ABONG -  - Associação Brasileira de Organizações Não Governamentais

associe-se

conheça nossas associadas

Procure pelo nome em um dos campos abaixo:

selecione
selecione

Ou faça aqui uma busca detalhada:

selecione
selecione
selecione
selecione
  • APOIO

    • Pão Para o Mundo
  • REDES

    • Mesa de Articulación

Taxa de mortalidade é maior entre jovens negros, mostra Ipea

12/05/2011

Homens negros jovens, com idade entre 15 a 29 anos, têm uma mortalidade maior do que os brancos na mesma faixa etária. Metade das mortes entre os negros é causada por fatores externos, como homicídios. As informações fazem parte de um estudo do Instituto de Pesquisa Econômica e Aplicada (Ipea), sobre a população negra divulgado nesta quinta-feira (12).

 

O estudo mostra que, em 2001 e 2007, os homicídios foram os responsáveis pela morte de 50% da população negra com idade entre 15 e 29 anos. Enquanto que, em 2001, apesar de os homicídios serem a principal causa de mortes na população branca (36,2%), ainda assim se apresentavam em um índice menor do que na população negra. Já em 2007, a maior parte das causas das mortes de pessoas brancas passou a ser os acidentes de transporte (35,3%).

 

No caso das mulheres negras, a principal causa de mortes foram doenças relacionadas a problemas circulatórios. O fenômeno se repete no caso das mulheres brancas.

 

Também há diferenças quanto ao envelhecimento da população. Há um maior número de pessoas idosas negras (3,6 milhões) do que brancas (3,2 milhões). Segundo o estudo, essa diferença se dá por causa da taxa de fecundidade maior entre a população negra.

 

A taxa de fecundidade das mulheres negras passou, em 1999, de 2,7 filhos para 2,1 filhos dez anos depois. Na população de mulheres brancas, essas taxas passaram de 2,2 para 1,6, no mesmo período.

O estudo chama a atenção para a taxa de fecundidade das adolescentes entre 15 e 19 anos. Nessa população, houve uma variação maior entre brancas e negras nos anos analisados. Em 1999, a taxa de fecundidade das adolescentes negras era 38,9% maior do que das meninas brancas e, em 2009, essa diferença ampliou para 65%.

 

Outro dado importante da pesquisa é que há um número maior de mulheres negras com filhos chefiando os lares do que na população branca. Quase 20% das mulheres negras com filhos são responsáveis pelo lar, enquanto que na população branca esse índice chega a 14,3%.

 

O estudo também mostra que a população brasileira de pessoas negras e pardas é maior do que as que se declararam brancas. No censo do ano passado, 97 milhões de pessoas se declararam negras ou pardas e 91 milhões se declararam brancas. A causa para esse fenômeno está na maior fecundidade da população negra e também ao aumento do número de pessoas que se declararam negras ou pardas.

 

Fonte: Agência Brasil

 

PALAVRAS-CHAVE

  • PROJETOS

    • Novos paradigmas de desenvolvimento: pensar, propor, difundir

Rua General Jardim, 660 - Cj. 71 - Osasco- CEP: 01223-010 - São Paulo - SP - Tel.: 11 3237-2122

Horário de funcionamento do escritório: segunda à sábado, das 9h às 19h

design amatraca