ABONG -  - Associação Brasileira de Organizações Não Governamentais

associe-se

conheça nossas associadas

Procure pelo nome em um dos campos abaixo:

selecione
selecione

Ou faça aqui uma busca detalhada:

selecione
selecione
selecione
selecione
  • APOIO

    • Fundação Ford
  • REDES

    • Fórum Social Mundial

Diferentes países e cidades brasileiras realizam ato mundial contra Belo Monte

22/08/2011

Ativistas realizaram, neste sábado (20/9), protestos em 15 cidades no Brasil e em 16 do exterior, em uma grande manifestação mundial contra a construção da usina hidrelétrica Belo Monte, no Rio Xingu (PA). Este é o primeiro ato organizado mundialmente contra Belo Monte. O objetivo era chamar a atenção dos governos e da sociedade para os impactos que serão causados pela hidrelétrica, que alagará 500 km² de área da floresta amazônica. As manifestações também pediram respeito à vida das etnias indígenas que vivem em torno do Rio Xingu e que serão duramente afetadas no seu modo de vida pela construção. Leia aqui um conjunto de reportagens publicadas sobre os atos pelo movimento Xingu Vivo.



Protesto de Belém contra Belo Monte reúne cerca de mil pessoas

Publicado em 20 de agosto de 2011 
Por Xingu Vivo

Manifestantes contrários à construção da Usina Hidrelétrica de Belo Monte, na Volta Grande do Rio Xingu, sudoeste paraense, saíram às ruas de Belém, em protesto contra a decisão do governo brasileiro. A cidade amanheceu com cartazes alusivos à campanha “Pare Belo Monte!”, promovida pelo Comitê Metropolitano Xingu Vivo Para Sempre, em diversos pontos das principais avenidas.

O ato teve início por volta das 9 da manhã, na Praça da República, e seguiu até a pedra do peixe no Ver-o-Peso, considerada a maior feira livre da América Latina, às margens da Baía do Guajará.Muitos manifestantes saíram com os rostos pintados e vestidos com indumentárias indígenas para lembrar a resistência dos povos da região. “Não, não, não. Belo Monte não!”, “Governo Dilma, mas que vergonha, constrói Belo Monte e destrói a Amazônia!” eram algumas das palavras de ordem que soavam nas ruas da cidade, cantadas por mais de 1500 pessoas aproximadamente, enquanto caminhavam e angariavam apoio entre populares da capital paraense.

Os manifestantes estendiam as palmas das mãos para frente e repetiam a frase “Pare Belo Monte!”, gesto que foi sendo copiado e virou o símbolo do ato realizado em Belém.Às margens da Baia do Guajará, os manifestantes simularam um grande abraço. “Este é um abraço que estamos dando no Rio Xingu e nos rios da Amazônia. É um abraço pela vida e um compromisso incondicional com a luta dos povos da floresta” bradava a voz que saía de um carro som.

O governo vai ter que ouvir

A manifestação de Belém aconteceu em sintonia com outras realizadas pelo Brasil e por vários continentes. Para o economista Dion Monteiro e membro do Comitê Metropolitano Xingu Vivo Para Sempre, este ato foi uma demonstração pública de indignação e repúdio em escala mundial contra esta mega ação destruidora, planejada pelo governo da presidenta Dilma Rousseff (PT), “No mundo todo, as pessoas e as organizações estão unidas contra este projeto de destruição e morte que é Belo Monte. O governo vai ter que ouvir a população da Amazônia e a população do mundo todo dizendo Pare Belo Monte!”.

Para o arquiteto e professor Edmilson Rodrigues, deputado estadual do Pará, Belo Monte é um ameaça para a conservação da sociobiodiversidade da Amazônia, “É bonito ver a humanidade, é bonito ver os lutadores do povo no mundo inteiro, em todos os países, dizendo não a Belo Monte, dizendo não aos grandes projetos que alavancam as riquezas nas mãos de poucos e, ao mesmo tempo, produzem desgraça, assassinatos, prostituição infantil, enfim, ampliam as profundas desigualdades sociais. O Brasil e o mundo dizem não a Belo Monte. O povo paraense diz: Pare Belo Monte!”.

Marcos Mota, do Fórum da Amazônia Orienta,l avalia que as ações de protesto que ocorrem pelo mundo ajudam a esvaziar o discurso falacioso do governo, “De fato, a usina causará um impacto social e ambiental sem precedente na região e entre habitantes locais.”Para o estudante Anderson Castro, liderança do movimento estudantil, “Este ato tem uma importância fundamental, pela primeira vez a gente consegue unir forças a nível internacional para lutar contra a construção de barragens na Amazônia e nós fazemos um convite para a juventude indignada que venha para somar nesta luta”.

A opinião também é compartilhada pelo estudante William Pessoa: “Belo Monte é um grande crime socioambiental que quer destruir a vida do Xingu; vamos às ruas barrar Belo Monte e evitar que se construa uma usina de destruição e morte”.Para Neide Solimões, funcionária pública e dirigente sindical, “O Rio Xingu é um patrimônio da humanidade, daqueles que precisam e vivem do rio. E todos sabem que, politicamente, o que está por traz desta decisão governamental são compromissos com as grandes empreiteiras e grupos econômicos”, afirma.

A Bacia do Rio Xingu é uma referência pela sua diversidade biológica e cultural. Caso seja construída, a vida das etnias indígenas será duramente afetada no seu modo de vida. Trata-se, na verdade, de um crime contra o meio ambiente e à soberania do país. Por isso, a luta para barrar este projeto assume cada vez mais importância. É decisivo para o futuro da Amazônia e do Brasil.

BELO MONTE: Um exemplo de ineficiência energética

Dirigentes do movimento contra a barragem são unânimes em afirmar que até os peixes do Xingu sabem que este projeto é um exemplo de ineficiência energética, financiada com recursos do erário público que só ajudam a reforçar o esquema de corrupção dos que se locupletam no poder. Daí o motivo do governo ignorar o apelo das populações locais, das comunidades científicas e de promover sistematicamente violações da legislação, da Constituição Brasileira e de tratados internacionais.Enquanto o governo se fecha ao diálogo, órgãos de inteligência monitoram a movimentação dos ativistas na região e em outros centros de resistência.

Solidariedade sem fronteira

Ato de Belém foi convocado no rastro de outras mobilizações ocorridas em vários estados brasileiros. A nível internacional, protestos estão confirmados na Alemanha, Austrália, Canadá, Estados Unidos, França, Portugal, México, Inglaterra, Holanda, Escócia, Taiwan, Turquia e País de Gales. A maioria das manifestações ocorrerá em frente à Embaixada Brasileira desses países.



Protestos em Altamira: “Belo Monte não é fato consumado!”

Antecipando programação, afetados pela barragem protestam em local simbólico da obra: a comunidade Belo Monte, que deu nome ao projetoPublicado em 20 de agosto de 2011 
Por Xingu Vivo



Movimentos sociais de Altamira e região realizaram nesta sexta (19) um ato contra a construção da Usina Hidrelétrica Belo Monte. A manifestação antecipou a programação do Dia de Mobilização Global contra Belo Monte.

Pescadores, agricultores, sem teto, professores, indígenas, ribeirinhos e desempregados marcharam, em confluência com a Romaria dos Mártires do Encontro das Comunidades Eclesiásticas de Base (CEBs), que acontecia no município de Vitória do Xingu. Os dois grupos se reuniram na pequena Igreja da comunidade de Belo Monte – bairro que deu nome ao empreendimento que tem balançado o mundo para iniciar o protesto.



Cerca de 300 pessoas cruzaram a balsa – trajeto simbólico que liga Vitória do Xingu a Anapu, numa caminhada que levou cerca de 3 horas. Durante o trajeto, as falas relembraram diversos lutares dos povos do Xingu, do Brasil e do mundo que tombaram em defesa de um mundo mais justo. Cantos e palavras-de-ordem deixavam claro: Belo Monte não é um fato consumado.



O ato foi organizado pelo Movimento Xingu Vivo Para Sempre, com a participação da Comissão Pastoral da Terra (CPT), Conselho Indigenista Missionário (Cimi), Sindicato dos Trabalhadores na Educação Pública do Pará – Núcleo Altamira (Sintepp-Altamira), Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB), Movimento dos Trabalhadores Desempregados (MTD), além de diversas paróquias da região e associações de trabalhadores e moradores das comunidades atingidas.

Fotos: Karen Hoffmann



Sob chuva, mais de mil protestam contra Belo Monte em SP

Publicado em 20 de agosto de 2011 
Por Xingu Vivo



Apesar da chuva que, desde a madrugada, acinzentou São Paulo neste sábado, 20, cerca de mil manifestantes tomaram a Avenida Paulista a parti das 14:30 para protestar contra a hidrelétrica de Belo Monte, no Pará.


Quarto ato contra a usina a ser realizado na capital paulista, a manifestação deste sábado fez parte do Dia Nacional de Luta contra Belo Monte, convocado de forma descentralizada por ativistas e movimentos autônomos em cerca de 15 cidades.



De acordo com os organizadores do evento em São Paulo, a mobilização contra a usina, que se assemelhou a outros protestos pelo mundo, como os ocorridos na Espanha (dos “indignados”), foi um recado claro para o governo federal: a população brasileira não aceita a imposição de projetos de alto impacto social e ambiental, não aceita que decisões sejam tomadas à revelia dos interesses sociais e das legislações nacionais, e quer ter o direito de opinar sobre que tipo de desenvolvimento o pais precisa e deve adotar.

 

Cantando na chuva



Apos uma concentração de quase uma hora no vão livre do Museu de Arte de São Paulo (MASP), a marcha partiu pela avenida Paulista, ocupando duas faixas da pista em direção à Consolação.  Nos cartazes, um dos principais alvos foi a presidente Dilma, mas vários manifestantes também exigiram de seus bancos, como Itaú, Bradesco e Santander, que não participassem do financiamento de Belo Monte.

 



Os caciques kayapó Megaron Tchucarramãe e Yabuti Kayapó – duas das principais lideranças da luta contra as hidrelétricas no rio Xingu -,  representantes de várias etnias e dezenas de guaranis da Grande São Paulo compuseram a comissão de frente. Um boneco de palha, simbolizando a presidente Dilma Rousseff, foi repetidamente malhado durante a marcha, sendo queimado posteriormente no momento em que a marcha ocupou todo a avenida e os indígenas fizeram várias danças cerimoniais.

Por volta das 16 h, a garoa leve que caiu durante toda a tarde se transformou em chuva forte, mas a marcha prosseguiu pela rua Haddok Lobo, uma travessa da Paulista, rumo à sede do Ibama em São Paulo. 

Acenando e brincando com fregueses de restaurantes e cafés, moradores dos prédios de alto padrão e clientes de salões de beleza, os manifestantes seguiram cantando palavras de ordem e chamando a população para a marcha.


Por fim, à frente da do Ibama, os manifestantes exigiram a imediata demissão do presidente do órgão, Curt Trennepohl, que afirmou a uma jornalista australiana que trataria os índios brasileiros como foram tratados os aborígines australianos, vitimas de genocídio em seu país. Outro boneco, de terno e gravata,  simbolizando Trennenpohl, foi incendiado sob vaias. Feito mula sem cabeça, a carcaça ardeu, soltando fogo pelo colarinho.

Fonte: Xingu Vivo

 

 

PALAVRAS-CHAVE

  • PROJETOS

    • Programa de Desenvolvimento Institucional (PDI)

Rua General Jardim, 660 - Cj. 71 - São Paulo - SP - 01223-010
11 3237-2122
abong@abong.org.br

design amatraca