ABONG -  - Associação Brasileira de Organizações Não Governamentais

associe-se

conheça nossas associadas

Procure pelo nome em um dos campos abaixo:

selecione
selecione

Ou faça aqui uma busca detalhada:

selecione
selecione
selecione
selecione
  • APOIO

    • Misereor
  • REDES

    • Fórum Social Mundial

Marchantes pedem por liberdades

20/06/2011

Mais de 40 cidades, incluindo todas as capitais, marcham por liberdade em todo Brasil

Na defesa pela liberdade de reunião e manifestação, a marcha da liberdade saiu às ruas pela segunda vez esse ano em São Paulo (SP), no último sábado (18), reunindo estudantes, artistas, militantes de partidos políticos, ativistas de todos os tipo e participantes de outras marchas – como da maconha, GLBT e das vadias.


Três mil pessoas, segundo organizadores, participaram da marcha. A manifestação se iniciou no Masp (Museu de Arte de São Paulo), e seguiu até a Consolação. De lá, os manifestantes retornaram pela Paulista até a praça Osvaldo Cruz (percorrendo ao todo 3,5 km).

Pelo menos 40 cidades brasileiras abrigaram as marchas da liberdade neste sábado, incluindo todas as capitais e o Distrito Federal. Com exceção a Belo Horizonte, em que a marcha foi reprimida pela polícia militar com uso de cassetetes e spray de pimenta em frente a prefeitura municipal, a marchas transcorreram de forma tranquila.

Segundo Gabriela Moncau, uma das organizadoras da marcha pela liberdade em São Paulo, três princípios gerais aglutinam os marchantes: a luta pelo direito a liberdade de organização e expressão, contra o conservadorismo que pauta o judiciário e o Estado e contra a violência policial em qualquer âmbito da sociedade, principalmente nas periferias.

Ampliando bases

André Takahashi, do movimento Organização Popular Aymberê e um dos organizadores da marcha São Paulo, avalia que apesar do sucesso da Marcha é preciso ampliar a base e contar com uma maior participação dos que mais são vítimas da falta de liberdade. “Atualmente os participantes da marcha são aquela esquerda jovem que está sempre nas ruas pelas mais diversas pautas e também um pessoal vindo do meio artístico alternativo. Além desses, que de certa forma são ligados a alguma organização, tem pessoas que foram atraídas pela possibilidade de lutar por algo novo, pessoas que não se dizem nem de esquerda nem de direita. Mas a marcha só terá futuro se se expandir para a periferia. A pior violência policial ocorre lá e [ocorre] todos os dias, não só nos dias de manifestação”, destaca.

Para Takahashi, a aproximação dos movimentos populares com a Marcha poderia possibilitar a construção de uma onda de manifestações da periferia. “Quem sabe se a defesa da liberdade for incorporada pela periferia, manifestações como as que tem ocorrido na estrada do M'boi Mirim se tornem mais frequentes, organizadas e fortes. Se a violência policial é uma pauta recorrente, precisamos que as pessoas que sofrem essa violência estejam juntos”, defende.

Desde as greves estudantis que ocorreram em universidades por todo País, com ocupações de reitoria em 2007, esse é maior movimento da juventude brasileira. Com forte inspiração no movimento espanhol Democracia Real Já, e com o uso da internet, principalmente das redes sociais, a Marcha tem se tornado uma espécie de guarda-chuva amplo das mais diversas lutas.

Fonte Jornal Brasil de Fato

 

PALAVRAS-CHAVE

  • PROJETOS

    • Projeto Sociedade Civil Construindo a Resistência Democrática

Rua General Jardim, 660 - Cj. 81 - São Paulo - SP - 01223-010
11 3237-2122
abong@abong.org.br

design amatraca