ABONG -  - Associação Brasileira de Organizações Não Governamentais

associe-se

conheça nossas associadas

Procure pelo nome em um dos campos abaixo:

selecione
selecione

Ou faça aqui uma busca detalhada:

selecione
selecione
selecione
selecione
  • APOIO

    • CIVICUS
  • REDES

    • Plebiscito Constituinte

MST conclama solidariedade internacional à Palestina

02/06/2010

Leia abaixo nota da secretaria nacional do MST com recomendações ao governo brasileiro diante do ataque de Israel a frota humanitária que levava alimentos e remédios aos territórios palestinos.

"É preciso transformar essa indignação diante da violência de Israel num gigantesco movimento de massas de caráter internacional que faça recuar esse mostro nazi-sionista", conclama o MST.

 

Versão integral da nota

Milhares de palestinos sairam as ruas nesta semana para manifestar seu repúdio a mais esse ato de agressão contra a humanidade praticado por Israel.

 

O mundo se une à dor e ao sofrimento dos familiares dos mortos, que estavam na frota de barcos que levaria comida e remédios para Gaza.

 

A heróica tentativa de romper o ilegal e ilegítimo bloqueio israelense só reforça a idéia de que a mais poderosa arma que os povos têm na sua luta por uma sociedade mais justa é a solidariedade internacional.

Mais uma vez fica confirmado que o exercito de Israel é uma organização marcada pela covardia e pela prática de genocídio e terrorismo contra o povo palestino e contra todos que se rebelam em defesa de um Estado Palestino Laico e Democratico.

 

Nas ruas de varias cidades, que foram ocupadas por israelenses em 1948, bandos de sionistas-fascitas gritam "morte aos árabes" e tentam impedir tambem com violência as manifestações populares a favor de Gaza.

 

O MST apóia a greve dos trabalhadores e comerciantes nos territórios palestinos, ocupados em 1948 e 1967, que aconteceu nesta terça-feira, e todas as manifestações de protesto que visam pressionar Israel para que cumpra as Resoluções das Nações Unidas sobre a Questao Palestina, respeite os princípios do direito internacional humanitário e para que não interfira nos comboios humanitários que rumam para Gaza.

É preciso transformar essa indignação diante da violência de Israel num gigantesco movimento de massas de caráter internacional que faça recuar esse mostro nazi-sionista.

 

O expansionismo e o militarismo israelense são parte da tentativa do imperialismo de sufocar as legítimas lutas de libertação nacional e por transformações sociais que se desenvolvem neste momento em todos os países do mundo.

 

A coragem, a sabedoria e a resistência do povo palestino são simbolos da resistência popular.

 

O grito de Pátria Livre se faz ouvir em todo o território palestino. Judeus, cristãos, muçulmanos e todas as forças democráticas, progressistas e antiimperialistas dentro e fora da Palestina se mobilizam em um movimento unificado contra o inimigo de toda a humanidade: o governo do Estado de Israel e seu aliado, o imperialismo dos Estados Unidos.

 

Um delegação do MST que visita a Palestina entrou em contato direto com o escritório da representação diplomática do Brasil em Ramallah-Palestina e recomendamos:

 

1. A condenação do ataque militar israelense à frota de barcos humanitária que tentava chegar em Gaza. Esse ataque que resultou em vários mortos e feridos, inclusive uma brasileira, Iara Lee, cujo paradeiro até o momento não temos conhecimento. Saudamos o Ministério das Relacoes Exteriores, que divulgou ontem uma nota condenando o ataque.

 

2. As representações diplomáticas em Ramallah e Tel-Aviv devem se organizar para fazer uma visita por vilarejos palestinos e cidades, que foram destruídas, e onde o Estado de Israel ainda continua demolindo casas, desrespeitando os direitos humanos e os princípios do Direito Internacional Humanitário.

 

3. Organizar junto com o Comité Internacional da Cruz Vermelha em Jerusalem uma visita aos presos políticos palestinos, em especial às 34 mulheres e ao representante do Conselho Legislativo Palestino, Ahmad Sadat, que vive uma situação de isolamento absoluto, não podendo receber visitas nem mesmo de sua própria família.

 

4. O governo brasileiro deve voltar atrás na sua decisão de firmar, ratificar e regulamentar o Tratado de Livre Comercio Israel-Mercosul. Consideramos um grande erro manter relações comerciais desse nível com um Estado que desrespeita cotidianamente os direitos humanos e resoluções da ONU, em relação à Questão Palestina e aos princípios fundamentais do Direito Internacional Humanitário;

 

5. O governo brasileiro deve aproveitar o momento para refletir e amparar de maneira mais intensa e efetiva os refugiados palestinos que se encontram hoje no Brasil, principalmente os 150 palestinos que saíram do Iraque e ficaram em um Campo de Refugiados na Jordânia, e que se encontram no Estado de São Paulo;

 

6. O governo brasileiro deve exigir mais uma vez que Israel cumpra as resoluções da ONU sobre o estabelecimento de um Estado Palestino Livre e Soberano no território da Cisjordânia, Gaza e Jerusalém Oriental, conforme resoluções já aprovadas e reiteradas em Assembleia Geral;

 

7. O Brasil deve utilizar todos os mecanismos disponíveis na Carta das Nações Unidas e outras resoluções internacionais para exigir do governo de Israel que cumpra a decisão do Tribunal Internacional da ONU de derrubar o “muro da vergonha”, que tem cerca de 400 km de extensão e separa o povo palestino e israelense, configurando uma situação de apartheid que priva dos palestinos o direito de ir e vir. Sugerimos uma visita à entrada dos palestinos em Belém, cidade onde nasceu Jesus, que hoje se encontra cercada.

 

Sigam em frente irmãos e irmãs palestinos, com uma oliveira numa das mãos e uma pedra na outra, lembrando sempre de sua história, de sua origem e de sua tarefa: lutar permanentemente contra o sionismo e o governo de Israel, mesmo estando em condicões bastante desiguais frente ao inimigo-agressor.

 

Quem não cansa de lutar semeia a cada dia o caminho da vitória. A Palestina será livre, justa e soberana. Esse é o seu caminho e o destino de seu povo. Liberadade e terra para o povo palestino.

 

Secretaria Nacional do Movimentos dos Trabalhadores Rurais Sem Terra - MST

 

PALAVRAS-CHAVE

  • PROJETOS

    • FIP - Fórum Internacional das Plataformas Nacionais de ONGs

Rua General Jardim, 660 - Cj. 71 - Osasco- CEP: 01223-010 - São Paulo - SP - Tel.: 11 3237-2122

Horário de funcionamento do escritório: segunda à sábado, das 9h às 19h

design amatraca