ferreira Dos Santos de Oxossi foi agredida manifestada no seu Orisa, arrastada pelos cabelos e colocada num formigueiro como nos tempos do Brasil Colônia, sob palavras proferidas pelos policias dizendo que matariam o demônio, até a data de hoje só quem esta sendo processada é a Iyalorisa por desacato a autoridade.

 

Na Cidade de São Lourenço no RS, Iyalorisa Clara de Iansã do Ile Associação Africanista Oiya Niké e caboclo Rompe Mato vinha sofrendo perseguição da Policia há dois anos, com apreensão de animais, ameaças de invasão do terreiro pela policia e prisão da Ialorixa e tamboreiros, apedrejamentos e ameaça de fechamento das portas do terreiro.

 

No Bairro IAPI em Porto Alegre Babalorisa Claudio de Xangô é perseguido. Toda a vez que toca, tem sua casa apedrejada e diversas reclamações de barulho. No outro dia tem que providenciar a troca de seu telhado que fica totalmente destruído. Não faz a denuncia por temer mais represálias, já que se o vizinho dele é um juiz.

 

Ainda em 2010, o Apresentador de TV Bibo Nunes impede Baba Diba de Participar de seu Programa de entrevistas mesmo a entrevista tendo sido pré agendada pela produção do Programa. Registrado BO e denuncia ao Ministério Público, nada aconteceu. Bibo Nunes foi chamado por três vezes pelo MP e não compareceu não sofrendo nenhuma penalidade. A Pergunta é se fosse o babalorixa o transgressor convocado a dar esclarecimentos e não comparece, o que aconteceria?

 

Em 2010 o regime que tomou conta das eleições foi “teocracia”. A Presidenta eleita Dilma Russef teve que enfrentar um legitimo processo digno da Santa Inquisição, quando foi execrada ao manifestar sua posição sobre o aborto. Este processo acabou barrando o Plano Nacional de Combate a Intolerância Religiosa que tramitava em Brasília e deveria ter sido assinado no início do ano. Porém, a concordata com o vaticano e com evangélicos foram celebradas.

 

Onde está a igualdade e a liberdade?

A diversidade cultural e religiosa é uma riqueza que deve ser valorizada e incentivada através do diálogo que permite a cada tradição expressar sua peculiaridade e sua cultura.

 

Por isso, no dia 21 de Janeiro vamos tomar as ruas de Porto Alegre e marcharmos lado a lado contra a Intolerância Religiosa e o Racismo em busca da Liberdade Religiosa porque somente UNIDOS SEREMOS FORTES, provocando um verdadeiro mar de Ojás e Roupas Brancas dando boas vindas ao Ano de Osun!

 

“Se não Lutar não Muda” (Saudoso José Alves Bittencourt, o Lua)

“Unidos, seremos forte”

“Quem tem Ori, Não Baixa a Cabeça”

“Um mundo com tolerância e respeito é possível”

 

Certo da participação.

 

Atenciosamente,

 

Babalorixá Diba de Iyemonjá

Coordenador do RENAFRO RS

Coordenador do CEDRAB-RS

 

Fonte: Comissão Organizadora da Marcha Estadual pela Vida e Liberdade Religiosa do RS

 

PALAVRAS-CHAVE

  • PROJETOS

    • Programa de Desenvolvimento Institucional (PDI)

Rua General Jardim, 660 - Cj. 71 - Osasco- CEP: 01223-010 - São Paulo - SP - Tel.: 11 3237-2122

Horário de funcionamento do escritório: segunda à sábado, das 9h às 19h

design amatraca