ABONG -  - Associação Brasileira de Organizações Não Governamentais

associe-se

conheça nossas associadas

Procure pelo nome em um dos campos abaixo:

selecione
selecione

Ou faça aqui uma busca detalhada:

selecione
selecione
selecione
selecione
  • APOIO

    • Instituto C&A
  • REDES

    • Beyond

Dia do Meio Ambiente: Mobilização Global contra o Capitalismo e a Mercantilização da Vida

04/06/2012

Amanhã, 5 de junho, Dia Internacional do Meio Ambiente, ativistas de todas as partes do mundo vão se mobilizar contra a crise capitalista e em favor de saídas concretas para a crise ambiental. As manifestações serão realizadas no marco da ‘Mobilização Global contra o Capitalismo e a Mercantilização da Vida e em defesa dos bens comuns, da justiça social e ambiental', convocada pela Assembleia de Movimentos Sociais durante o Fórum Social Temático, realizado em janeiro.

 

As manifestações de amanhã também querem reforçar o posicionamento dos movimentos sociais e suas propostas, que serão debatidas durante a Cúpula dos Povos por Justiça Social e Ambiental, a ser realizada nos próximos 15 a 23 no Rio de Janeiro (Brasil), onde também acontecerá a aguardada Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável (Rio+20).

 

A Articulação de Movimentos Sociais para a Aliança Bolivariana para os Povos de Nossa América (Alba) está reforçando o chamado da Assembleia dos Movimentos Sociais e evocando a sociedade civil a se juntar aos protestos para mostrar a força das mudanças que estão acontecendo desde toda a América Latina. Mobilizados, ativistas de várias partes do mundo vão lutar contra a mercantilização da vida e em defesa dos bens comuns e pela integração dos povos da região.

 

As ações preparadas para celebrar o Dia Internacional do Meio Ambiente serão mais uma oportunidade para rejeitar as propostas baseadas na ‘economia verde' e lutar contra a crise sistêmica que se transforma em crise econômica, financeira, política, alimentar e ambiental e que prejudica o pleno desenvolvimento da vida humana. A Assembleia dos Movimentos acredita que hoje a "descolonização dos povos oprimidos e o enfrentamento ao imperialismo” são os principais desafios dos movimentos sociais de todo o mundo. Junto a isso, defendem que é preciso reafirmar o combate às transnacionais, a luta em favor da justiça climática e pela soberania alimentar, a luta pelo fim da violência contra a mulher, pela paz, contra a guerra, contra o colonialismo, as ocupações e a militarização dos territórios.

 

"A defesa da soberania e a autodeterminação dos povos, a justiça econômica, ambiental e de gênero, são a chave para o enfrentamento e a superação da crise, fortalecendo o protagonismo de um Estado livre das corporações e a serviço dos povos”, defendem.

 

Outra medida importante é conhecer e combater os agentes causadores do agravamento da crise. São bancos, transnacionais, conglomerados midiáticos, instituições internacionais e governos que conseguem benefícios como tratados de livre comércio e medidas de austeridade, que oprimem ainda mais a população, intensificando as migrações, os deslocamentos forçados, as desocupações, o endividamento e as desigualdades sociais.

 

O aquecimento global e a crescente emissão de gases poluentes na atmosfera também são resultados da crise. Para tentar contornar a situação, os agentes causadores da crise mundial desenvolveram a chamada ‘economia verde' como ‘solução' para a crise ambiental e alimentar. No entanto, já está comprovado que esta falsa medida na verdade resulta na mercantilização e privatização da vida.

 

Os movimentos sociais e ambientais organizados por meio da Assembleia rejeitam enfaticamente esta falsa saída e outras como os agrocombustíveis, os transgênicos, a geoengenharia e os mercados de carbono, "que são novos disfarces do sistema”.

 

Assim, motivados pela necessidade urgente de lutar e inspirados na batalha de movimentos como Primavera Árabe, Ocuppy Wall Street, Os Indignados e nas reivindicações dos estudantes chilenos por educação, e certos de que a população mundial não deve continuar sofrendo os efeitos da crise capitalista, a Assembleia dos Movimentos Sociais conclama à participação na grande jornada de mobilização global contra o capitalismo e pede que a sociedade civil impulsione e a realização da Cúpula dos Povos.

 

Fonte: Adital, por Natasha Pitts.

 

PALAVRAS-CHAVE

  • PROJETOS

    • FIP - Fórum Internacional das Plataformas Nacionais de ONGs

Rua General Jardim, 660 - Cj. 71 - São Paulo - SP - CEP: 01223-010 - Tel.: 11 3237-2122

Horário de funcionamento do escritório: segunda-feira à sexta-feira, das 9h às 19h

design amatraca