ABONG -  - Associação Brasileira de Organizações Não Governamentais

associe-se

conheça nossas associadas

Procure pelo nome em um dos campos abaixo:

selecione
selecione

Ou faça aqui uma busca detalhada:

selecione
selecione
selecione
selecione
  • APOIO

    • Misereor
  • REDES

    • FIP

Em São Paulo, manifestantes denunciam o genocídio de jovens negros

21/11/2011

O Dia da Consciência Negra foi celebrado em duas das principais capitais do país no domingo (20). Em São Paulo (SP), cerca de 2 mil pessoas saíram às ruas para protestar contra o genocídio de jovens negros. Já no Rio de Janeiro (RJ), manifestantes realizaram uma cerimônia festiva no Monumento Zumbi dos Palmares.

No Monumento, localizado na região central do Rio, aconteceram atividades durante todo o dia como a apresentação de rodas de capoeira e desfiles das escolas de samba Unidos de Vila Isabel, União da Ilha do Governador e Unidos da Tijuca.

 

Foto: Joca Duarte - http://www.pt-sp.org.br

 

Na capital paulista, os manifestantes se reuniram no vão do Museu de Arte de SãoPaulo (Masp) às 10h e seguiram em passeata até o Largo do Paissandu, no centro antigo. “Estamos nos organizando para chamar a atenção da sociedade sobre o massacre da juventude negra que está ocorrendo em todo o país”, destacou o rapper Sandro Rogério, conhecido como Ice Boy.

 

Também foram homenageados a trajetória de negros como o ativista Abdias do Nascimento, o geógrafo Milton Santos e o músico Nelson Cavaquinho. Os manifestantes cobraram ainda a implementação da Lei 10.639 que torna obrigatório o ensino da disciplina de história e cultura afro-brasileira nas escolas.

 

“Quando a gente conhece nossa história, conseguimos desconstruir os preconceitos na sociedade. É urgente e necessário que o país passe a desconstruir seu racismo”, afirmou Anatalina Lourenço da Silva, diretora da Associação dos Professores do Ensino Oficial do Estado de São Paulo (Apeoesp) e representante do Oriaxé (movimento de mulheres negras).

 

Para Gilson Nunes Vitória, integrante da Coordenação Nacional de Entidades Negras (Conen), é possível identificar um aumento de consciência da população negra. “Queremos que as pessoas se reconheçam e tenham orgulho de sua raça, de sua cor e de seu povo. É um trabalho de muito tempo [do movimento negro] e que começa a dar resultado”, declarou.

 

Fonte: Brasil de Fato, com a Agência Brasil

 

 

PALAVRAS-CHAVE

  • PROJETOS

    • Novos paradigmas de desenvolvimento: pensar, propor, difundir

Rua General Jardim, 660 - Cj. 71 - São Paulo - SP - 01223-010
11 3237-2122
abong@abong.org.br

design amatraca