ABONG -  - Associação Brasileira de Organizações Não Governamentais

associe-se

conheça nossas associadas

Procure pelo nome em um dos campos abaixo:

selecione
selecione

Ou faça aqui uma busca detalhada:

selecione
selecione
selecione
selecione
  • APOIO

    • Misereor
  • REDES

    • MCCE

Movimentos realizam esculacho em frente à casa de torturador, no Rio de Janeiro

19/06/2012

Cerca de 1.500 pessoas ligadas a movimentos sociais realizaram na manhã desta terça-feira (19) um esculacho em frente à casa do torturador da ditadura militar Dulene Aleixo Garcez dos Reis. O ato ocorreu durante a realização da Cúpula dos Povos, evento paralelo à Rio+20.

 

A marcha saiu às 9h da manhã da Urca, zona sul do Rio de Janeiro, e seguiu até a casa do torturador, na rua Lauro Miller, 96, região do Botafogo (RJ).

 

O esculacho foi organizado desde maio pelo Levante Popular da Juventude junto com a Articulação Nacional pela Memória, Verdade e Justiça, movimentos estudantis e a Via Campesina.

 

“Nós estamos articulando junto com os movimentos que já tocavam essa luta, familiares dos mortos durante o regime militar e ex-presos políticos. Estamos tentando avançar nessa articulação com outros movimentos”, ressalta Carolina Dias, do Levante Popular da Juventude.

 

A ação conhecida como esculacho visa denunciar ex-agentes que participaram, direta ou indiretamente, da ditadura militar brasileira e demonstrar que eles continuam levando suas vidas normalmente, sem que tenham passado por algum processo de julgamento sobre seus atos.

Histórico

 

Dulene Aleixo Garcez dos Reis foi capitão da Infantaria do Exército em 1970 e, no ano seguinte, serviu no Batalhão de Infantaria Blindada de Barra Mansa. No dia 17 de janeiro do mesmo ano, participou da tortura do jornalista e secretário-geral do Partido Comunista Brasileiro Revolucionário, Mario Alves.

 

Alves foi morto dentro do 1º Batalhão de Polícia do Exército, na Tijuca, onde funcionava o DOI-CODI. Segundo a revista Carta Capital de março de 2008, Mário Alves foi submetido a uma sessão de torturas que terminou com sua morte. O jornalista foi torturado por um cassetete de madeira com estrias de ferro, o que causou hemorragia interna, perfuração dos intestinos e morte.

 

Fonte: Brasil de Fato, por José Francisco Neto

 

PALAVRAS-CHAVE

  • PROJETOS

    • Informação, formação e comunicação em favor de um ambiente mais seguro para a sociedade civil organizada

Rua General Jardim, 660 - Cj. 81 - São Paulo - SP - 01223-010
11 3237-2122
abong@abong.org.br

design amatraca