ABONG -  - Associação Brasileira de Organizações Não Governamentais

associe-se

conheça nossas associadas

Procure pelo nome em um dos campos abaixo:

selecione
selecione

Ou faça aqui uma busca detalhada:

selecione
selecione
selecione
selecione
  • APOIO

    • Instituto C&A
  • REDES

    • Plataforma Reforma Política

Bancos pagam salário menor para as mulheres

09/03/2012

Mesmo tendo um nível escolar mais alto, mulheres que trabalham em bancos ganham em média 24,10% a menos do que os homens, conforme pesquisa realizada pelo Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese).

 

Nos bancos privados observa-se a maior disparidade entre salários: a remuneração das mulheres é 29,92% menor do que a dos homens. Já nos bancos públicos, a diferença salarial média é de 15,25%. No que diz respeito ao nível de escolarização, no entanto, as mulheres superam os homens. De modo geral, 71,67% das bancárias têm curso superior, contra 66,52% dos homens.

 

As diferenças salariais também podem ser percebidas na comparação entre os salários de trabalhadores com o mesmo nível escolar. Um bancário que tem doutorado recebe em torno de R$ 12.595,93, enquanto uma bancária com o mesmo nível de instrução ganha R$ 5.889,10 – uma diferença de 53,25%.

Segundo o estudo, as diferenças salariais podem ser explicadas pelo fato de as mulheres estarem em cargos na base da pirâmide, com as mais baixas remunerações. Somente 18% das bancárias ocupam cargos de diretoria e, mesmo assim, com salário inferior ao dos homens. Enquanto um diretor ganha R$ 23.688,10, uma diretora recebe R$ 18.936,18.

 

Os bancos empregam mais de 234 mil mulheres, o que corresponde a 48,8% do total de postos de trabalho que dispõem. Nos bancos privados as mulheres são maioria (53,05%) e nos bancos públicos representam 42,97% dos empregados.

 

De acordo com a pesquisa, pelas dificuldades que enfrentam por receberem salários inferiores e não conseguirem promoções a cargos de maiores prestígio, as mulheres acabam permanecendo menos tempo nos bancos. Os dados revelam que, enquanto 17 mil homens permaneceram empregados nos bancos por três décadas, apenas 6 mil mulheres tiveram o mesmo tempo de casa.

 

As informações foram obtidas pela subseção do Dieese na Confederação Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro (Contraf-CUT) através de uma análise dos dados da Relação Anual de Informações Sociais (RAIS), do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE).

 

Fonte: Brasil de Fato

 

 

PALAVRAS-CHAVE

  • PROJETOS

    • Programa de Desenvolvimento Institucional (PDI)

Rua General Jardim, 660 - Cj. 71 - São Paulo - SP - 01223-010
11 3237-2122
abong@abong.org.br

design amatraca