ABONG -  - Associação Brasileira de Organizações Não Governamentais

associe-se

conheça nossas associadas

Procure pelo nome em um dos campos abaixo:

selecione
selecione

Ou faça aqui uma busca detalhada:

selecione
selecione
selecione
selecione
  • APOIO

    • União Europeia
  • REDES

    • Plataforma Reforma Política

Marcha reivindica 10% do PIB para a educação pública e pede fim das privatizações

29/03/2012

Todos os anos, no dia 28 de março, a sociedade civil organizada do Rio de Janeiro (Sudeste do Brasil) se manifesta em torno de reivindicações populares. Neste ano, a temática escolhida foi a educação pública. Os manifestantes, que se reuniram na tarde desta quarta-feira, pediram às autoridades competentes que a nação repasse 10% do seu Produto Interno Bruto (PIB) para a educação pública e disseram não às privatizações.

 

Professores, estudantes e funcionários do setor público da educação se reuniram na Candelária, centro histórico do Rio de Janeiro, para dar vida à Marcha pela Educação. De acordo com Tarcísio Motta de Carvalho, professor da Rede Municipal de Duque de Caxias e diretor do Sindicato Estadual dos Profissionais de Educação do Rio de Janeiro – Sepe, a cifra anunciada de 7% para a educação não cobre as grandes necessidades do setor, por isso se demanda a aplicação dos 10%.

 

Tarcísio apontou a necessidade de se colocar um fim à meritocracia na educação pública, encerrando com os sistemas de metas e notas que implicam no salário dos professores. Outra problemática relacionada à educação, citada pelo professor, foi a destruição das escolas públicas com a contratação de empresas privadas e a falta de investimentos adequados.

 

"Entre os principais problemas relacionados à educação pública no Brasil está a questão da infraestrutura. As escolas estão superlotadas e não são adequadas para a aplicação das propostas pedagógicas. Há também o problema do autoritarismo e da falta de uma gestão democrática que permita que a comunidade de aproprie da escola. Outro ponto é a falta de autonomia pedagógica do professor, que hoje só reproduz pacotes de projetos”, critica Tarcísio.

 

Durante a Marcha pela Educação, também foi pedido que o Governo cessasse com o fechamento das escolas do campo. De acordo com o Censo Escolar do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais (Inep), do Ministério da Educação, em 2002 havia 107.432 escolas no meio rural. Já em 2009 este número caiu para 83.036 estabelecimentos.

 

A manifestação desta tarde também foi oportuna para dizer não às privatizações e reivindicar que uma das maiores riquezas do Brasil – o petróleo - seja do povo. Os manifestantes também pediram o fim da privatização do transporte público (barcas, ônibus e metrô), que hoje se encontra em péssimas condições de conservação, com preços elevados e limitações ao passe-livre.

 

A Marcha pela Educação foi realizada pelo Fórum Estadual de Defesa da Escola Pública com o apoio de 40 movimentos e organizações da sociedade civil carioca. Há um ano, em 31 de março de 2011, o Fórum realizou manifestação semelhante pedindo melhorias para a educação pública.

 

28 de março

 

A data rememora a morte do estudante secundarista Edson Luis de Lima Souto, de 18 anos, assassinado em 28 de março de 1968 pela ditadura militar no restaurante estudantil Calabouço, no Rio de Janeiro. O paraense foi o primeiro estudante morto pela ditadura. Seu assassinato marcou profundamente o movimento estudantil e fortaleceu a resistência dos jovens contra o regime militar. 1968 foi marcado ainda pelas constantes mobilizações contrárias ao regime e pelo endurecimento das ações dos militares, que neste ano decretaram o Ato Institucional Número Cinco (AI-5).

 

Fonte: Adital, por Natasha Pitts

 

PALAVRAS-CHAVE

  • PROJETOS

    • Programa de Desenvolvimento Institucional (PDI)

Rua General Jardim, 660 - Cj. 81 - São Paulo - SP - 01223-010
11 3237-2122
abong@abong.org.br

design amatraca