ABONG -  - Associação Brasileira de Organizações Não Governamentais

associe-se

conheça nossas associadas

Procure pelo nome em um dos campos abaixo:

selecione
selecione

Ou faça aqui uma busca detalhada:

selecione
selecione
selecione
selecione
  • APOIO

    • Instituto C&A
  • REDES

    • ALOP

Povos de terreiro são tema de encontro com a Ministra da Igualdade Racial no RS

26/03/2012

A legalização dos terreiros de umbanda como política pública de interesse da Secretaria de Políticas de Promoção da Igualdade Racial da Presidência da República (Seppir). Esse foi o destaque do “Diálogo Aberto com a Ministra da Igualdade Racial, Luiza Bairros, e o Povo de Terreiro do Rio Grande do Sul”, que lotou o plenário da Câmara de Vereadores do município gaúcho de Alvorada na última sexta-feira, 23.

 

A ministra Luiza enfatizou a importância da legalização, no sentido de contribuir com o combate à discriminação de que são vítimas os proprietários e frequentadores destes espaços. O prefeito Carlos Brum lembrou que, em Alvorada, reconhecida nacionalmente pelo grande número de terreiros de umbanda e de adeptos das religiões de matriz africana, já é realidade a isenção de tributos municipais para os locais de culto.

 

Também foi pauta das manifestações a discriminação racial, ainda considerado um grande desafio no Brasil, embora, através de políticas públicas, muito já se tenha avançado e importantes conquistas tenham sido alcançadas por etnias que mais sofriam com o preconceito. O Encontro foi promovido pela RenafroSaúde – Rede Nacional de Religiões Afro Brasileiras e Saúde – Núcleo RS, em parceria com a Secretaria Estadual de Políticas Públicas para Mulheres do RS e a Prefeitura Municipal de Alvorada.

 

O prefeito Carlos Brum, acompanhado do vereador Prof. Borba, que representava o Legislativo municipal, recepcionaram a ministra Luiza Barros e a secretária estadual de Políticas Públicas para Mulheres, Márcia Santana, que integraram a mesa das autoridades, juntamente com a secretária municipal de Educação, Maria de Lourdes Santos da Silva.

 

Antes de iniciarem o "Diálogo", aconteceram duas apresentações culturais. A primeira foi o canto de religião de matriz africana do Alabê André de Xangô e, a seguir, o grupo Nação Periférica apresentou números de maracatu, com "forte inspiração" nos ritmos dos terreiros.

 

Na segunda metade da tarde, a mesa foi composta pela ministra Luiza Bairros, a secretária Márcia Santana, a diretora de Direitos Humanos e Cidadania da Secretaria de Justiça e Direitos Humanos, Tâmara Biolo Soares, o coordenador da RenafroSaúde, Babá Diba e, como mediador do Diálogo, o professor Jayro Pereira, teólogo da Religião Afro.

 

Ao final do encontro, depois de mais uma apresentação cultural, desta vez do Grupo de Dança Afro Axé Delê, foi servido um coquetel temático durante um momento de confraternização entre os participantes do evento.

 

Fonte: Seppir

 

PALAVRAS-CHAVE

  • PROJETOS

    • Novos paradigmas de desenvolvimento: pensar, propor, difundir

Rua General Jardim, 660 - Cj. 81 - São Paulo - SP - 01223-010
11 3237-2122
abong@abong.org.br

design amatraca