ABONG -  - Associação Brasileira de Organizações Não Governamentais

associe-se

conheça nossas associadas

Procure pelo nome em um dos campos abaixo:

selecione
selecione

Ou faça aqui uma busca detalhada:

selecione
selecione
selecione
selecione
  • APOIO

    • Fundação Ford
  • REDES

    • Plataforma Reforma Política

Agências britânicas fazem campanha conjunta por sistema alimentar mais justo

14/02/2013

O mundo produz comida suficiente para prover a cada mulher, homem e criança o consumo de 2.700 calorias por dia. São algumas centenas de calorias a mais do que o recomendado para um adulto, que é de 2.300 calorias, segundo a FAO (1996). Então, por que motivo existe a fome? Sabemos que há muitas causas para este mal, mas uma campanha conjunta das agências britânicas escolheu quatro questões políticas que, se forem tratadas, podem contribuir para a diminuição este grave problema no mundo:investimento, tributos, terra e transparência.

 

Na Campanha IF (“Enough food for everyone IF...”, que, em inglês, quer dizer “Alimentos suficientes para todos e todas se...”), a Christian Aid se juntará a mais de 100 outras agências e organizações britânicas para realizar ações de incidência no sentido de garantir um sistema alimentar mais justo e que funcione para todos.

 

Para Ana Rocha, assessora de projetos da Christian Aid, a organização se juntou à campanha porque essa é uma oportunidade poderosa para contribuir na melhoria da vida de milhões de pessoas e também em contribuir para mudar as políticas e práticas que contribuem para a perpetuação da pobreza e da desigualdade. “Já trabalhamos os temas de acesso à terra e justiça fiscal e tributária e estamos de acordo com os quatro temas da campanha”, afirma.

 

Segundo Ana, a coalisão permite aprofundar o debate com outros públicos e tomadores de decisão. “Além do que, estar na campanha nos dá a possibilidade de influenciá-la e garantir que as demandas sejam alinhadas com nossas estratégias e crenças. Por exemplo, o ingresso da questão de tributos como um dos pilares da campanha teve influencia da participação de Christian Aid. Desde 2007 trabalhamos com a ideia de que, se os países em desenvolvimento pudessem coletar seus impostos e tributos regularmente, ou em casos como o Brasil, gerar sistemas tributários mais justos, esses recursos teriam um papel fundamental em garantir melhores serviços e atendimento aos direitos das populações mais vulneráveis.”, explica

 

Foco da campanha

 

Desde a campanha para eliminar a pobreza (Make Poverty History) de 2005 a comunidade internacional não se une em uma grande coalisão para mobilizar pessoas em torno de uma única causa. A Campanha IF quer alcançar 20 milhões de apoiadores no Reino Unido.

 

O foco é o Reino Unido, porque em 2013, é o país que recebe a presidencia do G-8 e tem condições de influenciar positivamente a agenda dos países mais poderosos do mundo nas questões consideradas chave pela campanha. Os quatro pilares estão estruturados segundo alguns pressupostos,

 

Para a questão do investimento em desenvolvimento: Teremos comida suficiente para todos SE o Reino unido se comprometer com a ajuda ao desenvolvimento para impedir que crianças morram de fome e ajude as famílias mais vulneráveis a encontrarem os caminhos para se prover de alimentos.

 

Para a questão dos tributos: Teremos alimentos suficientes para todos e todas SE o governo garantir que as grandes empresas paguem seus impostos corretamente nos países em desenvolvimento.

 

Para a questão da terra: Teremos alimentos suficientes para todos e todas SE conseguirmos evitar que os pequenos agricultores sejam expulsos de suas terras e possam cultivar alimentos e não matéria-prima para biocombustíveis.

 

Para a questão da transparência: Teremos alimentos suficientes para todos e todas SE governos e grandes empresas forem honestos e transparentes em relação a suas ações que acabam impedindo com que as pessoas tenham acesso à alimentação.

 

Fases da mobilização

 

A campanha buscará incidir especialmente em três momentos-chave da política britânica. O primeiro seria a votação do orçamento do Reino Unido em março, com o intuito de garantir o compromisso do primieiro-ministro David Cameron em destinar 0.7% do PIB britânico à ajuda ao desenvolvimento. Com a crise, esse compromisso tem sido questionado e colocado em risco.

 

O segundo momento é uma Conferência sobre a Fome, que está sendo planejada pelo governo britânico para ocorrer simultaneamente com a reunião do G-8. O encontro abre espaço para que outros líderes mundiais ouçam os argumentos da campanha e possam influenciar positivamente a agenda.

 

E o terceiro momento é a reunião do G-8, que ocorre em 17 e 18 de junho, na Irlanda do Norte capitaneada por Cameron. Na agenda do encontro, estão os quatro temas-chave da campanha: ajuda ao desenvolvimento, terra, tributos e transparência. Com a presença da imprensa, há grande expectativa para a mobilização da população em torno desse encontro.

 

Importância para o Brasil

 

Mara Luz, representante da Christian Aid no Brasil, esteve no lançamento da campanha no Parlamento britânico no dia 23 de janeiro e explica que a organização estará presente em todos os momentos da mobilização.  “Como as questões de terra e tributos são prioridades para o trabalho de Christian Aid no Brasil, seguiremos de perto a campanha e providenciaremos materiais para subsidiar os debates acerca dos graves impactos que os entraves no acesso à terra e a as injustiças causadas pelo sistema tributárioregressivo traz para o Brasil”, conta Mara.

 

A campanha foi desenvolvida por organizações britânicas focadas nos objetivos locais, mas pela natureza das mudanças que busca os temas são internacionais e de extrema relevância para o Brasil. “Como muitas das organizações que fazem parte da coalizão trabalham internacionalmente, a campanha foi pensada para refletir as visões de colegas, parceiros, ativistas e pessoas com quem estas organizações trabalham nos países em desenvolvimento”, explica Ana Rocha.

 

Ela conta que a Christian Aid está contribuindo com materiais (folhetos, emails, materiais para a mídia) e com isso, faz com que vozes  do sul sejam ouvidas no debate acerca da fome e da segurança alimentar. O programa do Brasil está contribuindo com materiais sobre as dificuldades e desafios no acesso à terra.

 

Além disso, aponta Ana, o debate sobre justiça fiscal e tributária inserido na campanha coincide com o trabalho que a Christian Aid vem desenvolvendo desde 2007 sobre o tema. “Esta é uma oportunidade incrível para fazer com que a questão ganhe ainda mais visibilidade e notoriedade. Nossa expectativa é de que a campanha ajude a reforçar a necessidade de as questões tributárias entrarem na agenda do G-20 em 2014 na luta contra o sigilo fiscal e as más práticas por parte das multinacionais”, conclui Ana.

 

Para saber mais

Site da campanha: http://enoughfoodif.org

Twitter: @enoughfoodif / #IF

Facebook: www.facebook.com/enoughfoodif

Vídeo de apresentação da campanha (em inglês): http://www.youtube.com/watch?v=Xi38ZtG4NhM

 

Fonte: PAD

 

PALAVRAS-CHAVE

  • PROJETOS

    • Novos paradigmas de desenvolvimento: pensar, propor, difundir

Rua General Jardim, 660 - Cj. 81 - São Paulo - SP - 01223-010
11 3237-2122
abong@abong.org.br

design amatraca