ABONG -  - Associação Brasileira de Organizações Não Governamentais

associe-se

conheça nossas associadas

Procure pelo nome em um dos campos abaixo:

selecione
selecione

Ou faça aqui uma busca detalhada:

selecione
selecione
selecione
selecione
  • APOIO

    • União Europeia
  • REDES

    • ALOP

Centro Cultural Feminista do SOS Corpo debate trajetórias de vida de trabalhadoras domésticas

24/04/2012

O bate-papo, realizado em parceria com o Sindicato das Trabalhadoras Domésticas, acontece nesta quarta (25), a partir das 18h30, na Madalena, Recife.

Próximo dia 27 de abril é o Dia Nacional da Trabalhadora Doméstica.


A vida cotidiana das mulheres se passa na maior escassez de tempo. A obrigação do exercício diário do trabalho doméstico, incluindo a responsabilização com cuidados para com a família, instituído socialmente para as mulheres, sobrecarrega ainda mais as empregadas domésticas – que fazem este trabalho em suas casas e nas casas das patroas e patrões. Toda essa vivência é, no dia a dia destas trabalhadoras, associada a precários e/ou inexistentes serviços públicos de qualidade, que as colocam em condições de vida bem diferenciadas daquelas experimentadas pelos homens, mesmo quando eles estão na mesma condição sócio-econômica.

 

Para dialogar e refletir sobre estas experiências, o centro cultural feminista do SOS CORPO debaterá, neste mês de abril, o tema “trajetórias de vidas das trabalhadoras domésticas”. A atividade, realizada em parceria com o Sindicato das Trabalhadoras Domésticas da Região Metropolitana do Recife, ocorrerá nesta quarta-feira, dia 25 de abril, a partir das 18h30, no bairro da Madalena, Recife/PE. A discussão será aberta pela socióloga Betânia Ávila.

 

A categoria das trabalhadoras domésticas tem uma das jornadas de trabalho mais extensas do Brasil. A luta por jornada de trabalho fixada em lei, não superior a 44 horas semanais, e por horas extras por serviços extraordinários se somam à defesa de outros direitos ainda negados, como: auxilio acidente; salário familia; obrigatoriedade do FGTS; obrigatoridade do seguro desemprego; adicional noturno; adicional de periculosidade, considerando que muitas atividades inerentes ao emprego doméstico são penosas.

 

“Portanto, neste 27 de abril, Dia Nacional da Trabalhadora Doméstica, iremos mais uma vez reafirmar nossa luta por igualdade de direitos. Os desafios para equiparação de nossos direitos com as demais categorias profissionais continuam grandes”, disse Creuza Maria Oliveira, Presidenta da Federação Nacional das Trabalhadoras Domésticas (FENATRAD). Ela destacou a necessidade urgente de o Brasil ratificar a Convenção 189, aprovada na 100ª Conferência da Organização Internacional do Trabalho (OIT), e alterar o Artigo 7o da Constituição Federal que restringe os direitos das trabalhadoras domésticas a apenas 9, dos 34 direitos dos demais profissionais. “Só podemos considerar que avançamos de fato quando a Convenção 189 for ratificada e quando a legislação for alterada”, explica Creuza Maria. A Convenção da OIT, órgão das Nações Unidas, estabelece o trabalho doméstico como trabalho decente e uma série de direitos a serem assegurados pelos Estados que a ratificarem para garantir a dignidade das trabalhadoras domésticas. “Estamos atentas, e vamos continuar mobilizando e conscientizando nossa categoria”, concluiu. Segundo o IBGE, são 7,2 milhões de trabalhadoras domésticas no país. Mas, a FENATRAD calcula um total de 8 milhões.

Agenda do Sindicato no Recife – Na próxima quinta-feira, dia 26/04, a partir das 14h, o Sindicato das Trabalhadoras Domésticas da RMR convida as companheiras interessadas em esclarecer dúvidas sobre previdência social, aposentadoria e INSS a comparecer à sede do Sindicato (Rua da Concórdia, 977, Bairro de São José). “É uma forma de marcar o Dia Nacional e, ao mesmo tempo, informar e conscientizar as empregadas domésticas sobre seus direitos, além de aproximá-las do Sindicato. A participação política é muito importante para que possamos enfrentar as dificuldades e avançar na garantia dos nossos direitos, no papel, na lei e no cotidiano do nosso trabalho”, explicou Luiza Batista Pereira, presidenta do Sindicato. Ela informou que, atualmente, são 1.150 trabalhadoras sindicalizadas na entidade.



SERVIÇO:

'Trajetórias de Vida de Trabalhadoras Domésticas' no centro cultural feminista do SOS Corpo
O bate-papo vai ser aberto por uma exposição de Betânia Ávila.
Data: Quarta-feira, 25 de abril
Hora: 18h30
Local: Sede do SOS Corpo – Instituto Feminista para a Democracia (Rua Real da Torre, 593, Madalena, Recife/PE)


Outras informações

Mariana Moreira - assessoria de imprensa do SOS CORPO
Telefone: (81) 9699-7996

 

Fonte: SOS Corpo

 

PALAVRAS-CHAVE

  • PROJETOS

    • Informação, formação e comunicação em favor de um ambiente mais seguro para a sociedade civil organizada

Rua General Jardim, 660 - Cj. 81 - São Paulo - SP - 01223-010
11 3237-2122
abong@abong.org.br

design amatraca