ABONG -  - Associação Brasileira de Organizações Não Governamentais

associe-se

conheça nossas associadas

Procure pelo nome em um dos campos abaixo:

selecione
selecione

Ou faça aqui uma busca detalhada:

selecione
selecione
selecione
selecione
  • APOIO

    • FIP
  • REDES

    • Plataforma MROSC

Regional Amazônia assina carta em defesa de área ameaçada por madeireiros em Anapu (PA)

26/01/2011

Os trabalhadores e trabalhadoras do Projeto de Desenvolvimento Sustentável (PDS) Esperança, em Anapu (PA) lançou no última dia 22 uma carta-denúncia sobre a invasão de madeireiros ilegais nas áreas de reserva do projeto.

 

De acordo com o documento, assinado por associadas da ABONG e pelo Regional Amazônia, o clima é tensão na região. Os trabalhadores estão acampados nas estradas de acesso ao PDS para barrar a entrada de madeireiros, que, por sua vez, prometem reagir.

 

Seis anos depois da morte de Dorothy Stang, a ameaça persiste e os trabalhadores denunciam a omissão do poder público.

 

Leia a íntegra da carta abaixo.

 

Nota

Anapu, PA – 22 de janeiro de 2011

 

Nestes dias vamos comemorar pela sexta vez a vida de Irmã Dorothy Stang, aquela que perdeu sua vida em defesa do Projeto de Desenvolvimento Sustentável em Anapu, Pará. O projeto é do Governo Federal, idealizado como “o jeito Amazônico de fazer Reforma Agrária.” Nestes dias o PDS Esperança, em Anapu (PA), mais uma vez vira palco de tensão e ameaça.

 

De 2005 até 2009, o PDS Esperança cresceu devagar, na marcha do povo. Durante estes 4 anos e meio, não houve invasão de madeireiro, nem venda de madeira na parte dos assentados. Em 2008 houve eleições municipais. Os candidatos vitoriosos ganharam as eleições nas costas de dinheiro recebido de madeireiros e promessas de apoio para os mesmos ao longo do mandato. Logo em dezembro do mesmo ano, começou a invasão maciça de madeireiros na área, invasão que continuou até 10 de janeiro de 2011. Houve também nesta época uma enchente de gente dentro do PDS, todos em busca de madeira e dinheiro fácil.

 

Desde dezembro, 2009 as famílias assentadas e defensoras do Projeto de Desenvolvimento Sustentável começaram a luta em defesa de suas terras, do Lote 55 e da floresta. Houve denúncias por cima de denuncias, mas nada foi feito na parte do governo federal ou estadual. Em fevereiro 2010, o sindicato dos trabalhadores rurais, com o apoio da prefeitura de Anapu, conseguiu o desmonte arbitrário da associação do PDS, usando de métodos nada éticos e transparentes, tudo a fim de controlar acesso a floresta e lucrar da madeira ilegal, destruindo enfim o Projeto de Desenvolvimento Sustentável.

 

Após um ano de denúncias e procura de ajuda das autoridades competentes sem resultados os trabalhadores e as trabalhadoras do PDS Esperança que acreditam no Projeto se organizaram e no dia 10 de janeiro de 2011 bloquearam a estrada central na entrada do PDS empatando a entrada e saída de caminhões madeireiros ilegais. Estão nesta estrada até o dia de hoje. Este povo só empata a passagem de caminhões madeireiros. Outros veículos passam à vontade.

 

Faz 12 dias que o povo vive acampado na beira da estrada desempenhando o trabalho do governo federal, IBAMA e outras entidades governamentais. A floresta no PDS é reserva intocável de forma individual. Conforme a lei, só se trabalha nesta reserva protegida de forma coletiva e em dialogo com a Associação, o Ministério Público Federal, INCRA e IBAMA. As reivindicações destes trabalhadores e trabalhadoras são estas:

 

1.Vistoria imediata da estrada financiada por INCRA e feita em convenio com a prefeitura local

 

2. Execução imediata das decisões da Revisão e Supervisão Ocupacional feita pelo INCRA durante 2010, como também novas revisões em áreas já alteradas. Que sejam realizadas as revisões ocupacionais nos PA’s e áreas “sob júdice”, reforçando o processo judicial.  Que a procuradoria do INCRA aja com mais força e vontade sobre esta questão dos lotes “sob júdice”

 

3. Proibir exploração de madeira ilegal dentro do assentamento e a retirada dos madeireiros que vivem irregularmente dentro do PDS.  Este controle deve ser feito através da construção e manutenção de duas guaritas colocadas nas duas entradas no Projeto, guaritas a ser mantidas pelo próprio INCRA.

 

No ano internacional da Floresta, este povo do PDS são os heróis e as heroínas da nossa história. O governo federal fala, decreta e promete solenemente em seminários e reuniões nacionais e internacionais a defender e proteger as florestas brasileiras, patrimônio da nação e da humanidade. Mas, de fato, quem defende nosso patrimônio são estes trabalhadores e estas trabalhadoras simples, humildes e comprometidas que deixam suas casas e como Davi, enfrentam os Golias atuais, os donos do poder e do dinheiro. Este povo corajoso está sendo ameaçado, corre risco de perder tudo, até a vida, se o INCRA e o Governo Federal deixam de também enfrentar a invasão e venda ilegal de madeira e terra no PDS Esperança.

 

Clamamos ao Governo Federal e INCRA que deixem de lado interesses e exigências partidárias para defender seu próprio Projeto de Desenvolvimento Sustentável-PDS Esperança. Chamamos também a todas as entidades de se solidarizar com a luta destes trabalhadores corajosos que neste projeto acredita ao ponto de arriscar suas vidas.

 

Vamos dar um basta a exploração ilegal de madeira.

 

Assinam

Associação Brasileira de ONGs (ABONG) - Regional Amazônia

Centro de Estudos e Defesa do Negro do Pará - CEDENPA

PDS Virola Jatobá  -  Gleba Belo Monte

Rio Areia – Lote 125-  Gleba Bacaja

AACMRR –  Gleba Manduacari

ASAGRIM – Gleba Manduacari

ADM –  Gleba Manduacari

Lote 86 – Flamengo Sul – Gleba Bacaja

Lote 95 – Flamengo Sul -  Gleba Bacaja

Comunidade São Jorge – Ramal Bacaja - Surubim

ASA  -  Ladeirão  Gleba Belo Monte

Movimento Xingu Vivo para Sempre

 

PALAVRAS-CHAVE

  • PROJETOS

    • Novos paradigmas de desenvolvimento: pensar, propor, difundir

Rua General Jardim, 660 - Cj. 71 - Osasco- CEP: 01223-010 - São Paulo - SP - Tel.: 11 3237-2122

Horário de funcionamento do escritório: segunda à sábado, das 9h às 19h

design amatraca