ABONG -  - Associação Brasileira de Organizações Não Governamentais

associe-se

conheça nossas associadas

Procure pelo nome em um dos campos abaixo:

selecione
selecione

Ou faça aqui uma busca detalhada:

selecione
selecione
selecione
selecione
  • APOIO

    • Misereor
  • REDES

    • MCCE

Crime foi encomendado e Polícia deveria ter dado proteção a extrativistas

27/05/2011

A Polícia Federal nomeou o delegado de Marabá (PA) para investigar os assassinatos dos extrativistas José Cláudio Ribeiro da Silva e Maria do Espírito Santo, mortos na madrugada da última segunda-feira (23), em Ipixuna. O delegado da Polícia Civil que acompanha o caso afirma ter certeza de que foi um crime encomendado, embora ainda não tenha identificado nenhum suspeito.

O procurador da República no Pará Felício Pontes Jr considera que as mortes poderiam ter sido evitadas. Para ele, as vítimas deveriam ter proteção policial, já que comunicaram as ameaças que sofriam.

 

“O que não teve resultado, foram as ameaças de morte que deveriam ser combatidas pela Polícia Civil do estado e pela Polícia Militar. A Polícia Militar deveria ter dado proteção não só ao José Cláudio e a Maria, mas a várias pessoas que hoje estão marcadas para morrer.”

 

O casal já havia informado ao Ministério Público Federal (MPF) nomes de madeireiros de que faziam pressão sobre os assentados e invadiam terras para retirar madeira ilegalmente. A situação de insegurança relatada pelo procurador dá indícios de que outros crimes podem acontecer.

“Estamos extremamente preocupados porque nem a Polícia Civil nem a Polícia Militar têm estrutura para fazer frente a essa demanda de tantas pessoas expostas ao crime organizado neste estado.”

 

A Comissão Pastoral da Terra (CPT) responsabilizou o Incra (Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária), o Ibama (Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis ) e a Polícia Federal pelas mortes, porque “nada fizeram para coibir a extração ilegal de castanheiras na reserva”. A CPT ainda afirma que o governo do estado foi omisso ao ignorar as denúncias.

O Pará lidera o ranking da violência e impunidade ligadas a conflitos no campo. José Cláudio e Maria faziam parte de uma lista da Pastoral que continha o nome de 58 pessoas marcadas para morrer.

 

Fonte: Radioagência NP / Jorge Américo

 

PALAVRAS-CHAVE

  • PROJETOS

    • Agenda 2030

Rua General Jardim, 660 - Cj. 71 - Osasco- CEP: 01223-010 - São Paulo - SP - Tel.: 11 3237-2122

Horário de funcionamento do escritório: segunda à sábado, das 9h às 19h

design amatraca