ABONG -  - Associação Brasileira de Organizações Não Governamentais

associe-se

conheça nossas associadas

Procure pelo nome em um dos campos abaixo:

selecione
selecione

Ou faça aqui uma busca detalhada:

selecione
selecione
selecione
selecione
  • APOIO

    • FIP
  • REDES

    • Action2015

Greenpeace intensifica campanha "Dilma, desliga a motoserra"

10/05/2011

Na última quarta-feira (4), a farra da motosserra que se instalou na Câmara dos Deputados freou com a pressão da sociedade civil e principalmente a aparição do governo. Antes tarde do que nunca. A ação foi fundamental para que o trator ruralista não enterrasse, na calada da noite, mais de 78 anos da legislação que protege as florestas brasileiras.

 

O governo do ex-presidente Lula, antecessor e mentor da agora presidente Dilma, comemorou os últimos anos, de forma quase consecutiva, recordes de queda da taxa de desmatamento, especialmente na Amazônia. Em 2010, foi divulgado o menor índice já registrado: 6.451 km2. O índice ainda é injustificado, mas muito melhor do que os quase 30 mil km2 perdidos em apenas um ano visto antes.

 

Ao ser eleita, Dilma se comprometeu a não dar as costas para tais conquistas e continuar o trabalho herdado do governo Lula.  Na época da eleição, Dilma já se colocou contra os principais pontos do texto de reforma do Código Florestal escrito pelo deputado Aldo Rebelo (PCdoB-SP) e seus amigos ruralistas, em especial a anistia a quem desmatou ilegalmente.

 

Em setembro, o Greenpeace e outras 11 organizações socioambientalistas protocolaram no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) o posicionamento de Dilma e outros três presidenciáveis.

 

Confira o que prometeu a então candidata à Presidência Dilma Roussef.

 

No texto, Dilma Rousseff disse: “Discordo da conivência com o desmatamento e da leniência e flexibilidade com os desmatadores”. Ela ainda citou o Programa Mais Ambiente, do governo federal, como um caminho seguro para a regularização ambiental das propriedades agrícolas.

 

Dilma também afirmou não acreditar que a atual legislação ambiental seja um entrave à expansão agropecuária. “O Brasil pode expandir sua produção agrícola sem desmatar. Hoje existem 60 milhões de hectares de pasto mal utilizados ou subutilizados que precisam ser recuperados.”

 

Além disso, preservar as florestas é peça fundamental da política externa brasileira. Foi após assumir uma série de compromissos intermacionais de diminuição do desmatamento que o Brasil tornou-se protagonista nas discussões ambientais mundiais. Como lembrou a presidente na promessa feita à sociedade, "a redução do desmatamento da Amazônia foi um compromisso que o presidente Lula assumiu junto ao povo brasileiro, antes de qualquer compromisso internacional. A preservação deste bem é um dever do Brasil para com os brasileiros do futuro."

 

Já está mais do que na hora de Dilma agir e desligar a motosserra que, hoje, ronca alto no Congresso.

 

Fonte: Greenpeace

 

PALAVRAS-CHAVE

  • PROJETOS

    • Informação, formação e comunicação em favor de um ambiente mais seguro para a sociedade civil organizada

Rua General Jardim, 660 - Cj. 71 - Osasco- CEP: 01223-010 - São Paulo - SP - Tel.: 11 3237-2122

Horário de funcionamento do escritório: segunda à sábado, das 9h às 19h

design amatraca