ABONG -  - Associação Brasileira de Organizações Não Governamentais

associe-se

conheça nossas associadas

Procure pelo nome em um dos campos abaixo:

selecione
selecione

Ou faça aqui uma busca detalhada:

selecione
selecione
selecione
selecione
  • APOIO

    • Instituto C&A
  • REDES

    • Plataforma Reforma Política

Somos menos um

22/01/2013

Por Verena Glass

 

Existe um tipo de turma que tem estado por aí há um tempo sem tempo, e que tem gravado na retina as histórias da gente que faz história à margem da História. Com máquinas por vezes ultrapassadas, sapatos puídos, camisetas desbotadas e dinheiro pouco - quase nada - nos bolsos, esse grupo não-grupo se tromba nas marchas, manifestações, protestos e encontros país afora, se reconhece, se abraça, e segue em frente no que, para eles, se tornou não um ganha-pão, mas um ganha-vida: fotografar o povo onde o povo luta.

 

João Zinclar foi assim. Nem lembro mais onde nos conhecemos ou reconhecemos. Nos víamos bastante nas atividades do MST, onde a Turma mais se encontrava (eu, café-com-leite, por não ter a vivência e a experiência que eles tem). Anos atrás, foi la no sertão baiano, em Sobradinho. Eu vinha de uma história de atravessar o Nordeste para reportar os estragos da expansão de cana na vida dos sertanejos; ele, construindo uma de suas obras primas, o registro grandioso do São Francisco, publicado no livro "O rio São Francisco e as águas no Sertão". Eram os dias em que o bispo Dom Luís Cappio fazia greve de fome em defesa do rio, e naquela noite marchamos juntos na Romaria das Águas por tantas horas que tivemos tempo de dividir muito do que já sonhamos no pensamento e brigamos com as lentes (eu obviamente mais ouvia do que falava).

 

Naqueles dias ainda andamos pela região. Fomos ao canal do Salitre, onde o João havia registrado uma das mais bonitas e produtivas ocupações do MST e que, depois do despejo, tinha voltado a morrer. Fomos ao acampamento onde aquelas famílias tinham sido jogadas, e ele me mostrou a desgraça que é a guerra pela água no sertão. Nos despedimos na rodoviária, e cada um pegou seu pinga-pinga rumo ao próximo destino. Éramos amigos.

 

No aniversário de 25 anos do MST, em Sarandi, RS, nos encontramos de novo. Vários de nós, da Turma, estávamos lá. Naquela festa, João recebeu o prêmio de fotógrafo amigo do movimento, e acho que foi um dos grandes dias de ser feliz na vida dele. Brindamos com uma cachaça Mangueira, que tinha trazido do Piauí.

 

E assim foi pelos anos. Precisa de foto de cortador de cana? O João tem. De uma ocupação, de uma greve? Liga pro João. Do São Francisco? Zinclar. No comecinho do ano passado ele me procurou porque queria ir pro Pará, fotografar a luta do Movimento Xingu Vivo (com quem tenho estado nos últimos tempos) contra Belo Monte. Não tinha grana, mas foi. Registrou a primeira ocupação do ano e o roubo do cemitério da comunidade de Santo Antonio pelo Consórcio Norte Energia.

 

No final de 2012, ele me ligou de novo. Queria ir ao Mato Grosso do Sul, de onde eu tinha acabado de voltar, pra registrar a situação dos Guarani Kaiowá. Não deu tempo. Neste sábado, 19, um caminhão que colidiu com o ônibus em que viajava tirou João Zinclar de nós. Bateu uma sensação estranhíssima de incongruência do possível. Como isso pode ser? Tínhamos coisas pra fazer, precisamos dele pra quando precisarmos. Acho que a ficha ainda não caiu direito...

 

O pesar pela morte do João circulou entre os movimentos sociais neste fim de semana como honraria pesada de respeito. Alguns da Turma de fotógrafos nos comunicamos, sem muito saber por onde. Deixar de ter Zinclar para estar junto é uma perda duríssima para o povo que luta. É uma perda irreparável também para o jornalismo que, com e como ele, registra as histórias de um Brasil que muitos querem invisível. Para nós, os amigos, somos menos um.

 

Fonte: Repórter Brasil

 

 

PALAVRAS-CHAVE

  • PROJETOS

    • Informação, formação e comunicação em favor de um ambiente mais seguro para a sociedade civil organizada

Rua General Jardim, 660 - Cj. 71 - São Paulo - SP - 01223-010
11 3237-2122
abong@abong.org.br

design amatraca