ABONG -  - Associação Brasileira de Organizações Não Governamentais

associe-se

conheça nossas associadas

Procure pelo nome em um dos campos abaixo:

selecione
selecione

Ou faça aqui uma busca detalhada:

selecione
selecione
selecione
selecione
  • APOIO

    • União Europeia
  • REDES

    • Plataforma MROSC

Consea aprova propostas para política agroecológica ao governo federal

06/06/2012

Na última reunião plenária, realizada na semana passada, o Conselho Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional (Consea), aprovou uma exposição de motivos à presidenta Dilma Rousseff sobre a Política Nacional de Agroecologia e Produção Orgânica (Pnapo).

Entre as recomendações propostas pelo conselho estão a eliminação da isenção fiscal para a produção e comercialização dos agrotóxicos, a alocação da arrecadação em fundo para financiamento da produção orgânica e de base agroecológica e a proibição de agrotóxicos que já foram banidos em outros países.

O Consea pede a proibição de uso de transgênicos em unidades de conservação, assentamentos de reforma agrária, terras indígenas e de povos e comunidades tradicionais.

Na exposição de motivos, o conselho pede a criação de territórios de proteção da agrobiodiversidade, que sejam livres de agrotóxicos e transgênicos, tendo como ponto de partida os assentamentos da reforma agrária, terras indígenas, territórios quilombolas e unidades de conservação.

“Com a proximidade da realização da Rio+20, espera-se do Brasil o protagonismo na defesa de um novo modelo de desenvolvimento pautado na sustentabilidade nas dimensões ambiental, social e econômica”, diz o documento.

Ainda segundo o documento, “o Brasil tornou-se o maior consumidor de agrotóxicos do mundo e há fortes interesses de grandes corporações monopolizarem a comercialização de sementes por meio da modificação genética, o que fere frontalmente a nossa soberania e os direitos dos produtores, especialmente a agricultura familiar e camponesa, povos indígenas e povos e comunidades tradicionais”.

“A consolidação de um modelo de produção de alimentos em sintonia com tais princípios e que não utilize insumos perigosos à saúde humana e ao meio ambiente torna-se uma necessidade premente”, diz a nota, que é assinada pela presidenta do conselho, Maria Emília Pacheco.

Clique aqui para obter a íntegra da exposição de motivos.

 

Fonte: Página do MST

 

PALAVRAS-CHAVE

  • PROJETOS

    • Informação, formação e comunicação em favor de um ambiente mais seguro para a sociedade civil organizada

Rua General Jardim, 660 - Cj. 81 - São Paulo - SP - 01223-010
11 3237-2122
abong@abong.org.br

design amatraca