ABONG -  - Associação Brasileira de Organizações Não Governamentais

associe-se

conheça nossas associadas

Procure pelo nome em um dos campos abaixo:

selecione
selecione

Ou faça aqui uma busca detalhada:

selecione
selecione
selecione
selecione
  • APOIO

    • Pão Para o Mundo
  • REDES

    • Plataforma Reforma Política

Levante Popular da Juventude promove ações contra impunidade à Carajás

17/04/2012

 

 

No dia de hoje, jovens de 10 estados brasileiros realizam ações de protesto pela memória e justiça no aniversário de 16 anos do Massacre de Eldorado dos Carajás, acontecido no dia 17 de abril de 1996 no estado do Pará.

21 cruzes brancas, em memória aos 21 trabalhadores do campo executados pela Polícia Militar em Eldorado, foram colocadas em pontos estratégicos nos estados do Ceará, Sergipe, Rio Grande do Norte, Paraíba, Bahia, Pernambuco, Minas Gerais, Pará, Paraná, Rio de Janeiro, São Paulo, Distrito Federal e Rio Grande do Sul.

 

Em Belo Horizonte, os jovens escolheram o pirulito da Praça 7 como local da ação. "Eldorado dos Carajás, 16 anos de impunidade" foi a mensagem deixada pelo movimento no coração da cidade, logo nas primeiras horas da manhã.

 

A ação, organizada pelo Levante Popular da Juventude, visa denunciar a impunidade dos responsáveis políticos e materiais pela chacina e dar visibilidade aos conflitos no campo, fruto da concentração de terra no país. Segundo a Comissão Pastoral da Terra, os conflitos no campo aumentaram de 2001 a 2010, levando ao assassinato de 360 trabalhadores.

 

Eldorado dos Carajás

 

Há 16 anos, 21 trabalhadores do campo foram assassinados na cidade de Eldorado dos Carajás, no Pará. Na tarde do dia 17 de abril de 1996, cerca de 1100 sem-terra interditavam a rodovia PA-150 em marcha rumo à capital para exigir a desapropriação da fazenda Macaxeira, em Curionópolis (PA), ocupada por 1.500 famílias havia 11 dias.

 

Do gabinete do então governador Almir Gabriel saiu a ordem de “desobstrução da via”, encaminhada pelo secretário de Segurança Pública, Paulo Sette Câmara, e executada com truculência pela polícia militar do estado do Pará, em ação comandada pelo Coronel Mário Colares Pantoja e o Major José Maria Pereira Oliveira.

 

O uso abusivo e truculento de força policial é comprovado pelos depoimentos, fotos e laudos periciais sobre a tragédia. A perícia judicial divulgou laudo onde concluiu que os sem-terra foram executados com tiros à queima-roupa, pelas costas ou na cabeça, com golpes de machado e facão no momento em que já estavam rendidos pela polícia.

 

Impunidade

 

Dos 155 acusados, 142 foram absolvidos, 11 foram retirados do processo e apenas dois - o Coronel Mário Colares Pantoja e o Major José Maria Pereira Oliveira - foram condenados. O então Governador e o Secretário de Segurança Pública, responsáveis políticos pela chacina, não foram sequer indiciados.

 

Em 2002, o Coronel Mário Colares Pantoja e o Major José Maria Pereira Oliveira foram condenados a 228 e 154 anos de prisão. No entanto, apesar da sentença, os dois respondem em liberdade, sem previsão para execução da pena.

 

 

Levante Popular da Juventude

 

O Levante Popular da Juventude é um movimento social organizado por jovens que visa contribuir para a criação de um projeto popular para o Brasil. Não é ligado a partidos políticos.

 

Com caráter nacional, tem atuação em todos os estados do país, no meio urbano e no campo. Se propõe a articular jovens, militantes de outros movimentos ou não, interessados em discutir as questões sociais e colaborar para a organização popular.

 

O Levante organiza a juventude para fazer denúncias à sociedade, por meio de ações de Agitação e Propaganda. Recentemente, no dia 26 de março, organizou manifestos pela responsabilização dos militares acusados de tortura durante o período da Ditadura Civil-militar. O Levante Contra a Tortura foi realizado em vários Estados do país através de ações de escrachos em frente à casa e locais de trabalho dos militares.

 

O movimento não tem bandeiras previamente definidas. A luta política se dá pelas pautas escolhidas pelos próprios militantes, que realizam atividades de estudo e debates, sistematicamente, por todo o país.

 

Fonte: Página do MST

 

PALAVRAS-CHAVE

  • PROJETOS

    • Programa de Desenvolvimento Institucional (PDI)

Rua General Jardim, 660 - Cj. 81 - São Paulo - SP - 01223-010
11 3237-2122
abong@abong.org.br

design amatraca