ABONG -  - Associação Brasileira de Organizações Não Governamentais

associe-se

conheça nossas associadas

Procure pelo nome em um dos campos abaixo:

selecione
selecione

Ou faça aqui uma busca detalhada:

selecione
selecione
selecione
selecione
  • APOIO

    • Misereor
  • REDES

    • TTF Brasil

Cordão da Mentira sairá às ruas para questionar: Quando vai acabar o genocídio popular?

27/09/2012

No marco dos inúmeros incêndios em comunidades, das desocupações forçadas, das políticas de higienização e dos repetido atos de violência policial, acontece no próximo sábado (29), na cidade de São Paulo (Sudeste brasileiro), o 2º Cordão da Mentira, que trará como tema o questionamento "Quando vai acabar o genocídio popular?” O cordão carnavalesco quer fazer, de forma bem humorada, um protesto contra a violência do Estado. A concentração será às 11h no largo General Osório, próximo à estação Luz do metrô.

 

Nas palavras de Natália Leon, uma das organizadoras da ação, o Cordão da Mentira é uma atividade com fundo político que quer chamar todos e todas a ocuparem os espaços públicos - que são da coletividade - para se manifestarem de forma diferente.

 

"O Cordão não é puramente carnavalesco, ele surgiu neste ano da iniciativa de coletivos políticos e organizações independentes que queriam fazer manifestações diferentes das que se vê hoje, usando intervenções estéticas como o teatro e a música, neste caso o samba, para passar conteúdo político. O tema, ‘Quando vai acabar o genocídio popular?’, se baseia no que está acontecendo agora em São Paulo, como as desocupações, os incêndios em comunidades e as ações policiais violentas”, explica Natália, afirmando que este é também um Cordão questionador.

 

Fantasiados e ao som de sambas com tom de protesto, os/as participantes vão passar por pontos estratégicos da cidade e que representam "a institucionalização de práticas brutais nas forças policiais”. A concentração começa na antiga sede do Departamento de Ordem Política e Social (Dops), que hoje abriga o Memorial da Resistência. De lá, seguem para o Espaço Projeto Nova Luz, que segundo Natália é um projeto de revitalização do centro, que na verdade deixa clara a intenção da política higienista dos atuais governos.

 

O trajeto segue pela Guarda Civil Metropolitana (GCM), pela Ocupação Mauá, onde 273 famílias lutam para permanecer morando; pela Prefeitura de São Paulo; Secretaria de Administração Penitenciária, Secretaria de Segurança Pública – locais escolhidos para representar as políticas de encarceramento e institucionalização das práticas policiais violentas - ; Agência Funerária Central; Tribunal de Justiça e Praça da Sé. Neste local, será feito o encerramento do Cordão com uma conversa com as ‘Mães de Maio’, mulheres que perderam os filhos vítimas da violência policial.

 

Nesta segunda edição, o Cordão da mentira espera reunir mais de mil pessoas para ocupar o espaço público e transformar a manifestação é um momento de denúncias e reivindicações. De acordo com Natália, a proximidade das eleições ajuda a fazer um contraponto e mostrar que, apesar de todas as promessas, ainda hoje, na cidade de São Paulo, muitas pessoas não têm onde morar. "Queremos que nesta edição o Cordão aumente e que a mídia possa mostrar nossa denúncia”, deseja.

 

Contexto

 

A população empobrecida de São Paulo vem atravessando um momento marcado por violência policial, desocupações forçadas e incêndios em comunidades. Um exemplo é o caso da Ocupação Mauá, onde 273 famílias lutam contra o despejo. Elas moram em um imóvel abandonado há mais de 20 anos e que acumula mais de dois milhões de reais em dívidas de imposto predial, mesmo assim, recentemente, a Justiça outorgou uma liminar em favor do proprietário do imóvel.

 

O caso dos incêndios em comunidades é o mais grave. Segundo informações da Defesa Civil, apenas neste ano foram registrados 34 casos, sendo que sete aconteceram em apenas 40 dias, deixando desabrigados, mortos e feridos. As autoridades tentam explicar os incêndios como fatalidades, mas não convence, pois os moradores e moradoras estão começando a juntar as peças e tirar suas próprias conclusões. No caso da tragédia ocorrida no último dia 17, na favela do Moinho, os afetados pelo fogo foram impedidos de reconstruir suas casas. Desde 2006 a prefeitura tentava remover a favela, que abrigava mais de 500 famílias.

 

1º Cordão

 

O 1º Cordão da Mentira aconteceu no dia 1º de abril deste ano e abordou o tema "Quando vai acabar a ditadura civil-militar?”. A intervenção artística levou cerca de mil pessoas para as ruas da cidade de São Paulo para (des) celebrar a farsa, a mentira e a repetição exaustiva de que a ditadura militar brasileira chegou ao fim. E, sobretudo, para questionar porque os crimes do passado continuam impunes.

 

Para mais informações sobre o evento, acesse: cordaodamentira.milharal.org/ ou facebook.com/cordaodamentira

 

Fonte: Adital, por Natasha Pitts

 

PALAVRAS-CHAVE

  • PROJETOS

    • Novos paradigmas de desenvolvimento: pensar, propor, difundir

Rua General Jardim, 660 - Cj. 81 - São Paulo - SP - 01223-010
11 3237-2122
abong@abong.org.br

design amatraca