ABONG -  - Associação Brasileira de Organizações Não Governamentais

associe-se

conheça nossas associadas

Procure pelo nome em um dos campos abaixo:

selecione
selecione

Ou faça aqui uma busca detalhada:

selecione
selecione
selecione
selecione
  • APOIO

    • CIVICUS
  • REDES

    • Fórum Social Mundial

Sem freio, Código Florestal vai de mal a pior

13/07/2012

A sessão para votação do texto da Medida Provisória do Código Florestal no Congresso estava marcada para as 10h desta quinta-feira. Mas só às 16h os parlamentares iniciaram, de fato, a deliberação. Isso porque tanto a bancada ambientalista quanto os ruralistas estavam obstruindo a sessão. Obviamente, cada qual por um motivo diferente.

 

Os ambientalistas porque veem, a cada rodada de negociação do Congresso, piorar ainda mais um texto que já é muito ruim. Já a bancada ruralista ainda não se deu por satisfeita com as crueldades já aplicadas ao meio ambiente. Eles querem mais.

 

O relatório do senador Luiz Henrique (PMDB-SC) foi aprovado por 16 votos a favor e quatro obstruções. Mas a novela não para por aí. No dia 7 de agosto, após o recesso parlamentar, ainda serão analisados os mais de 300 destaques ao texto, podendo aumentar o estrago sem proporções. Depois disso, a MP vai para os Plenários da Câmara dos Deputados e do Senado, onde os ruralistas pretendem impor mais derrotas ao governo.

 

“A vontade de premiar o desmatamento e o criminoso ambiental parece não ter fim. Hoje, com o apoio do governo, os ruralistas pioraram ainda mais o texto que veio do Planalto. Tal como está, a lei dará ainda mais liberdade para o avanço das motosserras, deixando as florestas fadadas à destruição”, afirmou Marcio Astrini, da Campanha Amazônia.

 

O texto aprovado hoje vai contra o movimento global pelo desenvolvimento sustentável, tema sobre o qual girou a Conferência Rio +20, que teve no Rio de Janeiro a sua sede, no último mês de junho.

 

“Na Rio+20, os chefes de estado entregaram ao mundo um texto vergonhoso. Poderíamos fazer diferente e mostrar que há como se desenvolver respeitando o meio ambiente. Mas o governo só tem olhos para o passado, cede às chantagens ruralistas e, com isso, está jogando fora nosso diferencial de país”, disse Astrini.

 

Sem confiança na ação de seus governantes, só resta à sociedade civil a iniciativa popular. A lei do Desmatamento Zero é uma resposta ao desastroso Código ruralista. Dê sua contribuição e assine pela proteção do maior dos patrimônios nacionais.

 

Fonte: Greenpeace

  • PROJETOS

    • Programa de Desenvolvimento Institucional (PDI)

Rua General Jardim, 660 - Cj. 71 - São Paulo - SP - CEP: 01223-010 - Tel.: 11 3237-2122

Horário de funcionamento do escritório: segunda-feira à sexta-feira, das 9h às 19h

design amatraca