ABONG -  - Associação Brasileira de Organizações Não Governamentais

associe-se

conheça nossas associadas

Procure pelo nome em um dos campos abaixo:

selecione
selecione

Ou faça aqui uma busca detalhada:

selecione
selecione
selecione
selecione
  • APOIO

    • Instituto C&A
  • REDES

    • FIP

Matança em SP: Até quando vai durar o silêncio cúmplice?

12/11/2012

Do Mães de Maio

 

Já são mais de 170 mortes (oficialmente), ao longo dos últimos 25 dias, no estado de São Paulo. Cerca de 20 agentes do estado, frente a cerca de 150 seres humanos civis - em sua maioria jovens pobres, negros e periféricos.

 

O movimento Mães de Maio tem demonstrado pesar e solidariedade a TODAS as famílias de vítimas desse período terrível. Solidariedade às famílias de civis, como as do MC Daniel Gabú, do jovem Pedro e do jovem Caíque, e de tantos outros mais, que tombaram nas últimas semanas. Solidariedade às famílias de agentes do estado, como a filha (que testemunhou sua morte), à família e a@s amig@s da agente Sra. Marta Umbelina, assassinada no último feriado por autores e razões desconhecidas. Dor de Filha, Dor de Mãe, de Familiares e Amig@s é A MESMA, em qualquer lugar!

 

Até aqui houve comoção, por parte das autoridades e da grande imprensa, APENAS em relação às mortes de agentes do estado, PORÉM NÃO HOUVE NENHUMA DECLARAÇÃO SEQUER, DE "PESAR E SOLIDARIEDADE", ÀS CENTENAS DE FAMÍLIAS DE CIVIS DESTRUÍDAS POR ESTAS MATANÇAS. Por que as famílias de jovens pobres e negros assassinados, além de destruídas, insistem em ser desconsideradas, ou simplesmente humilhadas moralmente como se fossem "famílias de bandidos e marginais", e isso supostamente justificasse todo o sofrimento?!?! Que se relembre a tod@s: no Brasil e em São Paulo, pelo menos na letra da Lei, não existe pena de morte...

 

Enquanto um movimento popular pacífico que somos, uma rede de Mães e Familiares em busca do Direito à Verdade, à Justiça e à Transformação Social, sempre fomos e seremos solidári@s frente a Dor gerada atod@s envolvid@s involuntariamente nessa guerra orquestrada por meia dúzia de colarinhos brancos nos altos cargos e altos escalões da elite. Eles seguem intocáveis e impunes, aprofundando esta barbárie, sem sofrer esta nossa Dor, muito menos sujar as suas mãos – a não ser com o dinheiro gerado por esta guerra. Até quando tantos agentes trabalharão para eles, arriscando inclusive suas próprias vidas cotidianamente, oprimindo seus iguais, matando-se muitas vezes até mesmo vizinhos e vizinhas das mesmas comunidades, é o que nos perguntamos todos os dias.

 

Que haja uma trégua de todas as partes envolvidas nessa carnificina, pois todo mundo está perdendo nessas matanças cotidianas aí, as Mães, Famílias e Amig@s que choram são, a grande maioria, oriundas da mesma classe social (trabalhadora), da mesma cor (negra, principalmente), e do mesmo território (pobre e periférico). O mesmo território, os mesmos bairros e comunidades que estão sofrendo cotidianamente com o pânico dos toques de recolher - muitos determinados pela própria polícia, a proibição de simplesmente transitar pelas ruas com liberdade, sequer, de ir e vir tranquilamente.

 

Já são mais de 170 mortos (oficialmente) apenas nos últimos 25 dias no estado de São Paulo, repitimos, dentre policiais e sobretudo civis, e dezenas de bairros sitiados e "recolhidos" na Grande SP, Baixada Santista e interior, sobretudo nas regiões periféricas – alvos preferenciais do chamado “combate ao tráfico”, uma verdadeira militarização de comunidades inteiras e "matança dos 'suspeitos'". Paraisópolis, Heliópolis, Capão Redondo, Brasilândia que o digam?! Por que nada se comenta sobre a pacificação de Higienópolis?!

Desde os Crimes de Maio de 2006, pelo menos, já assistimos matanças de centenas de jovens serem utilizadas política e eleitoralmente, e as verdadeiras vítimas fomos nós que perdemos nossos filhos e filhas, amigos e amigas, mort@s ou desaparecido@s, sem ter tido qualquer reparação ou justiça até os dias de hoje. E não tem faltado Luta para tanto...

 

Até quando os pilantras de colarinho branco lá de cima vão seguir assistindo, ordenando (com muitos dos nossos obedecendo cegamente), aparelhando e incentivando essa matança generalizada, cujo sangue escorrendo na calçada tem quase sempre a mesma origem social e racial?! Quem é que está mesmo lucrando com essa matemática terrível das chacinas sem fim?!

 

Esta madrugada foram, ao menos, mais 12 vidas ceifadas, mais 12 famílias destruídas...

 

#AS MÃES, FAMILIARES, FILHOS E FILHAS SÃO AS PRINCIPAIS VÍTIMAS: DE AGENTES E DE CIVIS, EM QQ LUGAR!

 

#PAZ URGENTE NAS PERIFERIAS DO ESTADO DE SÃO PAULO E DE TODO BRASIL!

MÃES DE MAIO DA DEMOCRACIA BRASILEIRA

 

Fonte: Caros Amigos

 

 

PALAVRAS-CHAVE

  • PROJETOS

    • Novos paradigmas de desenvolvimento: pensar, propor, difundir

Rua General Jardim, 660 - Cj. 71 - São Paulo - SP - 01223-010
11 3237-2122
abong@abong.org.br

design amatraca