ABONG -  - Associação Brasileira de Organizações Não Governamentais

associe-se

conheça nossas associadas

Procure pelo nome em um dos campos abaixo:

selecione
selecione

Ou faça aqui uma busca detalhada:

selecione
selecione
selecione
selecione
  • APOIO

    • Misereor
  • REDES

    • MCCE

Cimi completa 40 anos

23/04/2012

Para nós do Cimi, hoje (23) é um dia especial. Celebramos os 40 anos de apoio, presença solidária e compromisso com os povos indígenas. Neste domingo (22) tivemos a feliz oportunidade de estar com D. Pedro Casaldáliga, um dos fundadores da entidade. Seu radical e profético compromisso com a causa dos oprimidos, a partir da Igreja de São Felix do Araguaia, para a Abya Yala, Amerindia e o mundo, o tornam o poeta, profeta e testemunho radical, do Reino de Deus, de uma nova sociedade que supere o projeto colonialista e capitalista que tanto sofrimento, dominação, extermínio e destruição trouxeram para essas terras.

O Cimi, nos seus 40 anos de solidariedade, presença e apoio aos povos indígenas, lutou pelos direitos desses povos, em especial pela terra e seus projetos de Bem Viver. Enquanto os Pataxó Hã-Ha-Hai lutam pelo seu território, com apoio de mais de trinta anos do Cimi, reafirmamos nosso compromisso com essa causa.

 

***

 

Brasília, ainda criança, completava seus dez anos, quando duas dezenas de missionários e bispos se reuniam, sob os ventos auspiciosos e renovadores do Concílio Vaticano II e as desafiadoras verberações dos antropólogos em Barbados. Porém o então secretário da Conferência Nacional dos Bispos (CNBB), D. Ivo Lorscheider, fizera a convocação com mais uma preocupação, que era a tramitação no Congresso, do Estatuto do Índio, que estava para ser aprovado.

 

Foi nesta conjuntura que, de 21 a 23 de abril de 1972, na sede do Antrophos em Brasília, se realizou o terceiro encontro de missionários. Além dessa pauta de urgências da conjuntura, em plena ditadura militar, no “milagre brasileiro”, desenvolvimentismo, “ame-o ou deixe-o”, os missionários sentiram a necessidade urgente de enfrentar o desafio de mudanças profundas na sua forma de estar junto aos povos indígenas, através de alguma forma de organização e articulação. Já havia sido descartada a proposta de “diocese pessoal” à semelhança do que acontecia com relação aos militares, com um bispo responsável pela questão indígena em todo o país. Surgiu então a idéia de se conformar um Conselho congregando os missionários e estudiosos que pudessem ajudar na definição de formas de atuação mais coerentes às luzes do Vaticano II e as conferências Episcopais de Puebla e Medellín, além de dar respostas concretas à realidade de morte e agressões e violência perpetradas contra a maioria dos povos indígenas do Brasil. Seria uma espécie de equipe assessora e animadora dos missionários.

 

Foi então que constituíram o Conselho Indigenista Missionário, no final do encontro, naquele dia 23 de abril. Já como primeira incumbência de contribuir com a proposta de Estatuto do Índio, construir um regimento interno e organizar encontros dos missionários, o Conselho iniciou suas atividades. Pe. Jaime Venturelli, salesiano, foi seu primeiro presidente. Tempos depois pediu demissão pois a entidade passou a andar por caminhos - denúncias das violências, organização de equipes volantes de levantamento da realidade, criticas severas à política indigenista do governo,  dos quais ele discordava. Nascia assim o Cimi, numa realidade de contradições, violências, genocídio. A ata de fundação, além do secretário da CNBB, D. Ivo L. , estavam D. Tomás Baldinho , D. Eurico Kastler (tio do atual presidente do Cimi – D. Erwin),  D. Pedro Casaldáliga e D. Sigoud, que secretariou o encontro e mais tarde viria acusar D. Pedro e D. Tomás de comunistas...

 

Nascia assim uma entidade que marcou decisivamente o indigenismo brasileiro e a presença missionária da igreja católica junto aos povos indígenas no Brasil. Como pastoral de fronteira, profética, com vários missionários dando seu testemunho com o  sangue derramado pela vida dos povos indígenas, O Cimi, assim como a Comissão Pastoral da Terra, que nasceu em 1975, se constituíram sob o signo do testemunho radical de compromisso com a vida, ao lado dos mais oprimidos e marginalizados deste país.

 

Indignados, comprometidos e esperançosos

 

Com essas palavras, D. Pedro Casaldáliga se referiu aos missionários do Cimi, por ocasião da celebração dos 40 anos de existência. Ao lembrar a atuação do Cimi nestas quatro décadas marcadas pelo profetismo, radicalidade do Reino, testemunho silencioso na encarnação-inculturação junto às comunidades indígenas, martírio, não deixou de mencionar as contradições e erros cometidos por missionários nesta caminhada. Porém a celebração dessa memória também nos deve remeter a uma profunda avaliação para não apenas lembrar vitórias dos povos indígenas e nossa contribuição corajosa, teimosa e destemida, movidos pela opção radical pela vida, uma nova sociedade, a fé que nos impulsiona e alimenta, para definir os próximos passos, as novas estratégias de atuação.

D.Pedro não podia deixar de mencionar duas dimensões muito presentes, buscadas em meio a muitas dificuldades, o “macro-ecumenismo”, diálogo intereligioso, em sintonia e com o processo de luta dos povos indígenas em todo o continente, na construção de um novo projeto de sociedade baseado nas experiências milenares de Bem Viver dos povos primeiros destas terras.

 

Para os aproximadamente trezentos missionários indigenistas articulados no Cimi por esse Brasil afora, hoje é uma data especial. Lembramos centenas de aguerridos lutadores que não hesitarão em deixar o caminho fácil do sistema neocolonial e deram sua vida pela causa dos povos indígenas, seus direitos, suas terras, seus projetos de Bem Viver. Celebramos a vida e a esperança, renovando nosso compromisso com a causa dos povos indígenas, do Reino de justiça, de vida plena, de solidariedade e de paz.

 

Fonte: Brasil de Fato, por Egon Heck

 

PALAVRAS-CHAVE

  • PROJETOS

    • Novos paradigmas de desenvolvimento: pensar, propor, difundir

Rua General Jardim, 660 - Cj. 71 - São Paulo - SP - 01223-010
11 3237-2122
abong@abong.org.br

design amatraca