ABONG -  - Associação Brasileira de Organizações Não Governamentais

associe-se

conheça nossas associadas

Procure pelo nome em um dos campos abaixo:

selecione
selecione

Ou faça aqui uma busca detalhada:

selecione
selecione
selecione
selecione
  • APOIO

    • Fundação Ford
  • REDES

    • FIP

Desemprego entre jovens pode significar falta de mão de obra no futuro, avalia especialista

23/01/2013

O aumento da criminalidade nas cidades, a migração de áreas rurais para urbanas e a escassez de mão de obra no futuro podem ser algumas consequências da incidência do desemprego sobre os jovens, avalia o diretor adjunto de Estudos e Políticas Sociais do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), Carlos Henrique Leite Corseuil.

 

De acordo com dados da Organização Internacional do Trabalho (OIT), 12,6% das pessoas entre 15 e 24 anos no mundo estavam sem emprego em 2012, o que corresponde a cerca de 74 milhões de pessoas.

 

“Estudos mostram que no Brasil, e também em outros lugares do mundo, um cenário mais apertado no mercado de trabalho urbano pode desmotivar a busca dos jovens por um emprego e fazer com que tentem a vida de outras formas. Na maioria dos casos, em atividades ilegais”, disse Corseuil à Agência Brasil.

 

Segundo ele, o Brasil não atingiu patamar preocupante de desocupação entre a população jovem. Ao contrário, o mercado no Brasil está aquecido, em termos gerais. A taxa de desemprego para os jovens na América Latina e no Caribe, região na qual se insere o Brasil, ficou em 13,5% - um pouco acima da média mundial (12,6%), mas abaixo dos países desenvolvidos (17,9%), como Estados Unidos e Japão; do Oriente Médio (28,1%); do Norte da África (23,8%) e da Europa Central (17,1%), de acordo com a OIT.

 

No caso dos jovens em áreas rurais, a escassez de trabalho pode levar à migração para as cidades, em busca de melhores oportunidades. De acordo com Corseuil, a maioria das pessoas no campo ignora quando a situação nas cidades também não está favorável, o que acaba estimulando o êxodo e o inchaço das cidades – com a ampliação das favelas, da pressão sobre a infraestrutura em geral e da precarização dos serviços básicos. Nas cidades, essa população jovem que veio do campo se torna urbana e passar a encontrar os mesmos problemas.

 

O impacto do desemprego para as novas gerações ainda pode trazer problemas para o futuro, como a escassez de mão de obra qualificada. “Quando se passa por momentos de crise, como o atual, não significa que não se vai precisar de profissionais mais para a frente. Então, esse jovem que poderia estar trabalhando, adquirindo experiência e se qualificando vai perder essa fase”, disse o diretor do Ipea.

 

Há diversos tipos de iniciativas experimentais para tentar solucionar a questão do desemprego entre a juventude, segundo Corseuil, como a criação de instrumentos que auxiliem essas pessoas na procura por emprego, citando como exemplo, o portal Mais Emprego, do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) brasileiro. Em alguns países europeus, informou Corseuil, há iniciativas que vão além, como instituições que entram em contato com o jovem, analisam seu perfil e tentam combiná-lo com as demandas das empresas, o que aumenta as chances de colocação no mercado.

 

Outras iniciativas - como programas de treinamento direcionado, formação específica e subsídio para contratação - têm resultados diferentes, segundo o diretor do Ipea. De acordo com ele, os resultados funcionam de acordo com os contextos específicos e podem trazer benefícios mais ou menos expressivos, dependendo da situação.

 

“O desemprego entre jovens é muito mais sensível aos ciclos econômicos que o de adultos. Como passamos por um período de crise, é natural que haja aumento. Pode ser que ainda demore um tempo para que os jovens passem a se beneficiar da recuperação”, explicou.

 

Fonte: Agência Brasil

 

PALAVRAS-CHAVE

  • PROJETOS

    • Informação, formação e comunicação em favor de um ambiente mais seguro para a sociedade civil organizada

Rua General Jardim, 660 - Cj. 71 - São Paulo - SP - 01223-010
11 3237-2122
abong@abong.org.br

design amatraca